Rádio Observador

caderno de apontamentos

Escola: lugar e tempo de encontros e oportunidades /premium

Autor
  • Pedro Rocha e Melo
407

Só se educa e ensina verdadeiramente em relação. Essa será, talvez, a maior exigência de todas para quem trabalha na Escola; esse é certamente o maior património da Escola!

Não chega vir apontar o dedo à Escola. Percebo e, muitas vezes, identifico-me com artigos que, com alguma frequência, vêm publicamente apontar falhas à Escola. Por vezes, vai-se mais longe argumentando a inutilidade da Escola, apontando-lhe falhas tão graves que a tornam um obstáculo na vida das crianças e adolescentes. Não venho nem contribuir para os exageros nem ser mais um treinador de bancada. Escrevo sobre uma visão de Escola que defendo e para a qual quero continuar a contribuir.

Este ano letivo recebemos, na Academia TEN, vários alunos absolutamente fascinantes. Raparigas e rapazes interessantíssimos, competentes, cheios de vida, sentido de humor e energia. As suas famílias trouxeram-nos até nós porque existiam dificuldades na relação com a Escola: entre outros, problemas de aproveitamento escolar, de métodos de estudo ou de integração social. Procuravam-nos porque a Escola, de alguma forma, não estava a chegar. Alguns, diagnosticados com algum tipo de défice cognitivo, têm pela frente desafios significativos na sua integração escolar; para outros, em número não inferior aos primeiros, os maiores obstáculos são os da motivação, de interesse e de identificação com o trabalho escolar.

Há demasiados alunos a sentir insucesso na Escola. Conhecemos bem o perfil destes grupos de alunos, o que faz com que seja surpreendente a dificuldade que temos em antecipar estratégias que atenuem (e resolvam!) estas situações. Há, também, demasiados alunos para quem a Escola é indiferente, que se diluem nos números e acabam por nunca ser desafiados a ir mais além. Por isso, defendemos e procuramos contribuir para uma visão de Escola como um lugar e tempo de encontros e oportunidades!

Encontros são momentos de ligação, de vínculo. A professora norte-americana Rita Pierson descreve-o maravilhosamente num TED quando argumenta que Every kid needs a champion!. Pensar a Escola como um lugar onde se dão encontros verdadeiros, momentos de human connection, é particularmente relevante num tempo em que as nossas crianças e adolescentes crescem numa sociedade demasiado apressada, como têm alertado, entre outros, o Professor Carlos Neto, o Dr. Pedro Strecht e o Dr. Mário Cordeiro.

Há várias ilustrações desta cultura de encontro a que poderia recorrer, destaco duas: a curta-metragem O Circo das Borboletas, particularmente o encontro entre Will, um homem altamente incapacitado, e Mr. Méndez, o dono de um circo capaz de ver o melhor de cada um e assim ajudar aqueles que chegam até si a descobrir os seus talentos. Vale a pena ver e rever a história da relação que constroem; Os Miseráveis e a emocionante história de Jean Valjean e do seu encontro com o bispo que vê além do criminoso diante de si, o respeita como homem e o conquista com a missão que lhe confia.

Quero contribuir para uma Escola que chegue a todos os seus alunos, os respeite e lhes diga que o seu valor é reconhecido. Quero contribuir para uma Escola onde todos têm lugar porque todos acrescentam qualquer coisa, porque em cada um se pode encontrar algo único que deve ser cuidado, cultivado e partilhado.

As histórias de Will e de Jean Valjean são também histórias de oportunidades. “Quem sou eu?” perguntou-se Jean Valjean naquele momento em que o bispo o olhou e agiu de forma surpreendente, recuperando o homem que estava além do rótulo. Jean Valjean pôde ser quem haveria de ser porque alguém acreditou antes de ver, porque alguém acreditou nele antes de o próprio acreditar. Assim foi também com Johnson Semedo, um homem com uma história fascinante e para quem um encontro com uma assistente social na prisão foi absolutamente determinante. E é também o caso de tantas conquistas que todos fizemos e faremos nas nossas vidas, provavelmente mais discretas mas não menos relevantes. Triunfamos, também, e muito especialmente, porque alguém acreditou em nós e nos empurrou para sermos o que tínhamos de ser. Trata-se daquilo que, em termos académicos, Vygostky propôs como Zone of Proximal Development. Enquanto educadores – enquanto Escola – é fundamental darmos a oportunidade aos nossos alunos de crescerem e se tornarem naquilo que devem ser, reconhecendo o valor da presença de alguém que ajuda a abrir caminho, que abre perspetivas e, muito importante, que confia e acredita em cada um.

