Rádio Observador

Economia

Já só queremos perder por poucos?

Autor
295

Se o governo reverteu medidas dos últimos anos mudando a estratégia da política económica e orçamental à espera de obter resultados e benefícios que tardam em aparecer, alguma coisa está a falhar.

Recapitulemos. O essencial da estratégia do governo, largamente anunciado e prometido antes e após as eleições, era privilegiar o crescimento económico e o investimento e, com o impulso dessa dinâmica, baixar o défice orçamental e a dívida. As medidas essenciais para promover o crescimento da economia eram a reposição de rendimentos das famílias. Diz o Programa do Governo (como já antes dizia por palavras semelhantes o documento “Uma década para Portugal”, elaborado pelo grupo de economistas liderado por Mário Centeno) sobre o primeiro dos seus “quatro objectivos essenciais”: “O virar de página na política de austeridade e na estratégia de empobrecimento, consagrando um novo modelo de desenvolvimento e uma nova estratégia de consolidação das contas públicas assente no crescimento e no emprego, no aumento do rendimento das famílias e na criação de condições para o investimento das empresas”. Dez meses depois há sinais de que esteja a resultar?

Alguns rendimentos foram, de facto, repostos. Os cortes salariais da função pública estão a ser revertidos a um ritmo mais rápido do que previa o anterior governo. E a anulação da sobretaxa de IRS também, aumentando o rendimento das famílias. Esta era a parte fácil e simpática do governo, bastando assinar decretos ou fazer aprovar leis pela maioria parlamentar de esquerda. Em contrapartida, e porque não há milagres, outros impostos sobre o consumo subiram, retirando uma parte dessas reposições do outro bolso dos contribuintes.

Certo é que nada disso se está a converter no crescimento e no investimento que eram o alfa e o ómega da política do governo. Ainda assim, com os dados conhecidos, há um esforço para manter o défice orçamental sob controlo e o primeiro-ministro garante mesmo que ele vai ficar abaixo de 2,5%. Ora, se a tal estratégia virtuosa de consolidar as contas públicas através do crescimento económico não está a funcionar, então isso está a ser conseguido com o aperto ou adiamento da despesa do Estado. Menos mal. Mas, como metodologia, não é nada de substancialmente diferente do que vimos durante os quatro anos de troika. A intensidade é diferente porque a emergência das contas públicas também é diferente, já que este governo herdou um défice muito inferior ao que tínhamos em 2010 e 2011.

Esta tem sido a história da nossa vida económica e orçamental da última década e meia e não é por acaso que continuamos com um problema sério de sustentabilidade das contas públicas. Vamos disfarçando com medidas casuísticas e temporárias de maior ou menor emergência mas à mínima distração a derrapagem espreita. O aumento da dívida pública é um sinal disso mesmo e volto a citar o programa deste Governo no balanço que fazia da legislatura anterior: “Em vez de baixar, a dívida pública, que é o principal indicador da saúde das finanças públicas, aumentou”.

Conhecendo minimamente o que se está a passar e acrescentando-lhe a fragilidade da banca não podemos ficar surpreendidos com os alertas e os avisos que vão sendo feitos, venham eles do Presidente da República , de agências de rating ou da imprensa económica internacional.

Se o governo reverteu uma série de medidas dos últimos anos, mudando a estratégia da política económica e orçamental, à espera de obter resultados e benefícios que tardam em aparecer, alguma coisa está a falhar.
Confirmamos isso quando ouvimos o ministro das Finanças admitir que evitar um novo resgate é a sua “principal tarefa”.

Ora, isto é uma mudança radical no principal objectivo do governo. De “um novo modelo de desenvolvimento” passámos para “evitar um segundo resgate”. Achamos que já não conseguimos ganhar e entrámos na fase de tentar perder por poucos? A última vez em que o grande objectivo da governação passou a ser evitar o desastre e fazer o controlo de danos possível foi em 2010. E não correu bem, como sabemos. O país dispensa a repetição do filme mas o caminho está a tornar-se cada vez mais estreito e a margem de manobra cada vez mais escassa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Afinal havia outro (orçamento)

Paulo Ferreira
2.412

O governo pretendeu manipular a discussão do OE2017. Para isso, serviu-se da esperteza de ganhar alguns dias sem os números reais, para que pudesse contar a sua história baseada em números falseados

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)