Crónica

Espírito de escada

Autor

Ao descer a escada imaginamos a glória que não tivemos; ou a que teríamos tido se por acaso as nossas melhores ideias nos aparecessem sempre que deviam.

É opinião quase geral que a melhor parte das nossas obras completas será tudo o que não dissemos, tudo o que não fizemos, e tudo o que não escrevemos. A opinião tem a sua razão de ser. No que dissemos há coisas demais: coisas que não quisemos dizer, ou que pelo menos não quisemos dizer daquele modo; no que fizemos há erros, exageros, maldades, e disparates; e do que escrevemos é melhor nem falar. Pelo contrário, o encanto daquilo que poderíamos ter dito, feito ou escrito é enorme. Temos caracteristicamente esperanças naquilo que não aconteceu: que ainda não aconteceu, ou que mais simplesmente nunca aconteceu.

Do ponto de vista logístico dizer qualquer coisa é mais simples que escrever ou fazer; não é apenas porque não pensamos muitas vezes no que dizemos: também não pensamos muitas vezes no que fazemos ou no que escrevemos. É porque já vimos equipados de fábrica com modos simples de dizer coisas. Pelo contrário, fazer exige normalmente deslocações e movimentos, e que se passe de um estado de repouso a um estado de actividade, e depois se volte ao estado de repouso. E escrever exige tudo o que fazer exige, e ainda instrumentos, e que se tenha previamente aprendido a escrever. Os requisitos logísticos para dizer coisas são muito menos complexos; quando os outros não nos percebem podemos sempre alegar o estilo oral ou um defeito na fala.

A expressão ‘espírito de escada’ descreve no entanto a consciência que temos das coisas extraordinárias que poderíamos ter dito se nos tivessem ocorrido a tempo; são as coisas de que nos lembramos ao descer a escada para sair do sítio em que as teríamos dito com propriedade. Ao descer a escada imaginamos a glória que não tivemos; ou a que teríamos tido se por acaso as nossas melhores ideias nos aparecessem sempre que deviam. São muitas vezes observações espirituosas, ou analogias que se não fosse lembrarmo-nos delas tarde demais seriam espontâneas; mas são também verdades que ao serem aplicadas na altura certa reduziriam os outros ao silêncio e à admiração.

Há um certo desespero em lamentar o facto de não termos podido brilhar pela nossa veracidade e pelo nosso espírito. Como observou um pensador contemporâneo, “a nossa preocupação é assegurar a veracidade das nossas posições.” O que é característico desta fantasia é que as nossas posições só nos ocorram ao descer a escada. Só podem ser asseguradas quando já ninguém está por perto. Acabamos assim por ser as únicas testemunhas das nossas maiores vitórias, e do nosso grande espírito. As outras pessoas nunca perceberão o que perderam por não nos terem acompanhado a descer a escada. ‘Que grande ser humano morreu connosco’, dizemos na hora da morte; referimo-nos sobretudo a tudo o que nunca nos aconteceu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Os brasileiros que me envergonham

Ruth Manus
3.609

Existe uma leva de brasileiros que há 10 ou 15 anos se mudaria para Miami, mas que agora decidiu vir para Portugal para “se livrar do terceiro mundo”. Têm muito dinheiro, mas pouco na cabeça. 

Crónica

É difícil ser adulto em Portugal

Ruth Manus
1.470

A vida é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Por isso, em Portugal, quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela. 

Crónica

Crónica pascal: a raiz quadrada de zero

Paulo de Almeida Sande
142

A vida é um mosaico sem fim de rostos como os nossos, da nossa gente, boa ou má. Mas o ódio e o amor não se devem confundir, sob pena de ser zero a sua soma. E o zero não se multiplica, nem se divide.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)