O Superavit é o mais recente super-herói português. Quando menos se esperava eis que ele aparece nas contas do PIB relativas a Março. Este novo super-herói, que é na verdade muito fugidio, tem bastante em comum com outro super-herói extremamente célebre, o Capitão América. Tal como o Capitão América foi o resultado de um projecto do governo americano, também o Superavit nasceu de um projecto do governo português. A grande diferença é que enquanto o Capitão América foi criado durante a Segunda Guerra para derrotar os alemães, o nosso Superavit foi criado durante a geringonça para sacarmos mais dinheiro aos alemães. Aproveitando os juros mais baixos resultantes do aparecimento do Superavit, lá está.

Aliás, o grande superpoder do Superavit é precisamente dar folga orçamental ao governo para contratar mais funcionários públicos que garantam a maioria absoluta ao PS nas próximas eleições. Numa primeira análise não será tão cool como ter visão raio x, ou voar à velocidade da luz, admito, mas o que é isso comparado com o superpoder de tornar o PCP e o Bloco de Esquerda invisíveis?

Mas não ficam por aqui os superpoderes do Superavit. Por exemplo, numa disputa com o Super-Homem a coisa ficava ali taco a taco. É que do Super-Homem diz-se que é “Mais poderoso do que uma locomotiva”. Pois bem, o Superavit faz parar comboios inteiros, ao mesmo tempo e em locais diferentes. Não tanto para salvar gatinhos bebés perdidos na linha, ou assim, mas simplesmente porque para garantir a sua própria existência o Superavit não permite a disponibilização de verbas para consertar o material circulante. E se por acaso houver realmente gatinhos bebés na linha, então sim, o Super-Homem não é mesmo rival para o Superavit.

E não é apenas com o Super-Homem que o Superavit tem semelhanças. Também é algo parecido com o famoso Hulk. Só que enquanto este monstruoso super-herói fica verde quando se enraivece, o Superavit tem a capacidade de deixar imensas pessoas verdes de raiva. Por exemplo quando se deslocam a um hospital e constatam que à conta do Superavit não houve dinheiro para comprar uma cama onde se possam deitar enquanto os médicos realizam o tratamento para o qual precisariam de algodão que não tiveram capital para adquirir, algodão esse que deveria ter sido esterilizado com o álcool que não possuíram fundos para obter.

Claro que, como qualquer super-herói, também o Superavit tem o seu arqui-rival que é, nem mais nem menos, o Coisas A Funcionar Normalmente. Como é fácil perceber, o superpoder do Coisas A Funcionar Normalmente não é escolher nomes orelhudos para super-herói. Ainda assim é dos super-heróis mais apreciados, embora tenha um grande calcanhar de Aquiles, uma kryptonite, digamos: as cativações. É que sempre que Mário “Lex Luthor” Centeno apresenta mais cativações o Coisas A Funcionar Normalmente começa logo com as perninhas a tremer. E em menos de nada já nem papel higiénico há nas escolas.

Enfim, Superavit ou Coisas a Funcionar Normalmente, o que interessa de facto a António Costa e Mário Centeno é apagar da nossa memória a familiaridade que o PS tem com a grande vilã desta história, a Bancarrota.