caderno de apontamentos

Libertem a infância! /premium

Autor
  • Nelson Soares

É um facto que os pais estão propensos ao uso de estereótipos de género e que estas representações sociais estão tão enraizadas que os adultos, inevitavelmente, acabam por as transmitir às crianças.

Abunda preocupação social quando um menino prefere brincar com as bonecas ou utilizar o cor-de-rosa. Ou quando uma menina gosta de brincar com carros, jogar futebol ou prefere calças e não saias.

Ora, não basta o país ter ficado indignado com os blocos/cadernos de atividades elaborados diferencialmente para meninos e meninas pela Porto Editora, porque o simples brincar é condicionado pelo desenvolvimento de falsas crenças, que obstaculizam a liberdade de escolha das crianças. É precisamente na educação pré-escolar que devemos iniciar um processo de favorecimento de ambientes reflexivos, com vista à erradicação paulatina destas montagens sociais.

Vários estudos informam que as crianças estão propensas ao uso de estereotipias. Nomeadamente, o processo de tipificação sexual, que emerge antes do nascimento da criança, precisamente no momento em que os pais tomam conhecimento do sexo do bebé. Depois, entre os dois e os seis anos de idade, assistimos ao auto e hétero reconhecimento do sexo de pertença por parte das crianças, iniciando-se um processo de adequação do seu comportamento, adveniente da sua interiorização gradual dos papéis de género. Neste entendimento, as nossas esponjas são as primeiras a detetar o não cumprimento dos papéis padronizados, na medida em que são influenciadas a emitir raciocínios, por exemplo, relacionados com brincadeiras, brinquedos, cores, que associam ao seu sexo ou ao sexo oposto, oriundos de uma reprodução social de comportamentos atribuídos à mulher e ao homem, definidores do que devem ser e fazer.

Em perfeita desarmonia com o século XXI, encontramos uso nos ditos «velhos estereótipos de género». Por exemplo, às meninas associa-se o uso de roupa cor-de-rosa, enquanto os meninos são vestidos de azul; as meninas devem brincar com as bonecas, enquanto os meninos devem preferir os carros. E as crianças acabam a associar a capacidade para exercer determinadas profissões em função da grelha de análise fornecida pelos estereótipos e do entendimento do que cada um dos sexos (masculino e feminino) «consegue» ou «não consegue» realizar.

A fim de desconstruir falsas crenças, não basta sensibilizar – trabalho que a escola tem vindo a desenvolver –, mas sim urge procurar um profícuo envolvimento!

Considerando que é um facto comprovado que pais/encarregados de educação e profissionais de educação estão propensos ao uso de estereótipos de género e que estas representações sociais estão de tal forma enraizadas que os adultos, inevitavelmente, acabam por as transmitir às crianças, desde a nascença, torna-se fulcral a tomada de consciência de que é necessário encarar de modo flexível a diversidade de papéis.

Para o efeito, a procura da reflexão por parte dos educadores, o envolvimento significativo dos pais/encarregados de educação, bem como a participação da restante comunidade educativa é fundamental para um maior impacto da ação educativa em torno da saudável compreensão da diversidade, da singularidade e da eliminação de expectativas diferenciadas, tendo em conta o sexo de pertença.

Na qualidade de educador de infância e confrontado com a evidência de que as questões alusivas ao género integram o quotidiano escolar e que subsistem dificuldades na sua abordagem, iniciei um processo de investigação-ação. Nomeadamente, realizei registos de observação, inventariei atividades e recursos (livro, intitulado Pipi e Popó – apenas para quem educa!), a fim de agir perante a variabilidade que me foi possível observar na sala do pré-escolar (por exemplo, um menino a brincar com uma boneca ou uma menina a brincar com um carro, entre outros comportamentos e pensamentos) e que constituía o mote para a verbalização, por exemplo, dos seguintes raciocínios estereotipados, que, de certo modo, obrigavam algumas crianças a estar perfeita sintonia com a ideologia de género: «os meninos é que brincam com carros»; «as raparigas brincam com as bonecas e os rapazes brincam com as coisas dos rapazes»; «os meninos ficavam a brincar com as bonecas e os outros gozavam dele»; «as raparigas não gostam de azul. Os meninos é que gostam»; «os homens apagam o fogo e as mulheres não».

Note-se que estudos efetuados chamam à atenção para as consequências negativas (quer a nível individual quer coletivo) resultantes do desenvolvimento de visões limitadas de um mundo, onde, indubitavelmente, a singularidade e a diversidade irá sempre coexistir.

Neste entendimento, após a realização de reuniões periódicas com os pais/encarregados de educação, educadores e restantes forças vivas da comunidade educativa (agentes da polícia de segurança pública, bombeiras,…), com vista à explicitação da importância de desmontarmos os nossos próprios estereótipos, em espírito colaborativo, incidi a minha ação junto das crianças, a fim de lhes proporcionar gradualmente ambientes de aprendizagem reflexivos e promotores da desconstrução de estereótipos de género.

Por conseguinte, concluí que as crianças integraram práticas não sexistas e que, quando conduzidas a refletir sobre o assunto, exteriorizaram um conjunto de vivências familiares, até então desconhecidas: «o meu irmão brinca com barbies»; «eu brinco com carrinhos com o meu primo»; «a minha mãe também fez a minha casa». Ainda, aferi que cabe aos educadores, em estreita colaboração com a comunidade: 1) a criação de iniciativas que possibilitem mostrar como os estereótipos influenciam todos os aspetos da vida das crianças e dos adultos e 2) a realização de atividades, com vista à estruturação de bases sólidas de cidadania, onde a convivência saudável com a singularidade e a diversidade deve ocupar uma posição de relevo.

Educador de Infância, Professor do 1.º Ciclo, Investigador e Formador na área da educação para os afetos e sexualidade e Autor.
‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Mais vale acabar

João Pires da Cruz

Damos atenção aos direitos de todos menos aos daqueles que são mais preciosos, os nossos filhos. Gastamos dinheiro em tudo, menos no que é impossível substituir, o tempo das nossas crianças aprenderem

Educação

Mais vale acabar

João Pires da Cruz

Damos atenção aos direitos de todos menos aos daqueles que são mais preciosos, os nossos filhos. Gastamos dinheiro em tudo, menos no que é impossível substituir, o tempo das nossas crianças aprenderem

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)