Rádio Observador

Comunismo

Isto já não é cegueira ideológica, mas senilismo ou misteriosos interesses /premium

Autor
2.131

O PCP ainda não deu conta que a República Popular da China é um país com uma economia capitalista selvagem, mesmo que dirigido por um partido irmão que matou milhões desde 1949 em nome do comunismo?

Pensei que, neste mundo, já não existissem pessoas que ainda acreditem em “contos de fadas” como “Anita na China socialista” ou “Anita é recebida por Kim Jong-um”, mas o jornal “Avante”, órgão do Comité Central do Partido Comunista Português, publica, por vezes, artigos que, como diziam os bolcheviques soviéticos, “tornam os contos realidade”.

Num artigo aí publicado a propósito dos acontecimentos de Tiananmen, quando as autoridades comunistas, há 30 anos, esmagaram sem dó nem piedade manifestações de estudantes que protestavam contra a ditadura comunista e pela democracia, o autor anónimo expressa toda a sua indignação pela actual “campanha” e “pressão sobre a China” que têm como objectivo “a sua transição para o capitalismo (que propositadamente confundem com “democracia”)”.

Não sei o que impressiona mais nesta tirada demagógica. Num mundo tão informado, afirmações dessas são exemplos gritantes de ignorância crassa ou encobrem interesses pouco transparentes.

O PCP ainda não deu conta que a República Popular da China é um país com uma economia capitalista selvagem, mesmo que dirigido por um partido irmão que matou milhões de chineses desde 1949 em nome do comunismo?

A posição do Partido Comunista Português só pode ser explicada se essa formação política leva a sério, como máxima ideológica, aquilo que na União Soviética não passava de uma genial anedota:

“– Qual a diferença entre o capitalismo e o socialismo? – pergunta o professor ao aluno.

– O capitalismo é a exploração do homem pelo homem – responde o aluno com plena convicção.

– E o socialismo [claro que se tinha em vista o soviético] ? – continua o professor.

– É exactamente o contrário – responde o aluno”.

Para os que confundem capitalismo com democracia, como se escreve no texto, efectivamente a China seria um dos países mais democráticos do mundo. Mas como para os comunistas tal equação está errada em relação a esse país, que regime impera no Império do Centro? O socialismo ou o comunismo democrático e popular? Ou estamos perante mais uma criação ideológica híbrida que os comunistas portugueses inventaram para explicar algo inexplicável?

Os clássicos do marxismo-leninismo-estalinismo-maoismo devem andar a dar às voltas nos caixões ou nos mausoléus devido ao equilibrismo programático dos comunistas portugueses.

O que mudou na China após a queda da União Soviética em 1991 para que os dirigentes do PCP mudassem bruscamente de orientação? Não se conseguem sentir órfãos, não conseguem orientar-se sem faróis? Ou haverá outros interesses? Na era soviética, pelo menos recebiam em troca uma séria ajuda financeira e não olhavam ao facto de ser em dólares norte-americanos, o símbolo máximo do imperialismo.

Claro que os ideólogos comunistas não podiam perder a oportunidade de juntar no mesmo saco a tragédia de Tiannamen e a actual “guerra comercial” entre a China e os Estados Unidos e, para isso, encontrar uma extraordinária explicação: tentativas de obrigar Pequim a desviar-se para o capitalismo. Poderiam encontrar explicações mais inteligentes, pois há muito que os dirigentes chineses já se desviaram e, com eles, o Partido Comunista Chinês, que se transforma cada vez mais num clube de milionários.

Não me estranha o facto de o PCP estar a perder eleitorado, tal é a confusão ideológica que vai no interior dessa força política. Nota-se claramente que o partido já não tem renovação possível.

E por aqui me fico, pois receio que me acusem de estar a desviar o capitalismo e não quero que a Festa do Avante deixe de ser uma festa “comunista” e grátis, e passe a dar lucro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

PCP

PCP: partido liberal falhado?

José Miguel Pinto dos Santos
513

Será então que a proposta eleitoralista de taxar depósitos acima de 100 mil euros um desvio liberal de um partido warxista? De modo algum. Não só é iliberal como irá agravar a próxima crise económica.

Liberdades

Liberdade para bons vs liberdade para os maus

Vicente Ferreira da Silva
159

Nazistas, fascistas, marxistas e trotskistas acontece serem todos inimigos da liberdade e da democracia. Hitler e Mussolini tinham mais em comum com Marx e Trotsky do que com qualquer pensador liberal

Crónica

E se o nosso futebol fosse gerido por comunistas?

João Pestana de Vasconcelos
1.496

Se aplicássemos as ideias comunistas ao futebol português, deixaríamos as boas intenções de ajudar os mais desfavorecidos arruinar a sua competitividade. Porque havemos de as aplicar à nossa economia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)