Rádio Observador

Aborto

Educar não é formatar. O Ministério da Educação e a educação sexual nas escolas

Autor
113

Se esta imposição do Ministério da Educação viesse a ser implementada, seria manifestação do Estado como “um aparelho de dominação”, desrespeitando não só os alunos e famílias, como os demais cidadãos

É sempre de louvar a atenção prestada à educação, não fosse ela uma questão de radical importância para qualquer sociedade, em qualquer tempo. E, nos nossos dias, a razão deste interesse é redobrada devido não só à complexidade inerente à educação, mas, sobretudo, às enormes dificuldades e desafios decorrentes das profundas e rápidas mudanças que têm vindo a acontecer nas sociedades ocidentais. Não admira, portanto, que este problema continue a atrair a atenção de educadores, professores e políticos e a mobilizar, a par da filosofia, os demais saberes, sobretudo as ciências humanas e sociais.

O Governo, através do Ministério da Educação, acaba de demonstrar que se ocupa com esta questão. Fá-lo, porém, de uma forma, no mínimo, problemática e infeliz, porque não só desrespeita o que deve ser educar, mas também, porque, extravassando as suas competências, se intromete, abusivamente, em temas que são do foro íntimo das pessoas ou da inteira responsabilidade dos pais, na educação dos seus filhos, neste caso ainda crianças.

Educar não é formatar, mas antes, baseando-se em valores e critérios éticos, despertar para aquilo que de melhor existe em cada um de nós. Numa relação interpessoal e intercomunicativa, o processo educativo deverá contribuir para o desenvolvimento harmonioso de cada pessoa, na sua pluridimensionalidade, e para o exercício de uma cidadania crítica e participativa no sentido da construção de uma cultura e de uma sociedade cada vez mais humanas.

Não parece, porém, ser por este objectivo pedagógico que se pauta o Ministério da Educação. É disso sinal evidente o documento da responsabilidade das Direcções-Gerais da Educação e da Saúde, denominado “Referencial da Educação para a Saúde”, que admite a existência de educação sexual no pré-escolar e de esclarecimento de conceitos relacionados com o aborto, no 5º Ano de escolaridade. Referindo tratar-se de um documento orientador, o facto é que se trata de uma orientação desajustada ao nível etário das crianças, contendo conteúdos inadequados àqueles alunos. Trata-se, ainda, de uma proposta impositiva e apresentada de uma forma, no mínimo enganosa, elaborada à revelia, quer do respeito pelo papel educativo dos pais, quer da possibilidade de uma efectiva participação democrática dos cidadãos, tanto mais quanto aborda questões muito problemáticas, na sociedade actual.

Importa, assim, que os autores e os responsáveis por tal documento, no exercício da sua função, reflictam sobre as consequências das suas decisões, em matéria tão importante. Como bem salientam as actuais “teorias críticas e comunicativas” da educação, o homem a educar não é um objecto ou um instrumento; e o “mundo-da-vida” não deve ser colonizado pelo “sistema”, tornando o homem num “homem prisioneiro”.

É, ainda, de referir que a dita “revolução sexual”, a nível global, que passou da política e da economia para o sexo, pretendendo mudar o mundo de forma insidiosa, obteve pouco consenso e foi já reconhecida como muito negativa, “destruindo a liberdade em nome da liberdade”.

Deve, também já estar ultrapassado um tempo de imposição ditatorial e de monopólio do Estado, através de políticas de educação e de estratégias, ideologicamente identificáveis. O tempo actual exige participação activa e efectiva da sociedade civil e, nessa medida, diálogo entre o Estado e os cidadãos, no respeito pelas suas esferas de competência.

Assim, se esta imposição (pois é disso que se trata) do Ministério da Educação viesse a ser implementada, seria a manifestação evidente do Estado como “um aparelho de dominação”, desrespeitando não apenas os alunos e as suas famílias, mas também os demais cidadãos a quem tem a obrigação de servir, no cumprimento das normas de um autêntico Estado de Direito.

Professora Associada com Agregação (Universidade Nova de Lisboa); Doutorada em Filosofia da Educação – Educação e Desenvolvimento

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

As novas tecnologias e o futuro do ser humano

Maria de Sousa Pereira Coutinho

A “utopia trans-humanista” reside em se considerar o progresso como uma transformação da nossa concepção de vida e da própria “condição humana”, a fim de se obter um outro ser humano, um “homem novo".

Educação

As novas tecnologias e a educação

Maria de Sousa Pereira Coutinho

Muitos autores, ao analisarem as tecnologias de informação, têm vindo a apontar vários riscos, entre os quais está o de elas apagarem o indivíduo ao remetê-lo, forçosamente, para a colectividade.

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Papa Francisco

‘Yes to life!’ /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
715

A suposição de que o feto é uma parte do corpo da mulher é, em termos científicos, um absurdo. O nascituro precisa de ser amado e cuidado e é, sempre, bem-vindo!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)