Economia

Gerir como criança e como ladrão

Autor
169

Para gerações mais broncas, como a nossa, é preciso explicitar tudo, mesmo o óbvio. Não será por isso que os “mission statements” das empresas incluem sempre uma referência (esfumada) à ética?

Qual a atitude adequada a um bom gestor? Ou qual a atitude mental necessária para uma carreira profissional com sucesso? A literatura académica e popular sobre o assunto é vasta. No Google Books conseguem-se mais de cinco milhões de hits para attitude, e no Scholar mais de três milhões. E se nesta vasta mole textual se incluem ensinamentos importantes, para os encontrar é necessário peneirar muito material inerte.

Mas de entre todas as páginas sobre o tema há uma que incorpora tudo o que de útil está nas outras. É uma passagem de um escrito rabínico do século dezoito, onde se atribui ao maggid Dov Baer ben Avraham de Mezeritch (circa 1710—1772) o seguinte conselho dado ao rabi Meshulam Zusya de Annopol (1718—1800):

“Os dez princípios do serviço sincero não podem ser ensinados. Mas podem-se aprender observando com cuidado o comportamento de uma pequena criança e vendo atentamente a atuação de um ladrão competente.

De uma criança pequena podem-se aprender três atitudes:

  1. Está sempre feliz sem qualquer razão especial;
  2. Nunca está ociosa nem por um momento;
  3. Quando necessita de algo pede-o vigorosamente.

De um ladrão competente devem-se imitar sete posturas:

  1. O que faz, fá-lo discretamente;
  2. É rápido no atuar;
  3. Está disposto a correr riscos para atingir o seu objetivo;
  4. Dá atenção a todos os detalhes, seja em grandes ou em pequenos empreendimentos;
  5. Está inteiramente focado no que faz;
  6. Só trabalha com colaboradores em quem pode confiar;
  7. Quando falha volta a tentar.”

Este ensinamento do maggid Dov Baer foi dado num contexto religioso de serviço a HaShem. No entanto é fácil reparar que nele se encontram enumeradas de uma forma gráfica e memorável quase todas as atitudes necessárias, não só para o sucesso profissional e empresarial, mas também para algo que ainda é mais importante: ser feliz nesta vida.

O que falta de essencial? Apenas um pormenor: a atitude ética. O não querer de modo algum faltar à justiça ou causar qualquer dano a terceiros. Note-se que a atitude ética era tão fundamental para o maggid, como o ar que respirava. Não lhe passava pela cabeça ser necessário referir algo tão óbvio, e teria chamado a atenção que não existe ser humano com sensibilidade ética mais apurada que uma criança de dois anos. Mas para gerações mais broncas, como a nossa, é preciso explicitar tudo, mesmo o básico, mesmo o óbvio. Não será por isso que os “mission statements” das empresas e as “plataformas” e “programas partidários” incluem sempre uma referência (esfumada) à ética?

Professor de Finanças, AESE Business School

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Perspetiva económica

José Miguel Pinto dos Santos
210

Kōan (para leitura meditada, com a coluna bem direita, preferencialmente com uma inspiração e expiração profunda entre cada frase, acompanhada de visualização pausada de cada episódio)

Estado

Perspetiva sínica sobre incidente alfandegário

José Miguel Pinto dos Santos
178

Para um legalista, um cidadão que passa pela alfândega não é uma pessoa, é um ser que existe em função do Estado e está ontologicamente obrigado a tratar todos os seus símbolos como a um deus único.

Justiça

Como se deve escolher um Procurador Geral?

José Miguel Pinto dos Santos
259

Se Yoshimune fosse hoje Xogum em Portugal, que pessoa escolheria para PGR? Certamente alguém com respeito pela lei e justiça, e sem respeito pelo dinheiro e poder. E que fosse capaz de o por na ordem.

Orçamento do Estado

De reino a protectorado, que futuro?

Filipe Simões de Almeida

Portugal é hoje uma espécie de protectorado que tem de suportar os ditames dos credores. E infelizmente a maioria dos agentes políticos é situacionista, beneficia da situação actual e não quer mudar.

Governo

Porque não houve remodelação na educação?

José Ferreira Gomes

Em 2017 acabaram o secundário 75 615 alunos de uma coorte de perto de 120 000! É um escândalo que devia ter toda a atenção do ministério e levar à demissão de um ministro que nem reconhece o problema.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)