Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não sou amiga de Nadim Habib, mas como damos aulas na mesma faculdade e nos cruzamos nos corredores até poderia parecer que escrevo para apoiar um colega. Nada disso. Professor, Mestre em Economia pela London School of Economics e consultor internacional nas áreas de estratégia, inovação e criatividade, Nadim não precisa de mim para nada.

Li a entrevista que deu ontem ao Edgar Caetano, neste jornal, e concordo com o essencial de tudo aquilo que enuncia, comenta, defende e profetiza. Mas detenho-me apenas em dois aspetos: o escandaloso e recorrente atraso dos portugueses nas horas de começar reuniões, mais a embaraçosa dificuldade que temos para terminar estas mesmas reuniões. Custa admitir, mas contra factos não há argumentos. Os nossos atrasos são lendários e as reuniões demoradas, arrastadas, tornaram-se um desporto nacional.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.