Pós-troika

Justiça para Passos Coelho

Autor
560

O governo impediu que caíssemos, mas não nos afastou da beira do precipício. A coligação governamental ainda dura, mas não conhecemos o seu prazo de validade.

O governo fez três anos, e a primeira coisa que convém admitir é que ninguém esperava que fizesse três anos. No fim de 2011, quando os juros insistiam em subir; no Outono de 2012, depois da manifestação da TSU; em Julho de 2013, nas vésperas das demissões dos “ministros de Estado” – as apostas eram outras, como, a propósito do aniversário, lembrou o Observador. Quem queria passar por inteligente previu a saída do euro, ou pelo menos um segundo resgate. Os candidatos a sábios antecipavam convulsões gregas, davam a maioria absoluta ao PS ou viam já o PCP e o BE, juntos, a valer 30%. Nada foi assim. Não concluímos o programa de ajustamento, mas continuamos no euro, os juros descem, a recessão terminou, o desemprego recua. Nenhum dos profetas do apocalipse deu, entretanto, a mão à palmatória. O estado das oposições, porém, diz tudo sobre o seu descrédito: o PS em crise com as suas “vitórias pequeninas”, o BE em fase terminal, o PCP acantonado.

Quem fez a diferença? Do lado do país, quase toda a gente, a começar pelos contribuintes, dispostos a tudo para manterem as contas em euros; do lado das elites, como aqui notou Maria João Avillez, quase ninguém. É curioso, mas a oligarquia nunca acreditou no ajustamento. Os nossos oligarcas conceberam sempre a democracia como um regime mais distributivo do que representativo. Talvez por isso se tenham convencido de que ao primeiro corte sem a maquilhagem da inflação, o país os deitaria pela janela.

Não sabemos se Passos Coelho acreditou sempre, mas sabemos que nunca desistiu. Em Julho do ano passado, prometeu: não me vou embora. E não foi. É verdade: sem o Presidente da República ou sem Mario Draghi ou até sem uma sociedade que pagou impostos, exportou e poupou, de pouco teria valido a sua determinação. Mas com um primeiro-ministro hesitante e instável, nem Cavaco Silva nem o presidente do Banco Central Europeu nem as exportações teriam chegado. Não temos a obrigação de esperar pela história para reconhecer que Passos Coelho fez diferença.

Posto isto, pode parecer que a melhor maneira de avaliar o governo de Passos Coelho, não é pelo que aconteceu, mas pelo que não aconteceu. Mas há mais que não aconteceu. O governo conseguiu a saída limpa, mas teve, pouco depois, o seu pior resultado eleitoral de sempre. Passos aguentou, mas a coligação quase não aguentou em Julho de 2013. O governo impediu que caíssemos, mas não nos afastou da beira do precipício. A opressão fiscal subiu a níveis que comprometem a iniciativa e o trabalho. A coligação governamental ainda dura, mas não conhecemos o seu prazo de validade. O PS recusa compromissos reformistas, e o Tribunal Constitucional impõe a via fiscal. A incerteza é, assim, quase tão grande como no princípio do ajustamento.

Não, esta não é uma daqueles questões de comunicação a que José Sócrates gostava de reduzir a governação. É uma questão política. Perante o PS, perante o Tribunal Constitucional, o governo lembrou obrigações externas e urgências financeiras, mas evitou tratar a situação em termos de opções fundamentais: mais reformas ou mais impostos? Só teve a “ideologia” que a oposição lhe emprestou, nunca a que ele próprio deveria ter assumido e explicitado. Admito que tudo isso possa ter feito sentido. Talvez que, no auge da emergência, não tivesse sido prudente suscitar expectativas ou abrir novas guerras. Mas agora, é ao governo que cabe provar que pode ser mais alguma coisa do que um intervalo de faxina entre dois governos socialistas. Só Passos Coelho pode fazer justiça a Passos Coelho.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

O momento PRD da direita /premium

Rui Ramos
168

O PSD e o CDS tiveram a semana passada o seu momento PRD: o momento em que começamos a suspeitar de que já não sabem o que representam nem para que servem.

Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
333

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Crescimento Económico

Queremos voltar à pré-troika?

Luís Aguiar-Conraria
381

Com níveis de poupança tão baixos, a única forma razoável de aumentar o investimento será atrair investimento estrangeiro. Criar as condições para essa atracção deve ser uma prioridade política. 

Governo

10 notas para memória futura

David Dinis
1.701

Prometi não escrever nada enquanto não visse o quadro todo. Passado mais de um mês, aqui estão 10 notas simples sobre o que acho disto tudo. Prometo ser breve (na próxima vez)

Eleições Europeias

Em que partido vota um liberal ?

Bernardo Blanco
143

Votei num partido que afirma sem medos que "todo o indivíduo tem direito a dirigir a sua própria vida”, em termos económicos e sociais. O Estado deve estar fora do bolso e do quarto dos portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)