Rádio Observador

António Costa

Cozinha aérea, teatro de refeições e dieta linguística /premium

Autor

Provavelmente, é preferível ter de estar a par das técnicas de venda do chef António Costa e aguentar a sua prodigiosa arte de cozinhar no ar. O “espaço de liberdade” não se ganha sem sacrifícios.

P. G. Wodehouse formulou há muito o que aparentemente é uma condição necessária (embora não suficiente) para a obtenção da felicidade: pertencer àquela metade do mundo que ignora o que fazem os restantes três quartos (hoje em dia, nove décimos talvez seja mais seguro). Um exemplo. Não seríamos mais felizes ignorando o espectáculo dado por António Costa, o nosso chef Juan Sánchez, a vender a sua frigideira Master Copper, vulgo ministro Pedro Marques, ao Parlamento Europeu, à custa de promessas mirabolantes que não vão ser cumpridas (“é como cozinhar no ar”)? Para quem não aprecia a exibição despudorada do cinismo, não era melhor ignorar os personagens e o estilo deles? A felicidade faz-se de pequenas coisas, entre as quais se contam pequenas ignorâncias.

Manda a verdade que se diga que a atenção desprevenida ao mundo exterior também tem os seus benefícios ocasionais. Recentemente, por exemplo, ouvi o admirável Jaime Marta Soares queixar-se na televisão, a propósito de umas notícias sobre a quantidade de almoços requisitadas pelos bombeiros, da forma como a comunicação social explorava a ignorância das pessoas sobre o “teatro de refeições”. Olha toma lá: “teatro de refeições”! Pode-se sempre aprender alguma coisa de útil. Sobretudo, de facto, em matéria de linguagem. Por exemplo, a existência de “mediadores de leitura” – uma expressão fascinante. E aqui haveria que explorar o rico filão do espaço. Desde há uns tempos, desde há um certo “espaço temporal”, que o espaço tomou conta de tudo. À beira de minha casa, havia uma loja de roupa interior feminina que era um “espaço de intimidade”. As farmácias, pelo menos em França, são o nosso “espaço de saúde”. Pouco falta (creio que já escrevi isto) para que o Bloco não se apresente aos eleitores como “o seu espaço de esquerda”. Longe vão os tempos em que a criatividade linguística posta ao serviço das grandes massas se encontrava reduzida aos comentadores futebolísticos (o jogador y manifesta “uma grande capacidade de efabulação narrativa no jogo pela cabeça”). O “espaço da criação” encontra-se hoje em dia consideravelmente alargado.

Lamentavelmente, esta nova extensão da criatividade literária não vem acompanhada, é o mínimo que se pode dizer, de um aumento de atenção aos vários planos em que a linguagem funciona. No outro dia, por causa de umas passagens quaisquer de Fernando Pessoa, uma senhora angolana protestava contra a utilização do seu nome pela CPLP por ele ser “racista” e “esclavagista”. Não lhe passou pela cabeça que essas passagens eram, como toda e qualquer linha que Pessoa escreveu, literatura, e sobretudo que não deve ser difícil, mais uma vez como em relação a toda e qualquer linha que Pessoa escreveu, encontrar passagens suas que, explícita ou implicitamente, digam o seu contrário. Pessoa não é Céline, que, independentemente do seu génio, foi efectivamente dominado por uma obsessão anti-semita. A incompreensão deste facto simples é cada vez mais sinal dos tempos. Vivemos em tempos em que a linguagem é tendencialmente encarada como uma superfície lisa, sem rugas, que deve transportar um sentido único. É o “espaço de sentido” a que temos direito.

Referi, de passagem, Céline. Em entrevista (ou numa carta, já não me lembro), Céline manifestava-se surpreendido pelas perseguições de que foi objecto depois da Libertação por, entre outras coisas, ter escrita o compêndio de anti-semitismo que é Bagatelles pour un massacre (1937). Era só literatura, dizia ele. Obviamente não tinha razão. Aquilo não é só literatura, é o resultado de uma obsessão próxima da loucura – e não há certamente linha alguma de Céline que aponte num sentido contrário ao que aí vem escrito. Ao contrário de, por exemplo, Shakespeare. Há certamente estereótipos anti-semitas no Mercador de Veneza – mas há igualmente uma das mais belas passagens contra o anti-semitismo de toda a literatura (“Doesn’t a Jew have eyes?”, etc.). Acusar, de dedo em riste, Shakespeare de anti-semitismo é pura barbárie.

É claro que quem escreve literatura ou banal jornalismo deve, nos fatais limites da sensibilidade do seu tempo, evitar a discriminação gratuita. Mas isso não se obtém através de um código estrito administrado por uma polícia dos costumes linguísticos. Vem pelo uso da reflexão (é idiota chamar-lhe auto-censura). A situação geral não é particularmente diferente daquela, mais específica, relativa ao humor. Não se pode fazer humor sobre tudo? É claro que se pode. No limite, pode-se fazer humor sobre Auschwitz. Acontece apenas que em relação a certos temas (Auschwitz, por exemplo) o real humor é de uma dificuldade extraordinária, a roçar o inconcebível. Mas tal dificuldade não justifica uma proibição. Um talento desmesurado pode acertar e, no humor, guardar a obrigação da sensibilidade.

Várias correntes na sociedade actual militam, no entanto, em favor de uma regimentação meticulosa da linguagem, de uma dieta linguística radical. O Bloco, que conheceu o seu momento de imorredoira glória nesta matéria com a proposta de proibição dos piropos, encontra-se, como de costume, na vanguarda caseira. Para perceber essas correntes não há como reler as grandes distopias, ou utopias negativas, do século XX. Está lá praticamente tudo, até a drástica limitação do âmbito do pensamento. No Newspeak de Orwell, por exemplo: “No fim, tornaremos o crime-de-pensamento literalmente impossível, porque já não haverá palavras no qual o exprimir.” A redução das palavras – e o Newspeak é a única língua em que o vocabulário se reduz ano após ano – conduz à limitação da consciência: “Todo o clima do pensamento será diferente. De facto, já não existirá pensamento, tal como o entendemos agora. Ortodoxia significa não pensar – não precisar de pensar. Ortodoxia significa inconsciência”.

Somando tudo, e voltando ao princípio, há condições de felicidade que não são talvez assim tão desejáveis. Num mundo sem heterodoxia, isto é, sem crimes-de-pensamento, desconheceríamos por inteiro o que se passa à nossa volta, mas isso à custa do sacrifício da consciência. Provavelmente, é preferível ter de estar a par das técnicas de venda do chef António Costa e aguentar a sua prodigiosa arte de cozinhar no ar. O “espaço de liberdade” não se ganha sem sacrifícios. E, por enquanto, não o estou a ver a tentar controlar tanto a linguagem como alguns dos seus parceiros gostariam. No fundo, a sua ambição até é a de mostrar uma grande capacidade de efabulação narrativa no jogo pela cabeça, o que é dificilmente compatível com a aplicação de uma dieta linguística impiedosa. E a exibição de cinismo não é contraditória com a democracia. Se é desejável ou não, é outra coisa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
447

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
447

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)