Crónica

Falsas notícias e nobres mentiras /premium

Autor

Mentir é necessário para preservar a identidade cívica, a mentira é uma droga que deve sempre ser administrada aos governados para o seu próprio benefício – uma droga útil, porque conducente à virtude

Toda a gente se queixa das chamadas fake news e da sua proliferação na sociedade contemporânea. Há lamentos para todos os gostos, o mais comum sendo o que se manifesta de forma nostálgica: saudades do tempo em que a internet não existia e a informação que se recebia era transmitida unicamente pelos jornais, a rádio e a televisão. Face a isto, não custa admitir as singularidades do presente e as potencialidades do falso que as novas tecnologias trazem consigo. Mas, sem mesmo explorar o seu óbvio avesso, as possibilidades de acesso ao verdadeiro que oferece, algo há que convém ter sempre em mente: em tempos anteriores, o falso seguia perfeitamente o seu caminho coroado de sucessos sem precisar das “redes  sociais” para nada. Apenas a título de exemplo, a colossal impostura comunista beneficiou, ao longo do século XX, de uma espécie de imunidade em relação ao desmentido empírico que exactamente o grosso da televisão, dos jornais e da rádio lhe garantiam. Basta pensar no tempo que foi possível (em Portugal, por exemplo) negar a existência do Gulag, dos campos de concentração “soviéticos”. Aposto que ainda há, no PCP e talvez noutros lugares, quem o faça. O mundo é assim, sempre foi assim.

A mentira em política tem, é claro, uma longa história. Em todos os tempos se procurou uma visão das coisas que criasse um molde geral para todas as crenças, com vista a assegurar a estabilidade da sociedade ou com outros propósitos, sem preocupação especial pela sua verdade ou falsidade intrínsecas, mas apenas pela sua eficácia prática, que, no entanto, se apresentava como garantida pela verdade. Se era necessário mentir, apresentar o não-verdadeiro como verdadeiro, essa mentira era nobre. O tema da “nobre mentira”, da mentira que é suposta servir, por exemplo, o nobre propósito da preservação da sociedade, encontra-se explorado logo desde o início da filosofia política, na República de Platão.

Platão é infinitamente complexo, mas não é sem dúvida caricaturá-lo apresentar a sua posição, no exemplo da República, como a de defesa de um mito (o mito de Cadmo, fundador de Tebas, segundo o qual teriam nascido armados da própria terra, fruto da sua fecundação pelos dentes de um dragão morto, os antepassados das famílias nobres de Tebas) para justificar a crença na autoctonia. Os cidadãos nasceriam da própria terra, que seria quase literalmente a sua mãe, e seriam entre si irmãos. O mito é falso, no sentido banal em que não corresponde a uma verdade empírica, mas assinala, aos olhos de Platão, uma crença não só desejável como indispensável para a sociedade. Convencer os elementos mais importantes da sociedade da verdade literal do mito será obviamente uma tarefa difícil, Platão não o ignora, mas, enquanto projecto educativo para as gerações futuras, tal afigura-se exequível.

Mentir, por mais relutância que tal nos deva inspirar, é necessário para preservar a identidade cívica, a mentira é uma droga que deve imprescindivelmente ser administrada aos governados para o seu próprio benefício – uma droga útil, porque conducente à virtude. (Não há, em princípio, qualquer cinismo da parte de Platão: a sua tese da necessidade do recurso político à mentira é perfeitamente compatível com a sua outra afirmação da detestação filosófica pela mentira.)

As “nobres mentiras” continuam a ser abundantemente praticadas hoje em dia e um dos meios da sua difusão é, hoje como ontem, o das notícias falsas. As mentiras podem continuar a ser nobres, mas são sem dúvida, pelo menos em parte, diferentes. Não digo que os mitos de autoctonia, visando a preservação da identidade cívica, tenham desaparecido, mas mitos opostos, exprimindo outros tipos de nobres mentiras, ganharam nova circulação. Não é difícil observá-los por detrás de várias notícias falsas. Produzem nobres mentiras que não visam a unidade da sociedade mas a sua separação.

Um exemplo: o vídeo que apresenta o encontro, na confluência de três manifestações em Washington, entre um estudante liceal de uma escola católica do Kentucky adepto de Donald Trump e de um activista índio, Nathan Phillips. Imediatamente após a difusão do vídeo, e adoptando a narração de Nathan Phillips, todas as interpretações indicaram que o estudante do liceu, rodeado pelos seus colegas, havia barrado o caminho ao activista índio, e, em parceria com estes, ridicularizado os seus cantos. Posteriormente, visões mais completas das imagens, mostraram que nada havia sido assim e que a descrição de Nathan Phillips era falsa. O que significa que a história, tal como incialmente narrada, é uma história falsa — e, o que importa sublinhar, uma história falsa inspirada por uma forma particular de “nobre mentira” destinada a ilustrar a tese segundo a qual a sociedade vive num sistema de opressão perpétua e violenta de todas as minorias por uma maioria agressiva e dominadora. Acreditem na nobre mentira se querem alcançar uma maior igualdade entre os seres humanos.

Um outro exemplo, igualmente recente mas desta vez nacional: as reacções aos conflitos com a polícia na chamado bairro Jamaica, no Seixal. Tanto Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, como um senhor chamado Mamadou Ba, assessor do mesmo Bloco e elemento destacado do SOS Racismo condenaram a polícia, o senhor Ba usando a expressão “bosta da bófia” (repetiu posteriormente a expressão). No seguimento dos acontecimentos do Seixal e da actividade opinativa, houve carros incendiados e outras efusões do mesmo tipo. Não vale a pena comentar a selvajaria verbal de Mamadou Ba, mas vale a pena sublinhar que a interpretação imediata dos acontecimentos iniciais remete também ela para a “nobre mentira” referida em último lugar: é preciso combater um racismo que se insinua em todos os interstícios da sociedade portuguesa. Acreditem na nobre mentira e a sociedade será melhor.

Não pretendo dizer que todas as notícias falsas que por aí circulam remetam para “nobres mentiras” que as fundam e estimulam. Mas muitas delas sim. Sempre foi assim e não há razão alguma para que tenha deixado de o ser. Esta constatação possui talvez alguma utilidade. É que nos ajuda a ver, por detrás da tendência a oferecer uma interpretação irreflectida, padronizada e quase compulsiva dos factos, o princípio mítico que a governa, a mentira em que ela nos quer fazer acreditar, que quer fazer passar por verdade indiscutível. Mente-se para o nosso bem, isto é, para a nossa educação. Tal é o motivo único e exclusivo da mentira, se ela é nobre.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

“Eles” /premium

Paulo Tunhas

“Eles” lá sabem o que fazem e alguma razão desconhecida haverá para se julgarem colectivamente a última e decisiva barreira contra o famigerado “populismo”.

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela
218

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Televisão

Os novos gladiadores /premium

Laurinda Alves

Tal como na Roma antiga se juntavam multidões para incitar ver morrer gladiadores, também os espetadores do Jeremy Kyle Show gostavam de ter sangue todas as manhãs e de ver inocentes lançados às feras

Crónica

Ao ministro Cabrita, os carecas agradecidos

Luiz Cabral de Moncada

O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes?

Caixa Geral de Depósitos

Rebentou a Berarda! /premium

Tiago Dores
409

Mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT.

Crónica

Serei eu um monstro?

Inês Pina

Cultivamos uma dissonância cognitiva. Se algo acontece e se sentimos que podíamos fazer algo, rapidamente sentimos que há alguém que podia/devia fazer mais do que nós. O que é isto?

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)