Rádio Observador

Estados Unidos da América

Lá como cá /premium

Autor

Podiam aprender que a “verdade” absoluta que é fornecida pela CNN tem outros ângulos. Mas nada disso interessa quando já se elegeu o inimigo. E se o inimigo se presta a figuras ridículas, melhor ainda

Depois de 2 anos de investigação, o famoso – e esperado – Mueller report, saiu e conclui que Trump não conspirou (o focus da investigação era o conluio) com a Rússia, para ganhar as eleições de 2016.

A esquerda, tanto a de cá, como a de lá, ficou furibunda. As esquerdas, lá e cá, têm esta coisa de, quando não gostam de alguém, confundir o desejo com a realidade e atacar, sem qualquer prurido, aqueles de quem não gostam. Relvas tinha um passado estudantil duvidoso. Passos cantava mal e morava em Massamá, Santos Pereira era o Álvaro porque, pasme-se, não queria ser tratado pelo título académico! Quando agora, se relembra o romance entre Snu e Sá Carneiro, é bom recordar que o PS (Soares) atacou essa relação, de uma forma vil. Á esquerda tudo é permitido.

A esquerda, lá como cá, vocifera contra as fake news e não vê – ou não quer ver – os dois lados que existem, sempre, em cada história. Não interessa. O homem é mal criado – e assim parece – logo não tem direito a opinar. O homem tem um cabelo ridículo, logo deve ser culpado. O homem nomeou a filha e o genro logo… Ups! esta se calhar não dá para – cá – a nossa esquerda criticar…

Se lá se ri (eu sim) com Stephen Collbert e cá com Ricardo Araújo Pereira (idem), esquece a esquerda que são comediantes. Não são jornalistas e, por isso, não são obrigados a confirmar notícias ou a revelar fontes. O seu objectivo é fazer rir as pessoas.

Quanto a notícias, lá como cá, criam-se preconceitos e elegem-se inimigos. Por lá é a Fox, por cá o Observador.

Se ouvirmos alguns comentadores cá do burgo, constatamos que se limitam a repetir as opiniões dos comentadores do burgo de lá. Mas só os da CNN, ou da MSNBC. Da Fox não que são todos horríveis. Mas será assim tão má, a Fox? Se é certo que por lá andam dois ou três trogloditas (Tucker Carlson, Sean Hannity, Jeanine Pirro) porque não experimentam ficar acordados um pouco até mais tarde e ouvir Chris Wallace? Ou a Laura Ingraham? Ou o Mark Levin? Podiam aprender que a “verdade” absoluta que é fornecida pela CNN e pela MSNBC tem outros ângulos. Mas nada disso interessa quando já se elegeu o inimigo. E se o inimigo se presta a figuras ridículas, melhor ainda.

Por cá é a mesma coisa. O Observador é isto e aquilo, as pessoas que aí escrevem são isto e aquilo. A verdade, essa, pouco interessa. Se, por lá, é verdade que os bons resultados da economia também se devem à recuperação económica iniciada por Obama – que apanhou com a crise – passando a esquerda (cá e lá) todo o tempo a relembrar esse facto, por cá, a nossa esquerda não tem a coragem de dizer que o arranque da nossa economia começou no Governo de Passos – que apanhou com a crise e com a bancarrota, deixada pela esquerda. Mas isso não interessa e quem os relembra disso é logo apelidado de fascista. Sim, porque não fazem a coisa por menos.

É claro que, por lá, começou já a descredibilização do, até agora glorificado, Robert Mueller. Então não é que o homem afinal é republicano! E conservador cruz credo! Por cá, a nossa esquerda foi mais fina e fez aquilo que Trump não tentou – ou não conseguiu – fazer: correu com a Procuradora Geral. Mas, como Costa não tem o cabelo cor de laranja e sabe usar todos os talheres num banquete, já não faz mal. E também não deve fazer mal assistirmos a este espectáculo indecoroso de nomeações familiares, não é Sr. Presidente da República? Ou, para o Sr. Presidente, ter apertado a mão com força ao parolo do Trump e ter-lhe atirado com aquela dos jogadores da bola, por cá, não terem hipóteses de chegar a Presidente, é suficiente para o fazer feliz? Ou valente? Uma coisa aposto: lá, esta vergonha, não passava entre os pingos da chuva, como acontece por cá.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Maioria de Esquerda

A cor do cavalo branco de Napoleão

Pedro Barros Ferreira
112

A direita fica muito contente, quando as suas propostas são aprovadas por largas maiorias, ou mesmo por unanimidade. A esquerda não procura consensos. É, aliás, o lado para onde dorme melhor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)