Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Verdade que ao longo dos últimos anos tenho sentido que alguém tem estado a remexer o meu cérebro, a modificar a minha rede neuronal, a reprogramar a minha memória e a criar uma desconfortável (?) sensação de permanente vazio.

O argumento é de Nicholas Carr, em livro, com o título Os Superficiais (finalista do Prémio Pulitzer). Na verdade, a obra é mais uma coleção de ideias de forma estruturada do que ciência e evidência empírica sobre modificações efetivas nos nossos cérebros. Na prática, Carr está a dizer-me que a minha mente passou de calma e linear para mais ou menos acelerada e não linear.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.