Economia

Gerir como criança e como ladrão

Autor
169

Para gerações mais broncas, como a nossa, é preciso explicitar tudo, mesmo o óbvio. Não será por isso que os “mission statements” das empresas incluem sempre uma referência (esfumada) à ética?

Qual a atitude adequada a um bom gestor? Ou qual a atitude mental necessária para uma carreira profissional com sucesso? A literatura académica e popular sobre o assunto é vasta. No Google Books conseguem-se mais de cinco milhões de hits para attitude, e no Scholar mais de três milhões. E se nesta vasta mole textual se incluem ensinamentos importantes, para os encontrar é necessário peneirar muito material inerte.

Mas de entre todas as páginas sobre o tema há uma que incorpora tudo o que de útil está nas outras. É uma passagem de um escrito rabínico do século dezoito, onde se atribui ao maggid Dov Baer ben Avraham de Mezeritch (circa 1710—1772) o seguinte conselho dado ao rabi Meshulam Zusya de Annopol (1718—1800):

“Os dez princípios do serviço sincero não podem ser ensinados. Mas podem-se aprender observando com cuidado o comportamento de uma pequena criança e vendo atentamente a atuação de um ladrão competente.

De uma criança pequena podem-se aprender três atitudes:

  1. Está sempre feliz sem qualquer razão especial;
  2. Nunca está ociosa nem por um momento;
  3. Quando necessita de algo pede-o vigorosamente.

De um ladrão competente devem-se imitar sete posturas:

  1. O que faz, fá-lo discretamente;
  2. É rápido no atuar;
  3. Está disposto a correr riscos para atingir o seu objetivo;
  4. Dá atenção a todos os detalhes, seja em grandes ou em pequenos empreendimentos;
  5. Está inteiramente focado no que faz;
  6. Só trabalha com colaboradores em quem pode confiar;
  7. Quando falha volta a tentar.”

Este ensinamento do maggid Dov Baer foi dado num contexto religioso de serviço a HaShem. No entanto é fácil reparar que nele se encontram enumeradas de uma forma gráfica e memorável quase todas as atitudes necessárias, não só para o sucesso profissional e empresarial, mas também para algo que ainda é mais importante: ser feliz nesta vida.

O que falta de essencial? Apenas um pormenor: a atitude ética. O não querer de modo algum faltar à justiça ou causar qualquer dano a terceiros. Note-se que a atitude ética era tão fundamental para o maggid, como o ar que respirava. Não lhe passava pela cabeça ser necessário referir algo tão óbvio, e teria chamado a atenção que não existe ser humano com sensibilidade ética mais apurada que uma criança de dois anos. Mas para gerações mais broncas, como a nossa, é preciso explicitar tudo, mesmo o básico, mesmo o óbvio. Não será por isso que os “mission statements” das empresas e as “plataformas” e “programas partidários” incluem sempre uma referência (esfumada) à ética?

Professor de Finanças, AESE Business School

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos

José Miguel Pinto dos Santos
344

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

O Patrono do Governo

José Miguel Pinto dos Santos
392

E quem são os santos inocentes do nosso dia? As crianças em gestação, desmembradas por profissionais do SNS, ou as vítimas de Pedrogão Grande queimadas na incompetência governamental?

Empresas

A síndroma de Wang Lun

José Miguel Pinto dos Santos
473

A relutância em admitir colaboradores que tragam competências essenciais para a competitividade da organização com receio que ponham em causa a liderança é um problema que ainda afeta muitas empresas.

Partidos e Movimentos

Uma alternativa à Geringonça

Carlos Guimarães Pinto

As hipóteses eleitorais da Iniciativa Liberal são as de um partido novo sem figuras do sistema politico-mediático nem apoio de um grupo de comunicação como sucede com Santana/Impresa e Ventura/Cofina.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)