Rádio Observador

Crónica

É um pássaro? É um avião? Não, é o Superavit! /premium

Autor
200

É que sempre que Mário “Lex Luthor” Centeno apresenta mais cativações o Coisas A Funcionar Normalmente começa logo com as perninhas a tremer. E em menos de nada já nem papel higiénico há nas escolas.

O Superavit é o mais recente super-herói português. Quando menos se esperava eis que ele aparece nas contas do PIB relativas a Março. Este novo super-herói, que é na verdade muito fugidio, tem bastante em comum com outro super-herói extremamente célebre, o Capitão América. Tal como o Capitão América foi o resultado de um projecto do governo americano, também o Superavit nasceu de um projecto do governo português. A grande diferença é que enquanto o Capitão América foi criado durante a Segunda Guerra para derrotar os alemães, o nosso Superavit foi criado durante a geringonça para sacarmos mais dinheiro aos alemães. Aproveitando os juros mais baixos resultantes do aparecimento do Superavit, lá está.

Aliás, o grande superpoder do Superavit é precisamente dar folga orçamental ao governo para contratar mais funcionários públicos que garantam a maioria absoluta ao PS nas próximas eleições. Numa primeira análise não será tão cool como ter visão raio x, ou voar à velocidade da luz, admito, mas o que é isso comparado com o superpoder de tornar o PCP e o Bloco de Esquerda invisíveis?

Mas não ficam por aqui os superpoderes do Superavit. Por exemplo, numa disputa com o Super-Homem a coisa ficava ali taco a taco. É que do Super-Homem diz-se que é “Mais poderoso do que uma locomotiva”. Pois bem, o Superavit faz parar comboios inteiros, ao mesmo tempo e em locais diferentes. Não tanto para salvar gatinhos bebés perdidos na linha, ou assim, mas simplesmente porque para garantir a sua própria existência o Superavit não permite a disponibilização de verbas para consertar o material circulante. E se por acaso houver realmente gatinhos bebés na linha, então sim, o Super-Homem não é mesmo rival para o Superavit.

E não é apenas com o Super-Homem que o Superavit tem semelhanças. Também é algo parecido com o famoso Hulk. Só que enquanto este monstruoso super-herói fica verde quando se enraivece, o Superavit tem a capacidade de deixar imensas pessoas verdes de raiva. Por exemplo quando se deslocam a um hospital e constatam que à conta do Superavit não houve dinheiro para comprar uma cama onde se possam deitar enquanto os médicos realizam o tratamento para o qual precisariam de algodão que não tiveram capital para adquirir, algodão esse que deveria ter sido esterilizado com o álcool que não possuíram fundos para obter.

Claro que, como qualquer super-herói, também o Superavit tem o seu arqui-rival que é, nem mais nem menos, o Coisas A Funcionar Normalmente. Como é fácil perceber, o superpoder do Coisas A Funcionar Normalmente não é escolher nomes orelhudos para super-herói. Ainda assim é dos super-heróis mais apreciados, embora tenha um grande calcanhar de Aquiles, uma kryptonite, digamos: as cativações. É que sempre que Mário “Lex Luthor” Centeno apresenta mais cativações o Coisas A Funcionar Normalmente começa logo com as perninhas a tremer. E em menos de nada já nem papel higiénico há nas escolas.

Enfim, Superavit ou Coisas a Funcionar Normalmente, o que interessa de facto a António Costa e Mário Centeno é apagar da nossa memória a familiaridade que o PS tem com a grande vilã desta história, a Bancarrota.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Quem dera que este kit fosse um KITT /premium

Tiago Dores

A realidade mostra que o executivo não está a alijar responsabilidades. Isto porque se o governo quisesse mesmo sacudir a água do capote haveria já água suficiente no país para apagar fogos até 2157.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Crónica

Carta do Di Maria escrita por um médico português

Fernando Leal da Costa
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Crónica

O que fazer quando se fazem 50 anos /premium

Alberto Gonçalves
1.198

Se o que importa é o que fazemos com os anos, a verdade é que, nestes 50, fiz o que quis, o que pude, o que soube e principalmente o que calhou. Amanhã, faço 50 anos. E depois de amanhã, faço o quê?

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)