Na sequência desta epidemia que o Mundo enfrenta, todos os setores de atividade foram afetados e, o desporto não foi exceção.

A vertente do desporto especialmente afectado a que me irei referir é, sobretudo, a económica, aquela que no fundo, motiva a maior parte das paixões e debates no comum dos cidadãos, por força dos elevados montantes que movimenta e da sua exposição mediática.

Pois bem, nos dias de hoje, as questões económicas que se debatem a propósito das mais variadas modalidades, não se prendem com os elevados montantes que determinado atleta irá auferir, ou o extraordinário contrato televisivo que determinada sociedade desportiva assinou, mas sim, com as perdas diárias que as várias organizações estão a registar, ao que acresce a dúvida quanto ao futuro do desporto a nível mundial, incapaz de sobreviver sem as receitas até aqui envolvidas.

A situação é ainda mais complexa quando a esmagadora maioria das receitas das sociedades desportivas provém dos direitos televisivos, os quais, nos dias de hoje, por força de não existirem quaisquer eventos para transmitir, estão em suspenso e, em muitos desportos individuais, boa parte da remuneração dos atletas provém dos prémios monetários que recebem, os quais por sua vez resultam diretamente do valor dos direitos televisivos, assim como o montante do prize-money de alguns eventos, está diretamente relacionado com a dimensão mediática dos mesmos, a qual nesta altura é nenhuma.

Por estes dias temos assistido a um conjunto de medidas mais ou menos drásticas por esse mundo fora, desde redução das massas salariais, atribuição de férias antecipadas, utilização do regime de lay-off, solicitação de apoios estatais, medidas estas que, sublinhe-se, não se cingem apenas ao futebol, mas também no basket, Fórmula 1, MotoGp e a todas as modalidades mediaticamente relevantes.

Uma questão a salientar porém é que a prática desportiva profissional, no que aos atletas concerne, não se resume ao dia do evento desportivo em causa, aquele dia em que todos os expectadores e amantes das várias modalidades, se sentam em frente dos televisores ou correm para os estádios, pavilhões, ou pistas, para verem o jogo de futebol, o encontro de ténis ou o jogo de basket, seguirem uma corrida de carros ou motos. A verdade, é que a atividade de um atleta profissional consiste, sobretudo, num conjunto de treinos diários muito intensos, que lhes possibilita estarem em condições físicas e mentais, para serem capazes de protagonizar uma performance de excelência no dia do evento.

Sendo ainda necessário ter em conta que, estes treinos diários que todos os atletas profissionais sem excepção cumprem, não se limitam apenas ao treino físico, mas também a um treino mental que têm respeitar e ainda, à alimentação que têm que seguir, muitas vezes ditada pelas suas entidades patronais, bem como regras da sua vida pessoal e particular, sem saídas nocturnas, nem actividades que possam de alguma forma prejudicar ou influenciar o planeamento do treino, no fundo um complexo conjunto de procedimentos absolutamente indispensáveis, que o atleta de alta competição não pode deixar de cumprir, por forma a conseguir a melhor performance e sem a qual, não pode manter-se em actividade, actual ou futura.

Compreende-se por isso, a dificuldade em preencher o conceito de suspensão total da atividade laboral, na medida em que, se o atleta cessar os seus treinos, negligenciar a sua alimentação e a sua conduta pessoal, fica incapaz de competir, em virtude do seu corpo não se encontrar nas condições necessárias para a prática de alta competição, aumentando ainda mais o tempo necessário para poder regressar à prática profissional com as performances físicas adequadas e necessárias.

Não restam assim dúvidas que,será necessária muita ponderação na regulação desta matéria e, fundamentalmente, compreensão de todas as partes envolvidas, por forma a conseguir proteger tanto os atletas, como as sociedades desportivas envolvidas, para mitigar ao máximo as inúmeras dificuldades com que este ramo de atividade se depara atualmente, sob pena de não existindo um amplo consenso nas soluções encontradas, vários atletas terminem precocemente as suas carreiras e entidades desportivas históricas e conhecidas desapareçam da esfera desportiva.