passeio aleatório

Desmantelar a avaliação prestaria um péssimo serviço ao ensino

Autor
344

Só uma flexibilização inimiga da exigência pode querer destruir a avaliação externa com exames. E desmantelar a avaliação independente seria desonrar um esforço de décadas para melhorar o ensino.

Na semana passada estiveram em Portugal representantes da OCDE. Mas enquanto aqueles que apresentaram um relatório sobre a investigação científica avançaram algumas ideias interessantes, outros desta organização apareceram, possivelmente em nome individual, associados a ideias bizarras sobre o ensino.

Reconhece o relatório sobre investigação que é necessário prosseguir o investimento na ciência e dar-lhe estabilidade, pelo que critica as “frequentes cativações”. Alerta para a inexistência de uma estratégia global, fala de uma necessária “especialização em áreas de excelência”, critica o “uso ineficaz de recursos escassos”. Sustenta que o financiamento da FCT para bolsas de doutoramento não está a ser direcionado para áreas de investigação prioritárias.

Afirma ainda que o financiamento de “doutoramentos em áreas onde existe pouca procura” é “mau uso de dinheiros públicos” que “encoraja as pessoas a prosseguirem um modelo de formação e carreira que as desvia de opções mais produtivas”.

Mais, alerta para o risco de se “perpetuarem expectativas irrealistas” sobre oportunidades de uma carreira académica e defende a integração de investigadores no mundo empresarial. Finalmente, nota o insuficiente registo de patentes, considera que se deve incentivar a realização de doutoramentos em empresas e defende uma política de bolsas através de programas doutorais.

Ou seja, o relatório da OCDE veio dizer o que já muitos tinham notado, mas que parecia de mau tom notar. Aguardam-se os resultados.

Pela mesma altura, e com a presença também de responsáveis da OCDE, houve uma discussão sobre o ensino que se revelou um ataque concertado à avaliação dos conhecimentos. Sobre o pretexto de atualizar o sistema de acesso ao ensino superior, retomaram-se os velhos e caducos argumentos contra a avaliação dos estudantes.

É claro que pode fazer sentido atualizar o sistema de acesso ao ensino superior, e aí é preciso que se diga claramente como, para se perceber se aparecem propostas novas, justas, equilibradas e que permitam igualmente uma admissão com base no mérito. Mas só por ingenuidade se pode acreditar que é isso que está em causa nas intervenções dos últimos dias. Para a conclusão do Secundário montou-se ao longo dos anos um sistema de avaliação externa e uniforme que é o melhor que existe no país. Foi esse sistema que incentivou um rigor que depois se transmitiu ao Básico, onde finalmente, em 2005, foram introduzidos exames, e permitiu que Portugal começasse a subir nas avaliações internacionais. A pressão tem sido sempre de cima para baixo: para os alunos virem mais bem preparados, sempre mais bem preparados. Não sejamos ingénuos: há quem não goste!

Fala-se também no “dilema” de “ensinar para o mundo de amanhã ou para o exame nacional” O que volta a ser absurdo. Como se o conhecimento fosse inimigo da preparação para a vida!

Critica-se a existência de uma via facilitada para alunos do ensino profissional, como antigamente existia e como parece que se pretende voltar a fazer, mas será mais justo destruir todo o sistema? Claro que o processo de admissão deve ser flexível, sem um modelo igual para todos ­– mas as entradas em medicina não exigem já exames diferentes dos de filosofia? Até onde deve ir a flexibilização? Até cada um saber apenas aquilo que ele próprio acha que deve saber?

A pressão para acabar com os exames aparece ainda justificada com a pretensa flexibilização curricular. Mas a flexibilização curricular não é nova. Ela apareceu em 2014 exatamente com os 25% de que agora se fala. Só que a flexibilização original preservava as disciplinas essenciais, as metas e a avaliação: cada escola podia seguir o caminho que pretendesse, desde que os seus alunos alcançassem mínimos comuns, avaliados externamente. Só uma flexibilização inimiga da exigência pode querer destruir essa avaliação externa. E desmantelar a avaliação independente seria desonrar um esforço de décadas para melhorar o ensino.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Nuno Crato

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu. 

passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Nuno Crato

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu. 

passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

passeio aleatório

Nunca tinha ido a Moscovo /premium

Nuno Crato
195

Na última edição do estudo TIMSS, em 2015, os nossos estudantes passaram à frente de 36 países, incluindo a Finlândia! Como é possível ter passado à frente do país modelo da educação europeia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)