Descentralização

E por Lisboa não vai nada, nada, nada?

Autor
696

Os políticos do resto do país têm obrigação de perceber que em muitos aspectos os governos nacionais não governam para o país mas sim para a capital e deixar de mendigar por migalhas.

Em Portugal, o Tribunal Constitucional fica em Lisboa. Na Holanda, não fica em Amesterdão. Fica em Haia. Em Portugal, o Supremo Tribunal está em Lisboa. Na Alemanha, não está em Berlim, está em Karlsruhe. Já o Tribunal de Contas, em Portugal, está sediado em Lisboa. Na Alemanha, a sede do Tribunal de Contas não é em Berlim, é em Bona.

O Banco de Portugal, o nosso banco central, fica em Lisboa. Já o banco central alemão, o famoso Bundesbank, fica em Francoforte e não em Berlim, a capital da Alemanha. Em Portugal, quem quiser ir à sede da ASF (Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões) terá de ir a Lisboa. Já a sua congénere alemã tem duas sedes, uma em Bona e outra em Francoforte, nenhuma em Berlim. Em Portugal, a CMVM — Comissão de Mercado de Valores Mobiliários está em Lisboa. Mudemos de geografia, agora, e vamos até ao Mediterrâneo. A CMVM maltesa não está em Valeta, capital de Malta, mas sim em Attard.

Consegue adivinhar onde está a Autoridade da Concorrência, em Portugal? Na Avenida de Berna, Lisboa. Na República Checa não está em Praga, mas sim em Brno. E a ANACOM — Autoridade Nacional de Comunicações? Se estiver em Portugal, vai encontrá-la em Lisboa. Se estiver em Itália, não é em Roma. Terá de ir a Nápoles. E a ERC, Entidade Reguladora para a Comunicação Social, que em Portugal é presidida por Carlos Magno? Aposto que consegue adivinhar, fica em Lisboa. Na Holanda fica em Hilversum, que não é a capital. Voltemos a Malta, a Comissão Nacional de Protecção de Dados fica em Sliema e não na capital. Já em Portugal, necessariamente, fica em Lisboa.

Em Portugal, a ASAE — Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica tem a base das suas operações em Lisboa. Viajemos agora para Norte, até à Suécia, onde encontramos a congénere da ASAE em Uppsala e não na bela cidade de Estocolmo. Também no Norte, desta vez na Finlândia, descobrimos que a sede do Infarmed lá do sítio não fica em Helsínquia, a capital, mas sim em Kuopio, que nem sei pronunciar. Em Portugal fica em… (consegue adivinhar?!) Lisboa.

Espero que o cansaço não tenha tomado conta de si, porque há mais. A ERSE — Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos fica em Lisboa. Se for até à República Checa descobrirá a sua congénere em Jihlava, a mais de 100 km de Praga. Também o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, apesar do nome sugerir alguma mobilidade, fica em Lisboa. Na Alemanha, fica em Dresden. Também o Instituto Nacional de Aviação Civil alemão fica fora de Berlim, mais precisamente em Brunsvique. Em Portugal, espero que já tenha percebido o padrão, fica em Lisboa.

Ou seja, tudo o que seja regulação económica e financeira fica em Lisboa. Mas vemos pelos exemplos acima que não tem de ser assim. É uma escolha política portuguesa. E que se aplica a quase todas as áreas de que se consiga lembrar. Por exemplo, o Turismo de Portugal, que podia perfeitamente estar no Algarve, está em Lisboa, tal como o IDN – Instituto da Defesa Nacional. Se olhar para o lado cultural, encontra o mesmo panorama. Por exemplo, a Biblioteca Nacional fica em Lisboa. A Companhia Nacional de Bailado também. Se olhar para a ciência vai encontrar a principal entidade portuguesa, FCT — Fundação para a Ciência e Tecnologia, em Lisboa. Mas, por exemplo, na Alemanha não a vai encontrar em Berlim, vai ter de procurar melhor e ir a Bona.

Já chega? Não. Os exemplos multiplicam-se. Por exemplo, o LNEC, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, fica em Lisboa. Já se o Papa quiser visitar o seu congénere italiano, terá de sair de Roma e ir até Milão. Ok, ok, se calhar estão a achar que tanto exemplo e nenhum contra-exemplo é sinónimo de má vontade da minha parte. E, se calhar, terão razão. Afinal o LNEG (Laboratório Nacional de Energia e Geologia) não fica em Lisboa, mas sim na Amadora.

É interessante verificar que, sendo nós tão europeístas, neste assunto somos tão pouco europeus. E isso é verdade, não só para o conjunto de agências nacionais que referi, mas também para as agências europeias. A União Europeia tem diversas agências espalhadas por toda a Europa com o objectivo assumido de descentralizar. Portugal tem duas; Espanha, cinco; França tem três; Alemanha, três; Holanda, duas; Itália tem duas e por aí fora.

