Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Bielorrússia pode parecer geograficamente muito longe de Portugal, mas não é, fica no coração do Continente Europeu. Por isso, a continuação de uma ditadura sangrenta nesse país deve servir de lição para todos nós, alertar-nos para o perigo dos extremismos políticos.

Alexandre Lukachenko voltou a repetir o cenário de eleições presidenciais anteriores, mas, desta vez, com um grau de violência inaudito, deixando assim claro que está disposto a tudo para se manter no cargo de presidente da Bielorrússia.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.