Rádio Observador

Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

Igualdade de género: Uma alavanca na diferenciação das empresas

Autor
  • Isabel Viegas

Liderar, nomeadamente nas empresas, exige cada vez mais uma multiplicidade de competências, umas historicamente mais desenvolvidas pelos Homens, outras pelas Mulheres.

As empresas que colocam de forma séria o tema da igualdade de género sob gestão estão a criar uma alavanca de diferenciação e de posicionamento que as colocará à frente das que insistem em ignorar o tema.

Quando o fazem, as empresas estão a dizer ao mercado essencialmente três coisas:

  1. “Eu vejo a igualdade de género como um veículo para aumentar os resultados da minha empresa.”
  2. “Eu estou a aproveitar todo o potencial existente na minha empresa, seja ele feminino ou masculino.”
  3. “Eu assumo a responsabilidade de promover sociedades mais diversas, equilibradas e justas.”

Sendo o mercado e os consumidores diversos do ponto de vista de género, faz todo o sentido que tenhamos representados os dois géneros no seio das equipas que criam produtos, que criam estratégias de marketing ou que vendem esses mesmos produtos.

Mas faz também toda a diferença ter Mulheres e Homens em todos os níveis de decisão, da cadeia de comando das organizações.

Os estudos que se publicam cada vez com maior rigor mostram consistentemente que as empresas mais equilibradas do ponto de vista de género, em todos os níveis de decisão da sua estrutura hierárquica, criam mais valor e aumentam a sua valorização global.

Na realidade, em Portugal estamos já a assistir a empresas que estão a trabalhar nestes temas da diversidade e da igualdade de oportunidades para Mulheres e Homens. E começamos a ver inúmeras ações que visam alcançar este equilíbrio. No entanto, há ainda muito por fazer na representação de Mulheres nas direções e administrações das empresas. E neste âmbito, terão de ser os Homens e as Mulheres a trabalhar para se ultrapassarem as barreiras ainda existentes.

Aos Homens e às Mulheres que assumem lugares da mais alta responsabilidade é pedida uma disponibilidade que só é conseguida quando no seio da família os papéis estão equilibradamente distribuídos. Portanto, há temas familiares que têm de ser reequacionados.

Depois, temos que ultrapassar o mito de que as Mulheres são menos competentes em áreas essenciais para o comando das empresas. Este é um tema sem fundamento. Por um lado, porque liderar exige cada vez mais uma multiplicidade de competências, umas historicamente mais desenvolvidas pelos Homens, outras pelas Mulheres. Por outro lado, o acesso à educação ao mais alto nível quer aos Homens quer às Mulheres trouxe a ambos os géneros a competência para exercerem, ambos, cargos de responsabilidade.

Por isso considero que todo o investimento que as organizações possam colocar na promoção da igualdade de género se repercutirá em mais negócio, mais atração e retenção de talento e mais sustentabilidade para a empresa e para a sociedade.

O programa Leadership and Career Development for Women In Business (WIB), desenvolvido pela CATÓLICA-LISBON, posiciona-se como um acelerador profissional de Mulheres que têm em comum percursos de sucesso, exercem já posições de liderança em diversos níveis, aspiram ascender a cargos de maior responsabilidade e em quem as empresas confiam poder vir a exercer esses cargos.

Com uma metodologia que exige a assunção de objetivos de transformação e a transferência das aprendizagens para o dia-a-dia de cada participante, o WIB pretende ser um valioso contributo para as Mulheres e para as Empresas que querem, de forma séria, diferenciar-se e aumentar o seu valor individual e coletivo.

Professora da Católica Lisbon School of Business & Economics e Coordenadora do Programa Leadership and Career Development for Women in Business; imaviegas@gmail.com

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)