Crónica

A favor da desertificação do interior

Autor
283

Só quem não vive no interior se pode indignar com a sua desertificação. O interior deserto tem vantagens importantes: hipermercados e hospitais são de utilização fácil, e as estradas são excelentes.

Qualquer excursão, mesmo breve, pelo interior de Portugal, não poderá deixar de mostrar as vantagens do seu estado actual de desertificação. Não há quase ninguém; os grandes equipamentos modernos, nomeadamente hipermercados e hospitais, são de utilização fácil e pouco demorada; exceptuando uma universidade ou outra onde se estuda Gestão de Gestão de Estruturas, ou Engenharia de Circulação da Circulação, e cuja população mais buliçosa é não obstante decídua, as pessoas têm uma idade madura. Com essa idade vem uma perspectiva mais assente sobre os grandes assuntos do mundo, e um temperamento previsível.

Quando a população temporária desaparece, o interior revela todas as suas vantagens: a poesia e quase o aspecto de uma estação balnear em Janeiro. A perder de vista estendem-se os campos e os matagais, com as suas casas abandonadas, os palheiros sem telhado, e os cães à solta; e só esporadicamente aparece uma casa recente, cuja construção foi interrompida a tempo. Das povoações mais remotas, graças às excelentes estradas, todos os habitantes se deslocam até à sede de concelho, onde trabalham na Hemeroteca Municipal ou na Piscina Olímpica. Da parte da tarde os funcionários da hemeroteca vão nadar; de manhã os funcionários da piscina vão consultar a imprensa de todo o mundo; e no dia seguinte tudo recomeça.

Só quem não vive no interior se pode indignar com a sua desertificação; e considerar que tanto espaço vazio é um desperdício. No litoral todas as amenidades são de utilização difícil e demorada; as estradas são menos boas; e os locais têm que se entender com os médicos em português. É pois compreensível que lá se inveje os sítios onde não há ninguém, e que se sonhe, não sem acinte, com um mundo em que as pessoas do interior possam sofrer o horror genuíno da vida. A engenharia social é filha do ressentimento. No fundo o que preocupa as pessoas do litoral é que haja quem não viva tão mal como elas.

O interior deserto tem vantagens morais importantes. A maior é justamente a de lembrar à grande maioria das pessoas que não vive lá que ainda há quem viva longe deles. Essa vida não será diferente porque esteja mais perto da natureza, ou porque os habitantes do interior sejam menos primitivos. É diferente porque no interior se fazem as coisas de modo diferente; ninguém por exemplo se dá ao trabalho de disfarçar o facto de não ter muito para fazer. Entretanto, enquanto os habitantes do litoral se entretêm a imaginar como devia ser o interior, o interior vai-se movimentando com placidez em direcção ao litoral. Cada metro que conquista reduz melhor a área disponível para a miséria humana, e torna mais real a possibilidade de a orla costeira, cheia de gente, vir um dia a partir-se como uma bolacha de água e sal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
153

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Crónica

Esta noite pode ser tarde demais /premium

Laurinda Alves
9.517

Morreu-nos e todos fomos obrigados a despedir-nos de quem não nos foi dado tempo absolutamente nenhum para despedidas. Parece que ficou tudo por fazer e quase tudo por dizer. Custa muito.

Pais e Filhos

Querido pai /premium

Eduardo Sá
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

Crónica

Os amigos /premium

Helena Matos
780

Os amigos uns dos outros. Os amigos de Peniche. Os amigos dos animais. Os amigos do alheio. O amigo de todos... Com amigos assim não precisamos de inimigos. 

Viagens

Maio em Nova York

João van Zeller

Em Nova York sentiu-se o vigor da economia, da abundância e de um progresso imparável. E, na quinta Avenida, a Trump Tower deixada agora ao desinteresse de quem por ali anda, o mau gosto a destacar-se

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)