Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Comecemos pelo óbvio. Eu vou ao psicólogo. Eu vou ao psicólogo há três anos, todas as semanas. Vamos deixar esta frase pairar no ar, a vergonha que a envolve é grande e precisa de espaço para se tornar mais leve. Eu… Vou… Respirar fundo, um inspirar daqueles que vem mesmo lá do fundo, dos confins que nem sabiam que existiam. Como é que isto aconteceu? Porque é que eu estou em terapia há três anos? Em tempo de psicólogo, isto é o equivalente a uma década, 10 longos, longos anos. Longoooos…. Ahhhh, estou cansada só de o dizer.

Decidi ir a um psicólogo em 2017. No ano anterior, tinha chegado a uma conclusão marcante – não tinha qualquer interesse no curso que tinha tirado: Direito. E, depois dessa conclusão brilhante, vinha o pensamento: “E agora? E agora o qu’é qu’eu faço à minha vida?!” Estive um ano à deriva, a tentar perceber para onde queria ir. Comecei a fazer mudanças pequenas, quase invisíveis, que me estavam a levar por um caminho entusiasmante, porém, não havia resultados à vista. Sentia-me a afundar. O peso da mudança era enorme e eu tinha muita dificuldade em perceber o passo seguinte. Foi assim que acabei num consultório. Com uma pessoa que eu nunca tinha visto na vida. A contar, entenda-se, a chorar desalmadamente, pormenores da minha vida que nunca tinha contado a ninguém.

A fase do choro passa e entramos numa nova: “Uh, que bom, agora estou bem, já não estou sempre a chorar.” Para mim, é aqui que começa verdadeiramente o trabalho da terapia, tudo o resto são preliminares. Neste admirável mundo novo, vamos observar com atenção o emaranhado até chegar ao fundo da questão, até que estejamos muito confortáveis com o nosso desconforto. Juntos, nós e o psicólogo. Neste momento, é esta a fase que estou a percorrer.

Porque é que continuei a ir? Para quem já foi, sabe que há uma altura em que nos perguntamos: “Será que isto está a dar resultado? Vale a pena ir?” Perguntas pertinentes de quem questiona sensatamente as suas escolhas. Atualmente, a minha resposta é “SIM!”, um “sim” poderoso com direito a emojis sorridentes e, só naquela, mais uns quantos pontos de exclamação. Porquê? Porque ir ao psicólogo mudou radicalmente a minha vida. Mesmo. Estou de bem comigo e com os outros, confiante em mim e nas escolhas que faço. Todas as dificuldades e indecisões ainda estão lá, mas agora consigo lidar com elas. Sei para onde vou e como quero lá chegar. E isso, só isso, é incrivelmente valioso.

Eu ainda estou a ir ao psicólogo. Este não é um daqueles momentos de “vejam o que eu fiz, eu sou tão fixe”. Ainda não. Estou a trabalhar afincadamente para encontrar o meu equilíbrio. Eu vou ao psicólogo, sim. E vou continuar a ir (mas não é para sempre).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR