Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Conversas de taxista /premium

Autor

Saído da televisão para a presidência, Marcelo continuou à sua maneira na TV. Ninguém o tira de lá, o que lhe garante uma quase sobrenatural forma de ubiquidade e o caminho para o amor universal.

O amor e o ódio estão na ordem do dia e não é por acidente que isso se vê melhor na televisão do que no resto. A televisão tende a simplificar as coisas até aos limites do possível e muitas vezes consegue-o quase para além deles. Por isso, tudo o que por lá aparece suscita emoções desproporcionadas. Aos berros ou sussurrante, a televisão procura apagar – em noticiários, em novelas e em programas de futebol – os meios-termos e a favorecer tudo o que é passional. Não digo isto para me queixar. Constato apenas que é assim. E ninguém é obrigado a consumir o produto oferecido, graças a Deus, embora convenha estar vagamente a par do que a casa gasta. Até para ter alguma noção do que por hábito e método sistematicamente lhe escapa, e que lhe escapa por o passional ocupar o espaço todo de que dispõe, ao ponto de tudo quase parecer uma caricatura da realidade e não uma qualquer via de acesso e contacto com ela.

Dois episódios recentes são ilustrativos disto, e têm justamente a ver com o amor e o ódio. Do lado do amor, temos o telefonema de Marcelo a Cristina Ferreira. Do lado do ódio, a conversa de Mário Machado com Manuel Luís Goucha. Comecemos pelo amor. Marcelo, através da “presidência dos afectos”, não pára de o exibir e de o reivindicar. Parece que Leonard Bernstein, que ambicionava o amor universal, terá dito ao compositor Ned Rorem que o seu desejo era ser amado por toda a gente, mas que tal era, é claro, impossível: não podia conhecer toda a gente. Marcelo parece não considerar esse obstáculo irredutível. Saído da televisão para a presidência, continuou à sua maneira na televisão. Ninguém o tira de lá, o que lhe garante uma quase sobrenatural forma de ubiquidade que é meio-caminho andado para a obtenção do amor universal.

Tal dádiva de amor, que levou Cristina Ferreira às lágrimas, procede, aposto, de um sentimento genuíno: o desejo devorante de ser amado por todos. O que, numa pessoa com a idade dele, tem algo de extravagante. É que, com o tempo, numa saudável harmonia entre a oferta e a procura, precisamos cada vez mais de ser amados por menos pessoas. Marcelo, aparentemente, não. Quer que Portugal inteiro o ame. E sabe que isso só pode ser realizado através da televisão. O que, sendo esta o que é, lhe convém também. A televisão precisa igualmente de amor como de pão para a boca. Ela e Marcelo foram feitos um para o outro.

Mas a televisão precisa também de ódio. E aqui entra a insignificante figura de Mário Machado, representante máximo da extrema-direita e do racismo nacional. Não vi a conversa com Goucha, que não interessa para nada. Assisti, no entanto, como toda a gente, às reacções. A indignação foi generalizada. O Público publicou um abaixo-assinado, com o título “O racismo e o fascismo não passarão!”, em que se censura a “legitimação do fascismo e das suas vozes” e se pede uma acção pronta do Estado e das suas mais elevadas figuras para que a coisa não se repita. Também aqui algo é surpreendente: o excesso. Tal como o excesso de amor de Marcelo, o excesso de importância dado ao pouco recomendável Mário Machado não deixa de ser significativo. Significativo, desta vez, da necessidade de sofrer por antecipação. Como se o advento de um novo fascismo estivesse por uns dias e fosse necessário mobilizar as massas para um árduo combate. O ridículo da coisa não tem nome e o tal de Mário Machado certamente que agradece a importância que lhe é deste modo concedida. Mas a televisão também precisa de figuras assim e de reacções assim. Precisa de amor – e precisa de ódio.

Justa ou injustamente, a “conversa de taxista” ganhou o estatuto de forma original de comunicação. Adaptando-se aos tempos (através, por exemplo, da referência agora obrigatória ao “aquecimento global”), preservou, nos casos mais emblemáticos, as suas características essenciais, sendo uma das mais significativas a radical ausência de dúvidas e a veemência da crença. Por essa e por outras, desde há muito que sigo a política de nunca discordar de um taxista. Podem-me vir com a ideia de que as mulheres não deviam ter carta de condução ou que os drogados mereciam ser todos fuzilados que não me apanham a abrir a boca para contrariar. Um táxi não é o lugar recomendável para mostrar que uma qualquer particular detestação não revela forçosamente a ilegitimidade do que se detesta.

O problema está quando esse singular género conversacional, feito de amores e ódios radicais, toma conta de tudo. E já andámos muito mais longe deste triste estado de coisas. Dei o exemplo da televisão, e da reacção a ela, porque é o mais visível. Mas a formidável regressão das maneiras de pensar e dos modos de falar que os tempos presentes exibem, e a passionalidade concomitante a essa regressão, vão muito para além dela, inclusive na rigidez com que as oposições são pensadas e até no carácter parcialmente imaginário dessas oposições. Por exemplo, quando Manuela Ferreira Leite declara que prefere que o PSD tenha uma péssima votação nas próximas eleições a que seja um “partido de direita”, cai também ela, para minha grande tristeza, na conversa de taxista. É caricatural. Os portugueses atribuem muito menos importância do que ela pensa à “esquerda” ou à “direita”. Querem sem dúvida viver melhor, viver numa sociedade mais livre e mais justa, e estão dispostos a transitar de um campo para o outro se virem nisso benefícios. O resto conta pouco.

Mas a simples atenção a esse facto só é possível se abandonarmos a conversa de taxista. O amor e o ódio são experiências humanas universais, mas não devem ser experiências políticas. Sob a ameaça da conversa sobre a sociedade, sobre os seus males e os modos possíveis de os remediar, ser impossível.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

PS

O conteúdo do socialismo /premium

Paulo Tunhas
123

Deixando António Costa de lado para não lhe atribuir pensamentos que poderão não ser os dele, conheço muitos votantes PS que nutrem especial carinho pela ideia de revolução.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)