Tornar a Escola, cada vez mais, num lugar e num tempo de encontros e oportunidades é reconhecer que este é o maior património que temos para oferecer; é reconhecer que esta é uma necessidade fundamental no acompanhamento de cidadãos conscientes, capazes e felizes. Valorizar esta dimensão da vida da Escola e dar-lhe um lugar central não implica uma desvalorização de tudo o resto. Aliás, as diferentes aprendizagens não se excluem necessariamente, dão-se, tantas vezes, em simultâneo. Essa é a riqueza da infância e da adolescência.

Penso que este é o espírito do Decreto de Lei nº 54/2018, de 6 de julho. Como se lê na abertura do seu texto, este decreto “tem como eixo central de orientação a necessidade de cada escola reconhecer a mais-valia da diversidade dos seus alunos, encontrando formas de lidar com essa diferença, adequando os processos de ensino às características e condições individuais de cada aluno”. Para tal, refere-se que todos os meios disponíveis devem ser convocados para assistir cada caso, baseando qualquer abordagem em “modelos curriculares flexíveis, no acompanhamento e monitorização sistemáticas da eficácia do contínuo das intervenções implementadas, no diálogo dos docentes com os pais ou encarregados de educação e na opção por medidas de apoio à aprendizagem, organizadas em diferentes níveis de intervenção, de acordo com as respostas educativas necessárias para cada aluno adquirir uma base comum de competências, valorizando as suas potencialidades e interesses”. O objetivo é o de “garantir que o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória seja atingido por todos, ainda que através de percursos diferenciados, os quais permitem a cada um progredir no currículo com vista ao seu sucesso educativo”.

A tarefa em mãos é gigante. Conseguir chegar a todos, fazer da Escola uma experiência cada vez mais personalizada é um desafio tremendo. Tentá-lo é um imperativo ético; consegui-lo seria o mais importante e significativo investimento que poderíamos fazer no futuro das nossas comunidades e da nossa vida em democracia.

Na Academia TEN, não nos limitamos a receber os nossos alunos em horário extracurricular. Colocamo-nos em diálogo com as famílias e com as escolas. Somos da Escola não apenas porque também somos professores em escolas. O acompanhamento que desenvolvemos de forma extracurricular tem impacto no dia-a-dia das escolas, não fica de fora dos muros das escolas. Este trabalho em rede é fundamental, está previsto no decreto-lei que já referi e parece-me uma estratégia que, a nível local, deve ser equacionada pois a falta de recursos das escolas continuará a ser um dos maiores obstáculos a ultrapassar.

Urge adequar os modelos escolares para que mais encontros se deem, para que mais oportunidades possam surgir, especialmente para aqueles que tendencialmente estão a ficar para trás. Há muita coisa que pode e deve mudar para dar mais resposta aos desafios do nosso tempo; importa continuar a fazer caminho e não parar perante as muitas dificuldades e frustrações. Como dissemos, faz falta mais trabalho em rede, mais partilha de estratégias, mais vontade e disponibilidade para colaborar, dentro das escolas e, também, com aqueles que, fora dos muros das escolas, procuram contribuir.

No final do dia, o fator crítico continuará a ser o mesmo – nós, as pessoas que trabalhamos na Escola. Entre tudo o que nos é exigido, particularmente aos professores, temos de privilegiar os encontros, temos de nos ligar aos alunos, temos de chegar a todos. Como equipas, temos de garantir que todos os nossos alunos têm pelo menos uma ligação, algum tipo de experiência de conexão humana, algum laço.

“- Sim, laços – disse a raposa. – Ora vê: por enquanto tu não és para mim senão um rapazinho perfeitamente igual a cem mil outros rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também não precisas de mim. Por enquanto eu não sou para ti senão uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativares, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. E eu também passo a ser única no mundo para ti…”

Só se educa e ensina verdadeiramente em relação. Essa será, talvez, a maior exigência de todas para quem trabalha na Escola; esse é certamente o maior património da Escola! Em tempo de preparação de mais um ano letivo, estamos a trabalhar nas nossas atividades e junto de algumas escolas neste sentido. Ao leitor deixamos este desafio: naquilo que lhe é possível, ajudar a transformar a Escola, cada vez mais, num lugar e tempo de encontros e oportunidades.

Academia TEN

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)