Crónica

Episódios da política portuguesa /premium

Autor

Uma conversa em Belém. Outra na São Caetano à Lapa. E um telefonema por causa da Web Summit. Não se assustem: qualquer semelhança entres estes episódios e a realidade é pura coincidência.

Primeiro episódio.

No fim de Julho, Pedro Duarte entra no gabinete do Presidente da República em Belém. A meio da conversa, o Presidente afirma: “Pedro você devia avançar para a liderança do PSD. O Rio é uma desgraça, isto assim não vai lá. O homem é incapaz de fazer oposição. Vai dar a maioria absoluta ao Costa.”

Pedro Duarte respondeu ainda meio surpreendido: “Mas Presidente só passaram seis meses desde a eleição do Rui Rio e na altura não me candidatei por razões profissionais.”

“Pedro já ninguém se lembra disso. A memória das pessoas é curta. Diga que está disponível. As pessoas gostam que se mostre disponibilidade mesmo prejudicando a vida profissional. Além disso, afasta a atenção da imprensa em relação ao novo partido do Santana. Olhe, dê uma entrevista ao Expresso.“
Pedro Duarte abandona Belém convencido pelos argumentos de Marcelo Rebelo de Sousa. Mal o novo ‘candidato’ à liderança do PSD sai do seu gabinete, o Presidente chama o Chefe da Casa Civil: “Fernando, este tipo está doido. Veja lá que se quer candidatar à liderança do PSD e vai dar uma entrevista ao Expresso. Ligue-me à Ângela. Tenho que lhe dizer que estou preocupado com a unidade do PSD e que esta não é a altura para provocar divisões.“

Segundo episódio.

Rui Rio conversa com o seu número dois anónimo. “O Lopes está maluco. Aquilo do partido novo não vai a lado nenhum. Vai ter só alguns votos na Corte de Lisboa. No resto do país nada. Nem um deputado vai eleger.”

Responde o número dois anónimo: ”Rui, eu seria mais cauteloso. O Santana tem mel. Nas eleições internas partiu quase com um ano de atraso em relação a nós e mesmo assim chegou aos 45%. Cuidado. Devias ter mantido o acordo com ele.”

Rio eleva a voz: “Qual acordo? Não houve acordo. Eu fui eleito Presidente. Eu é que mando. Avisei logo que as coisas iam mudar. Eu sei lidar com esses sulistas, elitistas e liberais. Sei que estou a citar o Menezes mas ele nisso tem razão. Temos que pôr aqueles lisboetas na ordem.”

O número dois anónimo não desistiu: “Olha e se o Santana faz um acordo com o Rui Moreira. O Santana apresenta listas em Lisboa e no sul, e o Moreira aqui no Porto e no norte. Podem tirar mais de 5% ao PSD. Se um novo partido ultrapassa os 5% e o PS ganha com mais de 10 pontos em relação a nós, não te aguentas à frente do partido.”

Terceiro episódio.

António Costa conversa ao telefone com Paddy Cosgrove, organizador do Web Summit em Portugal. “Olá Paddy como estás? Ouve, a Marine Le Pen não pode vir ao Web Summit. Em ano de eleições, não dá. Se ela vem, não posso ir lá falar.”

O pobre do Paddy fica aflito: “Mas senhor PM, o Web Summit é uma iniciativa pluralista. Devemos ouvir opiniões diferentes. Eu não concordo com as ideias da senhora Le Pen, mas devemos confrontá-la. A senhora Le Pen participa em conferências em França e na Europa.”

António Costa não quer ser duro com o rapaz, com o qual simpatiza: “Paddy, não leves isto a mal. Também sou um pluralista e defendo a liberdade de opinião. A melhor maneira de combater as ideias da Len Pen não é através da censura. Concordo contigo Paddy. Mas o Bloco de Esquerda e o PCP estão a fazer barulho por causa disto e não se vão calar. Não quero ter mais problemas com eles. Já andam cheios de ciúmes do líder do PSD. Estão com medo que me alie ao Rio. Além disso, dizem que o Estado português financia o Web Summit e o dinheiro dos contribuintes não deve pagar a participação de uma pessoa como a Le Pen.”

Paddy ainda tenta resistir: “Senhor PM eu agradeço muito o apoio do governo e em particular o seu apoio, o que é muito importante para nós, mas na Irlanda o governo também apoia algumas iniciativas e não diz aos organizadores quem deve ser, ou não ser, convidado.”

Mas Costa usa todo o seu charme: “Paddy sabes que gosto de ti e quero apoiar o Web Summit, uma iniciativa fundamental para Portugal. Mas não posso ter problemas políticos, sobretudo em ano de eleições. Vais ter todo o nosso apoio e vais brilhar outra vez. Em Portugal tratam-te como uma estrela. Qual é o outro país que te trata assim? Desconfio que nem a Irlanda.”

Por fim, Paddy desiste: “Okay senhor PM. Vou retirar o convite à senhora Le Pen. Não se fala mais do assunto. E conto com o senhor PM no evento.”

Feliz, Costa termina a conversa com um pedido e uma pergunta: “Paddy és um tipo impecável. Sabia que podia contar contigo e conta comigo para tudo o que precisares. Mas olha, não vale a pena dizer que te pedi para retirares o convite à Le Pen. Só ia criar mais barulho e a Web Summit é uma iniciativa independente. Tu é que decides. Olha, só mais uma coisa. Convidaste o Presidente da República?”

“Sim, sim convidei. Aliás o senhor Presidente disse-me logo o ano passado que também vinha este ano.”
Costa aceita com resignação: ”Já calculava. Ele vai a todos os sítios onde eu vou. Paddy mesmo antes do início do Web Summit, vens aqui a São Bento almoçar comigo. Temos que combinar bem a minha participação de modo a ter o maior impacto possível.”

“Eu sei senhor PM, é ano de eleições.“

“É isso mesmo Paddy. Estás a ver como percebes.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
142

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

Porque sou de direita /premium

João Marques de Almeida
829

O regime democrático português democratizou a direita. Não há direitas anti-democráticas em Portugal. Mas quase 50 anos de democracia não foi suficiente para democratizar parte da esquerda portuguesa

Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Crónica

Subsídio is coming /premium

José Diogo Quintela
392

Um gigante de olhos azuis montado num dragão zombie ainda tem laivos de verosimilhança. Agora o nível de pilhagem do erário público praticado por esta gente exige uma suspensão de descrença bem maior

Crónica

Quatro notícias obscuras /premium

Alberto Gonçalves
1.083

Aliás, podem fazer o que quiserem: esta não é apenas a geração mais informada de sempre, mas a mais ridícula. Se este é que é o tal “mundo melhor” das lengalengas, fiquem com ele.

Crónica

Agostinho da Silva /premium

André Abrantes Amaral

O homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. Ou como um miúdo de 15 anos conversou com alguém com mais de 80 sobre temas como o não termos nascido para trabalhar ou que a vida devia ser gratuita

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)