Rádio Observador

Economia

Gerir como criança e como ladrão

Autor
169

Para gerações mais broncas, como a nossa, é preciso explicitar tudo, mesmo o óbvio. Não será por isso que os “mission statements” das empresas incluem sempre uma referência (esfumada) à ética?

Qual a atitude adequada a um bom gestor? Ou qual a atitude mental necessária para uma carreira profissional com sucesso? A literatura académica e popular sobre o assunto é vasta. No Google Books conseguem-se mais de cinco milhões de hits para attitude, e no Scholar mais de três milhões. E se nesta vasta mole textual se incluem ensinamentos importantes, para os encontrar é necessário peneirar muito material inerte.

Mas de entre todas as páginas sobre o tema há uma que incorpora tudo o que de útil está nas outras. É uma passagem de um escrito rabínico do século dezoito, onde se atribui ao maggid Dov Baer ben Avraham de Mezeritch (circa 1710—1772) o seguinte conselho dado ao rabi Meshulam Zusya de Annopol (1718—1800):

“Os dez princípios do serviço sincero não podem ser ensinados. Mas podem-se aprender observando com cuidado o comportamento de uma pequena criança e vendo atentamente a atuação de um ladrão competente.

De uma criança pequena podem-se aprender três atitudes:

  1. Está sempre feliz sem qualquer razão especial;
  2. Nunca está ociosa nem por um momento;
  3. Quando necessita de algo pede-o vigorosamente.

De um ladrão competente devem-se imitar sete posturas:

  1. O que faz, fá-lo discretamente;
  2. É rápido no atuar;
  3. Está disposto a correr riscos para atingir o seu objetivo;
  4. Dá atenção a todos os detalhes, seja em grandes ou em pequenos empreendimentos;
  5. Está inteiramente focado no que faz;
  6. Só trabalha com colaboradores em quem pode confiar;
  7. Quando falha volta a tentar.”

Este ensinamento do maggid Dov Baer foi dado num contexto religioso de serviço a HaShem. No entanto é fácil reparar que nele se encontram enumeradas de uma forma gráfica e memorável quase todas as atitudes necessárias, não só para o sucesso profissional e empresarial, mas também para algo que ainda é mais importante: ser feliz nesta vida.

O que falta de essencial? Apenas um pormenor: a atitude ética. O não querer de modo algum faltar à justiça ou causar qualquer dano a terceiros. Note-se que a atitude ética era tão fundamental para o maggid, como o ar que respirava. Não lhe passava pela cabeça ser necessário referir algo tão óbvio, e teria chamado a atenção que não existe ser humano com sensibilidade ética mais apurada que uma criança de dois anos. Mas para gerações mais broncas, como a nossa, é preciso explicitar tudo, mesmo o básico, mesmo o óbvio. Não será por isso que os “mission statements” das empresas e as “plataformas” e “programas partidários” incluem sempre uma referência (esfumada) à ética?

Professor de Finanças, AESE Business School

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho
107

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)