Rádio Observador

Legislação

Diplo_mania!

Autor
381

Somos o país do diploma. Do papel. Do documento. Da lei. Do decreto. Do regulamento. Da revogação parcial. Do legalismo. Do juridiquês. Da discussão de secretaria. Tudo no nosso paroquialismo atávico.

Primeiro, inventou-se a escrita para combater o esquecimento. Para inscrever na pedra a memória de qualquer coisa que não se poderia perder, para se atestar da verdade, que depois foi passando, paulatinamente, a equivaler à palavra escrita.

Depois as entidades oficiais rejubilaram. Bastava escrever o que quer que fosse para se obter a derradeira prova da sua autenticidade – para se ditar e escrever a verdade! E assim surgiram os diplomas, para certificar a vida, e os diplomas legais, para orientar a vida, e provas inequívocas e documentais, para que a verdade emergisse sempre na vida. E com isso veio a confiança cega: nos diplomas, nos títulos, na forma, no papel, no atestado, no certificado e no comprovativo.

E foi então que surgiram os diplomas falsos. E, com eles, a desorientação e o desalento quanto às fundações da Babel burocrática. O milagre da transubstanciação formal – que prometia converter o mero instrumento na verdade substantiva – era afinal um embuste.

Mais do que uma bandeira para um currículo – com o devido respeito pelas bandeiras e pelos currículos -, o que importa é a verdade e a rectidão de um perfil pessoal, profissional e ético. O que importa é o valor que esse perfil aporta a uma instituição, a uma empresa, a um partido político ou a um país. E, enquanto não apostarmos num modelo de educação e formação que ultrapasse a mera colecção de diplomas, não poderemos ambicionar uma cultura de desafio, de motivação, de exigência e de excelência – uma cultura, afinal, centrada no essencial e não na aparência. Uma cultura que repudie e rejeite, radicalmente e de vez, as deferências bacocas e subservientes à Senhora Doutora e ao Senhor Arquitecto com que continuamos entretidos.

O que a pequena parábola inicial demonstra é a facilidade com que, ao invocar a posse de um diploma, assumimos e engolimos um status quo – o dos títulos vãos e quasi-nobiliárquicos, o dos Relvas, dos Sócrates, dos Barreiras…

O que ninguém imaginava é que todos aqueles que se reclamavam detentores de diplomas, verdadeiros ou falsos, todos esses tinham começado a criar diplomas, a ditar diplomas, sobre tudo e sobre nada, que se atropelavam e anulavam, que obrigavam outros a obter diplomas em análise de diplomas, para fazer face a esse mar de supostas verdades absolutas em que se navegava sem costa à vista.

Somos o país do diploma. Do papel. Do documento. Da lei. Do decreto. Do regulamento. Da revogação parcial. Do legalismo. Do juridiquês. Da discussão de secretaria. Todos ostentando com orgulho os nossos diplomas, emoldurados numa parede social, esquecendo que o diploma, na sua origem, era dobrado e por isso era invisível aos olhos dos outros, a não ser que fosse necessário ir procurá-lo no fundo de uma gaveta, abri-lo e mostrá-lo – era só um diploma.

Preocuparmo-nos mais com o diploma do que com o seu valor intrínseco – ou com o valor intrínseco da pessoa, da carreira, das qualidades e da experiência que ele supostamente reflecte – é um dos sinais mais preocupantes do nosso paroquialismo atávico.

Que Almada me perdoe, mas… já chega! Basta! Pum! Basta!

Morra a geração diplo_maníaca!

Morra a diplo_mania, morra! Pim!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

A culpa é do mexilhão! /premium

Luís Reis
316

Sempre que formos bombardeados por uma qualquer intervenção do PS com a a cartilha de Costa, só temos de repetir, contritos, conformados e de cabeça baixa: Por minha culpa. Por minha tão grande culpa!

Rui Rio

Por este Rio abaixo! /premium

Luís Reis
303

Rio autopromoveu-se para além do limiar da sua incompetência, mas não para além do seu ego. O Princípio de Peter pode ser agora rebaptizado: o Princípio de Rio. Esse Princípio será também o seu fim.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido
121

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)