Como reparou Carlos Guimarães Pinto, as cinco agências europeias sediadas em Espanha estão em Bilbao, Alicante, Vigo, Torrejón de Ardoz e Barcelona. Nenhuma em Madrid! França tem duas fora de Paris. A Alemanha também não tem nenhuma em Berlim, tal como nem Itália tem alguma em Roma, nem a Holanda tem em Amesterdão. Portugal tem duas: o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência e a Agência Europeia da Segurança Marítima. Será necessário dizer em que cidade estão sediadas estas duas agências europeias? Não, pois não?

Com a saída do Reino Unido da União Europeia, torna-se necessário mudar a sede das agências europeias lá localizadas (curiosamente, todas em Londres, o que também pode ajudar a explicar porque é que, apesar de Londres ter votado em referendo para permanecer na União Europeia, o resto de Inglaterra votou para sair). Portugal, e muito bem, manifestou o interesse em receber a Agência Europeia para o Medicamento. E onde será a sede? Em Coimbra, que durante anos foi declarada a capital da saúde? Não. Talvez mais a Norte. Afinal, a Universidade do Porto e a Universidade do Minho são as duas universidades portuguesas que mais patentes registam, o que mostra que há massa crítica nesta região. A Universidade do Porto tem dois cursos de Medicina e a do Minho tem um. Cursos de Farmácia também há no Norte. E vale a pena lembrar que é na Universidade do Minho/Hospital de Braga que se fazem 30% dos ensaios clínicos que se realizam em Portugal. E é entre Braga e o Porto, mais precisamente na Trofa, que está sediada a BIAL, provavelmente a mais importante empresa farmacêutica portuguesa. E, fazendo justiça, uma das poucas excepções ao panorama que eu referi ali em cima, a ERS, Entidade Reguladora da Saúde, está sediada no Porto.

Mas não, o Governo de Portugal não se conseguiu lembrar de outra alternativa que não Lisboa. O mais irónico nesta candidatura é que, muito possivelmente, terá como principal ponto fraco o facto de estar a propor Lisboa, dando às autoridades europeias a justificação fácil de que Lisboa já é sede de duas agências e que é necessário descentralizar e diversificar.

Os políticos do resto do país têm obrigação de perceber que em muitos aspectos os governos nacionais não governam para o país mas sim para a capital e deixar de mendigar por migalhas. A Norte, as câmaras deviam mobilizar-se para apresentar a candidatura de uma das suas cidades a sede da Agência Europeia para o Medicamento. A principal fraqueza dessa eventual candidatura é fácil de identificar: os europeus que precisem de ir ao Porto já quase deixaram de poder contar com a TAP para voos directos, que foram desviados para Lisboa. Mas, felizmente, podemos ainda contar com companhias alternativas, como, por exemplo, a Lufthansa a voar para o Porto. Tem ainda o bónus adicional de não ter um aeroporto a rebentar pelas costuras.

P.S. – Como certamente perceberão, escrever um artigo destes envolveu muita pesquisa com o Google para saber quais as sedes dos diversos organismos. É possível que me tenha enganado num ou noutro. Se tal tiver ocorrido, peço desculpa. Tenho, no entanto, a certeza de que nada de substancial será beliscado com alguma eventual incorrecção.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

O sexo e a concorrência /premium

Luís Aguiar-Conraria
141

Se até algo como a simplificação burocrática na criação de empresas teve efeitos na redução da desigualdade de género dos salários, percebe-se o absurdo da ideia de que não há discriminação salarial.

António Costa

Três perguntas, três não-respostas /premium

Luís Aguiar-Conraria
307

Os desafios da nossa evolução demográfica não são compatíveis com um discurso puramente conjuntural de “vamos lá fazer com que alguns jovens regressem ao país e diversificar algumas fontes de receita"

Orçamento do Estado

Por um IVA civilizado /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.744

Se for a um restaurante de luxo, o IVA que é pago é de 13%. Se beber uma cerveja, paga 23% de IVA, já se beber um vinho de 150€ paga apenas 13%. Ou seja, andamos a subsidiar gastos de gente rica.

Descentralização

Ainda há quem não queira saber 

Teresa Cunha Pinto
170

Pedem jovens e investimento para o interior, mas como? Como se não lhes são dadas as condições necessárias? A culpa? É de quem esqueceu Portugal. E eles sabem quem são. 

Governo

Nunca haverá impostos que cheguem /premium

Helena Garrido
398

Manuais escolares e descentralização, ou como o Estado vai aumentando a despesa pública. São medidas que trazem custos certos e benefícios incertos ou nulos. Com a descentralização podemos até piorar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)