Rádio Observador

Brexit

Gallipoli, senhor Johnson, Gallipoli /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

O senhor Johnson, que aprecio por ter juntado os ofícios parlamentar e jornalístico, seria sábio em não repetir Gallipoli enquanto almeja Dunquerque. Nem que seja pelo pobre do cavalo, e pelo seu país

Um dos capítulos das memórias de Winston Churchill enquanto jovem – o meu favorito, para dizer a verdade – intitula-se: “As Sensações De Uma Carga De Cavalaria”. Nele, aprimoradamente, Churchill descreve todo o momento hípico, épico e militar como alguém que, de facto, esteve a cavalo numa frente de batalha. Eu, que no que toca a galopes nunca passei da praia, confirmo a adrenalina e a velocidade de uma boa montada. “O evento pareceu passar no mais absoluto dos silêncios”, escreveu o inglês. Havia demasiado barulho para se ouvir qualquer coisa. A política e o Brexit, ultimamente, pecam pela mesma surdez.

O senhor Johnson, que, como eu, foi formado no jornalismo tabloide, é um homem de palavras, sim, mas também de revisionismos. A sua biografia sobre Churchill, que soma todas as histórias que se querem ouvir à mesa de jantar sobre o dito, é um exemplo assumido da característica. O que vem dizendo desde que se tornou primeiro-ministro do Reino Unido também.

Boris, que já teve, no seu percurso político, mais sucesso eleitoral do que Winston Churchill e, provavelmente, maior amor dos seus contemporâneos partidários, vive para um dia ser lembrado. Essa é uma pressão permanente, que não devemos necessariamente condenar, até porque quem vive para ser lembrado dificilmente quererá ser lembrado pelos seus erros, isto é, dificilmente desejará errar. Churchill, apesar da justificadíssima glorificação – tão contrastante com os seus anos antes da Segunda Guerra – errou e muito.

O seu maior fracasso foi militar e estratégico – envolvendo também cargas de cavalaria –, e causou sérios efeitos políticos e até globais. Falo, naturalmente, de Gallipoli (1915-1916). Governos, impérios e carreiras caíram após a infame derrota dos Aliados contra o já decadente Império Otomano. Australianos e neozelandeses foram massacrados, num episódio que ainda hoje é recordado anualmente por ambos e dado como fundador das suas identidades nacionais. Churchill foi afastado do Almirantado e impedido de se sentar no Conselho de Guerra durante anos. Quando se tornou primeiro-ministro, décadas depois, na Guerra Mundial seguinte, alguns conservadores próximos de Halifax não se coibiram de relembrá-lo. O seu mais célebre discurso – “We Shall Fight On The Beaches” – começa, aliás, considerando a evacuação em Dunquerque “o maior desastre militar” da história do Reino Unido, quando o prévio dono do título era, afinal, também obra sua.

A Segunda Guerra, apesar de Dunquerque ter sido, efetivamente, um desastre, foi ganha e os fracassos iniciais de Winston, como Gallipoli, foram assim esquecidos, desvalorizados ou relativizados. “We shall never surrender” é uma frase que certamente ecoa diariamente nos ouvidos de Boris Johnson e dos demais defensores do Brexit. Mas será a saída da União Europeia, realmente, um momento Dunkirk do Reino Unido? Tenho, confesso, a maior das dúvidas.

Em primeiro lugar, porque os britânicos, hoje mais orgulhosamente sós do que esplendorosamente isolados, não estão a enfrentar a barbárie do Reich mas antes uma confederação diversa, defeituosa, regulada e livre: a UE. Em segundo lugar, porque as palavras de Churchill – que foram de tal modo fundamentais para o esforço de guerra que lhe valeram o Nobel da Literatura – não venceram a guerra sozinhas. E em terceiro lugar, porque os cidadãos britânicos que atravessaram o Canal da Mancha em lanchas de recreio, há 80 anos, para resgatarem os seus compatriotas fizeram-no em nome de algo unânime: casa. E se há coisa que o Brexit não é, hoje, é unânime.

O senhor Johnson, por quem nutro a gratidão de ter juntado os ofícios parlamentares e jornalísticos, seria sábio em não repetir Gallipoli enquanto almeja Dunquerque. Nem que seja pelo pobre do cavalo – e pelo seu rico país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A República vai precisar de conservadores /premium

Sebastião Bugalho

É muito irónico que a conversa sobre o fim da III República venha, essencialmente, da direita. O dr. Rio pode apregoar um “novo 25 de Abril” à vontade, que não se fazem revoluções com 22% em urna.

PS

Não subestimem Pedro Nuno Santos /premium

Sebastião Bugalho

A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)