Pré-escolar

Creches gratuitas: debater políticas que funcionam /premium

Autor
2.002

Em vez de propinas e gratuitidade do ensino superior, discutir o acesso gratuito às creches é que deveria ser uma prioridade. E existem experiências internacionais de soluções que realmente funcionam.

Definir prioridades é uma regra obrigatória na discussão de políticas públicas. Os recursos (dinheiro e tempo) são limitados e, como tal, devem ser investidos onde mais fazem falta. É uma regra de bom-senso que demasiada gente se esquece quando discute as opções políticas do governo ou as propostas partidárias: não há dinheiro para tudo. Ora, com uma inquietante regularidade, a definição de prioridades é feita por conveniência política.

Um bom exemplo disso é o recente debate sobre o fim das propinas no ensino superior, porque reúne os três problemas que sempre surgem quando os interesses políticos se sobrepõem aos factos. Primeiro, a ausência de posições sustentadas em evidências: o governo e o presidente da república sentenciam o fracasso da política de propinas no ensino superior, mas não explicam de onde puxaram esse diagnóstico, uma vez que não há dados que sustentem a relação causa-efeito entre a existência das actuais propinas e uma diminuição da frequência do ensino superior (sem falar do princípio em si ou do papel desempenhado pelas bolsas de acção social). Segundo, a irresponsabilidade financeira: põe-se em causa uma parte substancial do financiamento às instituições de ensino superior (vale mais de 300 milhões de euros anuais) sem ter uma alternativa razoável, porque é efectivamente irrealista conceber que o Orçamento de Estado assuma essa despesa quando, nestes últimos anos, tem estrangulado o financiamento das universidades. Terceiro, estabelece-se politicamente uma prioridade com elevados custos orçamentais, negligenciando áreas onde o país está particularmente atrasado e fragilizado: um exemplo óbvio, aqui recordado pelo Henrique Raposo, é discutir-se a gratuitidade do ensino superior em vez da gratuitidade das creches.

Discutir o acesso gratuito às creches deveria mesmo ser uma prioridade estratégica. Afinal, estamos envelhecidos e em queda demográfica, temos desigualdades sociais profundas que condicionam o acesso de muitas famílias aos cuidados infantis, e vemos as mulheres (e mães) continuarem a ser penalizadas nas suas carreiras profissionais. E, ao contrário do que sucede noutras áreas, existem experiências internacionais que permitem guiar o debate político para soluções que realmente funcionam, justificando o investimento público com benefícios sociais palpáveis.

Um dos casos internacionais mais discutidos e bem-sucedidos é o da província do Quebeque, no Canadá. Em 1996, foi lançada uma política de grande escala para a conciliação e para o financiamento de centros infantis/creches (dos 0 aos 5 anos de idade) de elevada qualidade (públicos e privados) mas com custos baixos para as famílias. Vinte anos depois, os resultados mostram que foi uma aposta ganha por várias razões. Primeiro, maior equidade social: um número muito maior de crianças teve acesso a cuidados de qualidade e ao desenvolvimento de competências sociais desde os primeiros anos, deixando esta de ser uma possibilidade apenas ao alcance das famílias com mais recursos financeiros. Segundo, maior igualdade de género: aumentou a participação das mulheres no mercado de trabalho, na medida em que passaram a ter alternativas viáveis para deixar os filhos – por exemplo, o aumento foi mais significativo nas mulheres abaixo dos 30 anos e aumentou em 20% a participação das mulheres com filhos menores de 3 anos. De tal modo que a província do Quebeque tem hoje as taxas de participação mais elevadas do país (86% em 2017) e ultrapassou também os países escandinavos. Terceiro, promoveu a natalidade: apesar de mais mulheres estarem no mercado de trabalho, a taxa média de fertilidade aumentou e ultrapassou finalmente os níveis da província canadiana de Ontário. Quarto, equilíbrio financeiro: a medida impôs um elevado esforço orçamental, mas o aumento significativo da participação das mulheres no mercado de trabalho permitiu pagar esse investimento em criação de riqueza e impostos – a medida custa cerca de 2 mil milhões de dólares por ano mas, estima-se, o seu impacto positivo no PIB da província ronda os 4 mil milhões de dólares.

É certo que, recentemente, o governo português lançou um programa que visa a promoção da natalidade, o “3 em Linha”. Mas alguém acredita que um programa de 33 medidas e que obriga à pesada articulação entre ministérios, organismos públicos e autarquias tem viabilidade real? Mesmo que bem-intencionado, isto não deixa de soar ao discurso que se está sempre a ouvir, a seguir ao qual nada realmente muda. Anda-se há demasiado tempo a brincar às medidas e a fingir que se faz – para prejuízo real das famílias social e economicamente mais desfavorecidas. Se a indignação dos partidos e das elites fosse canalizada para aí, em vez de contra as propinas no ensino superior, seria um serviço mais valioso para o país.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)