É com tristeza, enquanto cidadã e sobretudo como profissional de saúde, que assisto aos movimentos contra as medidas do Estado para tornar a sociedade mais saudável.

O que seria de esperar é que a própria população portuguesa usasse a informação alimentar para fazer escolhas mais apropriadas. Seria também de esperar que as instituições que representam o expoente máximo nas áreas da educação e promoção da saúde (estabelecimentos escolares e instituições de saúde), fizessem as opções mais saudáveis para todos os que as frequentam, desde alunos, docentes, funcionários, profissionais de saúde, doentes, utentes, etc., sem que tal fosse imposto. Por forças de natureza superior (interesses financeiros, pressões para esforços de contenção económica, falta de opções competitivas no mercado, etc) ou simplesmente por falta de interesse dos dirigentes, a verdade é que esse caminho não tem sido o escolhido e o que se tem assistido é a um crescendo da doença e a uma diminuição da saúde pública. Sim, porque a par do conhecimento e da informação, a saúde (e a doença) também caminham, mas a velocidades diferentes.

Seria errado para qualquer Governo ficar parado a assistir a esta situação, esperando que uma panaceia divina surgisse a bom tempo. Tudo tem um preço e, numa sociedade desenvolvida, a proatividade é mais eficaz do que a reatividade. Esta postura de reação tardia aos acontecimentos tem-se traduzido num custo acrescido para o Serviço Nacional de Saúde. É na prevenção de comportamentos, a par da literacia em saúde, que se deve investir.

Considero assim, que a eliminação de produtos alimentares sem qualquer interesse nutricional das cafetarias dos hospitais representa uma mais-valia e um esforço político de louvar, sublinho como cidadã e profissional de saúde, de louvar!

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Fará sentido ter fritos e produtos de pastelaria e confeitaria sobrecarregados de açúcar, gordura e sal, cuja ingestão a longo prazo desencadeia problemas graves para a saúde, em instituições de saúde e de educação.

Senão, vejamos. O que foi proibido?

  • Salgados: rissóis, croquetes, empadas, chamuças, pastéis de massa tenra. Frigideiras, pastéis de bacalhau, folhados salgados e produtos afins.
  • Pastelaria: bolos ou pastéis com massa folhada e/ou com creme e/ou cobertura, como palmiers, jesuítas, mil-folhas, bolas de Berlim, donuts, folhados doces, croissants ou bolos tipo queque (inclui os famosos bolos de arroz).
  • Pão com recheio doce, pão-de-leite com recheio doce ou croissant com recheio doce.
  • Charcutaria: sanduíches ou outros produtos que contenham chouriço, salsicha, chourição, mortadela, presunto ou bacon.
  • Sandes ou outros produtos que contenham Ketchup, maionese ou mostarda.
  • Bolachas e biscoitos: tipo “Belgas”, biscoitos de manteiga, bolachas com pepitas de chocolate, bolachas de chocolate, bolachas recheadas com creme, bolachas com cobertura.
  • Refrigerantes: bebidas com cola, com extrato de chá, refrigerantes de fruta com e sem gás, águas aromatizadas, preparados de refrigerantes, refrescos em pó ou bebidas energéticas.

Há, nesta lista, algum produto alimentar ou bebida que nos faça falta? Não.

Estamos a prevenir comportamentos alimentares menos apropriados e a investir na melhoria da saúde? Sem dúvida.

Não esqueçamos que a medida em causa assegura a disponibilização obrigatória de água potável gratuita e oferece uma longa lista de alimentos:

  • Leite: simples meio-gordo/magro.
  • Iogurtes: meio-gordo/magro, preferencialmente sem adição de açúcar.
  • Queijos: curados ou frescos e requeijão.
  • Sumos de fruta e/ou vegetais naturais: bebidas que contenham pelo menos 50% de fruta (nem todos os néctares estão incluídos) e/ou hortícolas e monodoses de fruta.
  • Pão: preferencialmente de mistura com farinha integral e com menos de 1 g de sal por 100 g de pão.
  • Fruta fresca: preferencialmente da época, podendo ser apresentadas como salada de fruta fresca sem adição de açúcar.
  • Saladas.
  • Sopa de hortícolas e leguminosas.
  • Frutos oleaginosos ao natural sem adição de sai ou açúcar.
  • Tisanas e infusões de ervas sem adição de açúcar

Apesar de todos os esforços do Estado e profissionais de saúde – nomeadamente nutricionistas – as pessoas continuam a fazer más escolhas alimentares. Algumas das pessoas, que criticam tais medidas, querem um governo que não se preocupe com a sua saúde, que se mantenha de “bem com todos” e cruze os braços.

Não será reconfortante saber que um novo ambiente está a ser criado para que as nossas crianças sejam educadas numa realidade que defenda o seu futuro? É lícito incentivar que quando as crianças façam birras (por exemplo num hospital), a receita ideal será dar-lhes algo doce para os calar? É esta a educação que recomendam?

Com o imposto sobre as bebidas açucaradas, os portugueses consumiram menos cerca de 5.000 toneladas de açúcar e os portugueses passaram a adquirir bebidas menos açucaradas. Em 2016 legislou-se sobre os alimentos permitidos e proibidos nas máquinas de vending dos estabelecimentos do SNS, tendo-se verificado que não foi por a oferta ser mais saudável que houve um impacto nas vendas. A partir deste mês, os pacotes de açúcar disponibilizados nos cafés e restaurantes tem o limite de 5-6g, ou seja, outra medida importante na redução lenta, gradual, mas significativa quando pensada do ponto de vista populacional, na ingestão energética, de açúcar e de alimentos pobres do ponto de vista nutricional.

Por outro lado, a taxa sobre os produtos mais salgados, que iria permitir uma reformulação dos produtos, ou seja, torná-los mais saudáveis, relevante para as populações mais vulneráveis e contribuir para a promoção da saúde, com consequente impacto na incidência e prevalência de hipertensão e mortalidade por doenças cardiovasculares, não foi aprovada pela Assembleia da República. Terá o lobby da indústria alimentar sido mais forte que a defesa da saúde pública dos Portugueses?

Nutricionista, blogger