Rádio Observador

Rússia-Ucrânia

E se a Ucrânia decidir voltar a ser uma potência nuclear? /premium

Autor
308

Se a Rússia continuar a humilhar o país vizinho com operações como aquela que ocorreu no Estreito de Kertch, Kiev pode mesmo optar por uma solução para a qual possui capacidade recursos e tecnologia.

Até agora, a Rússia tem conseguido humilhar a Ucrânia com a ajuda do seu poderio militar, mas essa situação pode mudar radicalmente se Kiev decidir voltar a ter armas nucleares. Como diz um ditado russo: “o problema da salvação daquele que se está a afogar é dele”.

Após o incidente militar no Estreito de Kertch, os Estados Unidos e a União Europeia voltaram a condenar o Kremlin por mais uma violação grosseira do Direito Internacional, mas pouco ou nada podem fazer para resolver o problema.

Os dirigentes ucranianos começam a compreender que o seu país não deve esperar apoio decisivo de fora e podem tomar medidas que realmente arrefeçam o desejo expansionista de Vladimir Putin.

A solução poderá estar na bomba nuclear enquanto arma de contenção. Isto pode parecer uma ideia descabida, mas é defendida, entre outros, por Leonid Kutchma, antigo Presidente da Ucrânia que assinou o Tratado de Budapeste em 1994.

É de recordar que a Ucrânia teve o terceiro maior potencial nuclear do mundo entre o fim da União Soviética, em 1991, e a assinatura desse tratado. Em troca da entrega das armas nucleares à Rússia e da garantia de que a Ucrânia aderiria ao sistema de não difusão de armas nucleares, os ucranianos receberam a garantia da sua integridade territorial por parte da Rússia e de outras potências nucleares.

Ora, como é sabido, Moscovo atirou esse documento para o caixote do lixo ao invadir a Crimeia e ao ocupar parte do território da Ucrânia do Leste. Só pessoas mal-intencionadas podem ainda negar que os separatistas não são, na sua grande maioria, soldados e mercenários russos.

Nesta situação Kiev tem todo o direito de deixar de respeitar o Tratado de Budapeste e reaver o seu estatuto de potência nuclear.

Por um lado, o fabrico de armas nucleares exigiria um esforço económico e financeiro do Estado e do povo ucranianos e, como sabemos, o país atravessa uma pesada e séria crise. Mas, se a Rússia continuar a humilhar o país vizinho com operações como aquela que ocorreu no Estreito de Kertch, Kiev pode mesmo optar por essa solução.

Como é sabido, a Ucrânia herdou um grande potencial industrial e técnico-científico da União Soviética e tem quadros suficientemente preparados para começarem o fabrico dessas armas. Além disso, não nos devemos esquecer que a Ucrânia detém reservas de urânio suficientes para fabricar armas nucleares, nomeadamente de urânio enriquecido.

Quanto ao fabrico de mísseis que possam transportar essas bombas até território russo, é preciso ter em conta que os cientistas ucranianos têm muita experiência nesse campo. O já citado ex-Presidente da Ucrânia foi, entre 1986-1992, director da empresa Yuzhmash, que fabrica motores para foguetões e mísseis. Esta e outras empresas do ramo, não obstante a crise, continuam a produzir.

E, mais um pormenor, a Rússia ficaria ao alcance de mísseis ucranianos de curto e médio alcance, não seria preciso gastar dinheiro em portadores de armas de longo alcance.

Claro que esta saída parece ser a mais indesejável para resolver os problemas entre os dois países vizinhos, mas a paciência dos ucranianos tem limites. Eles podem considerar que essa será a única forma de travar o avanço do Kremlin.

PS. Enquanto estes países combatem entre si, os políticos esquecem-se cada vez mais dos seus cidadãos e das suas mais elementares necessidades. Segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde a Rússia ocupa o primeiro lugar quanto ao número de pessoas infectadas com SIDA, seguida da Ucrânia e Bielorrússia. Em 2017, foram detectados 160 mil novos casos na Europa, 130 mil dos quais na parte oriental do continente. A Rússia registou 104 mil novos casos!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

Rússia-Ucrânia

Direito Internacional Russo /premium

Diana Soller

Tanto a Rússia como a Ucrânia usam como argumento principal a violação das normas do Direito Internacional pelo rival. Ambas têm razão. Só que Moscovo e Kiev estão a falar de coisas muito diferentes.

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)