Rádio Observador

Pais e Filhos

Deixem a adolescência em paz! /premium

Autor
13.813

Dêem-lhes tempo para ser adolescentes! Deixem-nos errar. Deixem-nos querer mudar o mundo. Deixem-nos ter sonhos. Deixem-nos pôr os pais em causa. Mas não deixem (nunca!) de ser pais.

A adolescência não é fácil! Não é fácil ter um corpo aos safanões, no modo (às vezes, “desengonçado”) como se cresce. E, da mesma forma como é acolhedor, logo depois, que se “desmancha”, se insubordina e, até, magoa. E se torna feio diante de tudo aquilo que nele não se deseja. Não é fácil ter a cabeça aos solavancos e o mundo tão depressa parecer claro e “arrumado” como, logo a seguir, passivo, apático ou desleixado. Não é fácil a sexualidade, que faz da cabeça um corrupio e um tumulto, e traz um terramoto de reacções que parecem levar a que se erotize tudo e mais alguma coisa. E faz com que se tema que a vida se transforme num furor, incontrolável, de instintos e de impulsos.

Não são fáceis as pessoas. Porque — muito depressa! ~- tratam um adolescente com complacência como, logo a seguir, se abespinham com os seus apartes e com a sua irritante timidez. Não são fáceis as palavras, que ora saem em jacto, cheias de “picos” — e agrestes! — ora se resumem a monossílabos, a murmúrios e a “grunhidos”. Não são fáceis os esgares, o revirar dos olhos, a cara que estala, de tanto se corar, e os enxofranços, por tudo e por nada, mesmo que não se queira. Não é fácil a escola, que exige muito mais do que tudo aquilo que ela dá. Não é fácil — sobretudo quando o presente se impõe, espartilha e desarruma — que o futuro não seja, senão, longe demais. Não são fáceis os grupos, que mimam, misturam, ligam e integram como, a seguir, são parciais, e se tornem volúveis e excluem. Não é fácil a moda, que tão depressa democratiza como, logo depois, segrega, pela forma como impõe marcas e modelos e é volátil e efémera. Não são fáceis as amizades, que fazem com que, de manhã, se seja “a melhor amiga”; ao almoço, se deixe de se falar; à tarde, haja reconciliações com lágrimas; para que, no final do dia, se mude de grupo. Não é fácil reagir aos apelos das novas tecnologias e moderá-los, sem que se fique “agarrado” a elas e, depois, “viciado” nelas. E não é fácil ser-se irreverente e insolente e assustado e engasgado; tudo de seguida. Não são fáceis as regras. Que tão depressa parecem sem nexo e arbitrárias como, a seguir, opressivas mas compreensíveis. Não são fáceis os amores, que fazem do embirrar o prelúdio do “morrer de amor” com que se vai ao “dar um tempo”, muito depressa. Não é fácil a agenda. Que comporta trabalho, trabalho e mais trabalho e pouca vida própria. Não são fáceis os humores. Que tão depressa trepam com o entusiasmo como, a seguir, se afundam de razões que a razão não descortina. Não são fáceis os pais, que vão de farol a nevoeiro e, a seguir, são desidealizados, e as suas incoerências e as suas fraquezas trazem a insegurança de só se ter a certeza de não se querer ser igual a eles. E não são fáceis, ainda, porque tanto condescendem como, depois, reprimem, repreendem e rivalizam nos amuos e nas birras. E “pegam” e “atazanam”. E terminam a considerar que um adolescente está “impossível” ou, nos dias piores, que está “estúpido de todo”. E não é fácil que todos assumam que, quando não é a “idade do armário”, a adolescência só possa ser uma “idade parva”, claro.

É verdade que, apesar de tudo o que é difícil, os adolescentes conseguem rir. E abraçam causas. E são sensatos. E não dizem aos pais nem metade daquilo que sentem, para os protegerem. E é verdade que se safam com as notas porque, na verdade, ninguém os ensina a estudar. E que fazem por aprender por mais que a forma como são ensinados não comporte escutá-los, dar-lhes voz ou convidá-los a perguntar e a pensar. Só não entendo que haja quem, falando para os adolescentes, lhes diga que a adolescência é fácil. Porque não é verdade! Porque isso parece fazer dos adolescentes consumidores de slogans e, muito pouco, pessoas discernidas.

Todos os pais que foram adolescentes sabem que a adolescência não é fácil. Mas que aquilo que complica a adolescência é a forma alarmada como os pais lidam com ela. Como se não estivessem autorizados a ter opiniões claras. E a ser um reservatório de sabedoria. E a definirem regras. E a exigirem em função de tudo aquilo que façam. E a conviverem com a intuição dos adolescentes que faz flashs o tempo todo mas que precisa de legendas, quase sempre.

Por isso, deixem-nos ser adolescentes; sem que deixem de ser pais. Dêem-lhes tempo para ser adolescentes! Deixem-nos errar. Deixem-nos querer mudar o mundo. Deixem-nos ter sonhos. Deixem-nos reclamar e reivindicar. Deixem-nos experimentar a liberdade. Deixem-nos pôr os pais em causa. Mas não deixem (nunca!) de ser pais. E lembrem-se que muitas das dificuldades dos pais, hoje – um certo tom “certinho” e assustado que possam ter, um lado pouco “escutador” e, até, as confusões que façam entre dizerem “não!” e serem maus e, mesmo, as vossas pequenas infelicidades ou a vossa tentação de serem “pais de manual”  – terão mais a ver com a adolescência que não tiveram do que pode parecer. Por isso, façam melhor! Assumam que não é fácil ser-se adolescente. Mas não se esqueçam que pior que a adolescência aos 13, aos 14 ou aos 15 é a adolescência depois dos 30. Por isso, deixem-nos ser adolescentes! Dêem-lhes luta. Cresçam com eles. Mas deixem a adolescência em paz.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

Mal educados são os outros /premium

Eduardo Sá
511

A mim inquieta-me que se cultive, em “português suave”, a ideia de que a boa educação representará um tique “de direita”. Ou que é, manifestamente, uma coisa característica das pessoas da província.

Crianças

A infância acaba aos 6 /premium

Eduardo Sá
6.135

Se continuarmos por aqui, e se não cultivarmos mais as crianças para o brincar, a infância pode estar “à beira da extinção”.

Crónica

Ninguém está preparado para ser mãe /premium

Eduardo Sá
5.672

Quem aceita que uma mãe, que se sente “Deus na Terra” sempre que aninha o bebé nos braços, está autorizada a estar “farta” e exausta de tanta exigência sobre ombros e ávida de um bocadinho só para si?

Crónica

Ninguém está preparado para ser mãe /premium

Eduardo Sá
5.672

Quem aceita que uma mãe, que se sente “Deus na Terra” sempre que aninha o bebé nos braços, está autorizada a estar “farta” e exausta de tanta exigência sobre ombros e ávida de um bocadinho só para si?

Pais e Filhos

O curriculum dos pais /premium

Eduardo Sá
187

Num mundo em que os filhos nos pedem “Pai, vê aí, no Google, se Deus existe!”, temos de reconhecer que sermos pais é aquilo que mais nos torna “reserva natural da vida selvagem”.

Pais e Filhos

Querido pai /premium

Eduardo Sá
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)