Televisão

Enciclopédia (pequena) do comentador /premium

Autor

Há expressões que são repetidas ad nauseam pelos chamados comentadores e, de igual forma, pelo povo. Pretende-se, com esta Enciclopédia, ajudar a que as pessoas possam tirar – se possível – conclusões

Tornou-se práctica, nos comentadores portugueses – de política – o uso de determinadas expressões. As mesmas, são repetidas ad nauseam, pelos chamados comentadores e, de igual forma, pelo povo em geral. Pretende-se, com esta Enciclopédia, ajudar a que as pessoas possam tirar – se possível – conclusões, daquilo que é dito pelos comentadores.  Alguns exemplos:

À política, o que é da política e à justiça o que é dela. Uma falácia. É tudo política. Deixem-se de partes. Exemplo: Se uma Autarquia adquiriu bens e serviços, a uma empresa cujo proprietário é do mesmo partido – e conhecido – dos autarcas que decidiram a sua aquisição, a matéria é – não podia ser mais – política. Politicamente, a ausência da prova, não é a prova da ausência. A expressão é usada normalmente, em concomitância com “Deixem a Justiça Trabalhar”.

Deixem a Justiça Trabalhar. Expressão muito usada pelos partidos a quem pertencem os arguidos. Também é usada pelos visados das investigações – ou pelos seus advogados – como método para que não se fale do assunto, tipo: isto agora é a hora de quem sabe. “Esta é a hora da justiça”, pode ser usada em alternativa, mas quer dizer o mesmo. Há quem use Omertà.

Alegadamente. Muito usado pelos comentadores que têm medo que lhes ponham processos em cima. Em alternativa pode ser usado o “supostamente”.

Crime de colarinho branco. Crimes cometidos por malta que passou a comprar fatos na Labrador, com o dinheiro da corrupção. Regra geral também mentiram nas habilitações.

Agenda. Quem a não tem.

Arguido. Parem, sff, de dizer que ser constituído como tal, é para segurança do próprio. Treta. Só é arguido quem o Ministério Público quer que seja. Normalmente quem o é, é suspeito.

Deduzir a Acusação. Só é feita, a quem foi anteriormente constituído arguido. Got it?

O transitado em julgado. Outro que já não se pode ouvir. Não deve funcionar para manter durante anos e anos os suspeitos, que passaram a arguidos e depois a acusados, em funções – mesmo que reclamem inocência. O transitado em julgado deve servir para, em caso de absolvição, possibilitar o seu retorno à vida política, de uma forma reforçada.

Demora da Justiça. Culpa das séries de televisão, made in USA, que ensinou o pior que pode existir na justiça americana. Arranjar “tecnicalidades” (palavra não existente) para safar um criminoso, não é trabalho dos bons advogados.

Advogado. Ambiguidade com Comentador de futebol.

Parecer. Diz-me quanto pagas, dar-te-ei o meu Parecer.

Pena de prisão. O mesmo que erro judiciário.

Real Politik. Por favor, não tem nada a ver.

Estatísticas. Quando não sabemos – ou queremos – medir o que é importante, medimos o que queremos, ou que conseguimos.

Onde há Homens há corrupção. E isso é desculpa?

PGR. Criação de Helena Marques Vidal. Vamos ver se resiste.

Politólogo

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Metternich e o familygate

Pedro Barros Ferreira

Mais leis? Valha-me Deus! Já estou a ver a discussão em comissão e em plenário, as audições às Ordens e aos Provedores (não esquecendo sindicatos), as alterações que o Constitucional vai mandar fazer.

Estados Unidos da América

Lá como cá /premium

Pedro Barros Ferreira

Podiam aprender que a “verdade” absoluta que é fornecida pela CNN tem outros ângulos. Mas nada disso interessa quando já se elegeu o inimigo. E se o inimigo se presta a figuras ridículas, melhor ainda

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)