Fiz anos na semana passada, 27! Festejei sozinho e fechado em casa. O Mundo é diferente daquele que conhecíamos há uns meses atrás. Vivemos tempos difíceis. Tempos complicados estes. Mas também são tempos de mudanças e oportunidades.

Vivemos assustados em tempo de guerra, perante uma ameaça mundial e um inimigo invisível. Cada um de nós faz o melhor que pode para se proteger a si e aos seus nesta situação de pandemia.

A globalização aproximou os povos e trouxe novas oportunidades. Foi assim desde os Descobrimentos e mais tarde com os avanços tecnológicos. Hoje a globalização foi um factor decisivo para a propagação do vírus e pode muito bem voltar a criar as barreiras físicas das fronteiras para separar os países, as empresas e as pessoas. Esta situação pode promover novos fenómenos políticos e sociais, levando ao crescimento ainda maior dos movimentos nacionalistas e a uma possível mudança na dimensão socioeconómica a nível geopolítico.

O Mundo em velocidade rápida. A avidez sórdida pelo sucesso sem olhar a meios. A imoralidade em detrimento da ética. O individualismo, egoísmo e a indiferença como práticas comuns da sociedade actual. O vírus serve para despertar e para nos reconduzir para aquilo que devem ser os valores basilares da nossa vida como a família, os amigos e o respeito pelo próximo.

Hoje a morte paira a cada segundo, mais do que nunca. A vida é a morte iminente em cada instante. Hoje somos mais conscientes da nossa vulnerabilidade e da valorosidade da vida. Somos frágeis perante o medo de morrer. Em pouco tempo, algo que desconhecemos, muda as nossas vidas e o Mundo, tornando-nos vulneráveis para o que combatemos diariamente. A morte é singular e cada um de nós morre sozinho. Perante uma ameaça real, a morte deixa de ser uma abstração e o medo invade as nossas vidas. É nesse momento que começamos a viver um dia de cada vez e a pensar no que realmente valorizamos.

O Mundo teve de parar perante a violência excessiva do Homem com a Natureza. Hoje somos todos irmãos, solidários uns com os outros e juntos numa luta comum para derrotar o vírus e sermos novamente livres. O vírus mostra a importância da solidariedade nas sociedades actuais. A Natureza resistiu à actividade do Homem e entrou em burnout colectivo. O Papa Francisco referiu que estamos todos frágeis e desorientados mas é necessário remarmos todos juntos. Não nos salvamos sozinhos!

Não teremos um Mundo novo quando isto acabar mas teremos um Mundo diferente! As relações, a política, a sociedade, a economia, tudo o que conhecemos e temos como certo vai ser transformado. A área digital e da inovação poderão funcionar como o motor da economia futura, originando novos modelos económicos. O trabalho à distância abre novas oportunidades para as empresas se ajustarem. O ensino também pode sofrer mudanças muito significativas e modernizar-se por força das circunstâncias. Saibamos aproveitar este tempo para fazermos progressos e pensarmos no futuro. As empresas as pessoas que perceberem mais cedo a necessidade de readaptação ao contexto actual serão aquelas que estarão melhor preparadas para os desafios futuros.

O Mundo deu lugar ao sentimento de incerteza diária. Não sabemos como será o amanhã mas sabemos que temos de ser fortes para superar esta fase e vamos ganhar!

Estamos isolados mas não estamos sozinhos. Estamos longe mas perto.

Protejam-se e fiquem em casa. Vai correr tudo bem! #Ficaemcasa