Política

Livros para férias (I) /premium

Autor

Três alertas contra o empobrecimento da conversação pública nas nossas democracias ocidentais.

A minha tradicional série de sugestões de leituras para férias começa hoje com três títulos de autores norte-americanos.

A primeira sugestão de leituras consiste em Why Liberalism Failed, de Patrick J. Deneen (Yale University Press, 2108). Receio que a minha opinião sobre este livro possa ser relativamente simples: tem muitas coisas certas, que não são novas; e tem algumas coisas (aparentemente) novas, que são basicamente erradas. Subscrevo inteiramente a cortante crítica que lhe foi dirigida por Marc Plattner na mais recente edição da revista Nova Cidadania (Nº 65, Verão 2018, pp. 34-36).

O que entendo estar certo no livro de Deneen são as clássicas críticas liberais-conservadoras de Edmund Burke e Alexis de Tocqueville aos excessos radicais de um certo ‘liberalismo’ de inspiração jacobina. Essas críticas não são novas e, em meu entender, são basicamente acertadas.

O que está profundamente errado, todavia, é o alargamento dessa crítica à tradição da liberdade. Como recordou oportunamente Lord Quinton, as ideias liberais de John Locke foram em Inglaterra associadas a uma revolução conservadora (1688) contra o absolutismo inovador, enquanto que, em França (1789), “produziram o efeito do álcool em estômago vazio”.

Receio que a ignorância do Professor Patrick Deneen sobre esta distinção fundamental seja reveladora da pobreza a que chegou a educação universitária moderna — que em grande parte se está a tornar refém do imediatismo da cultura televisiva e das redes sociais. A pobreza do argumento de Deneen é um vigoroso alerta contra a pobreza das dicotomias infelizes que estão a crescer alarmantemente na vida política ocidental, nos EUA e na Europa — e que, em meu entender, são sobretudo expressão do empobrecimento da conversação pública nas nossas democracias ocidentais.

Os dois títulos que recomendo em seguida contém saudáveis argumentos contra a pobreza daquelas dicotomias infelizes. Um vem do centro-esquerda: Anti-Pluralism, The Populist Threat to Liberal Democracy, de William Galston (Yale University Press). Outro vem do centro-direita: Suicide of the West: How the rebirth of tribalism, nationalism and identity politics is destroying American democracy, de Jonah Goldberg (Crown Forum).

Ambos constituem vigorosas críticas à tribalização da vida política ocidental. E ambos apelam à redescoberta da tradição ocidental da liberdade sob a lei. Esta tradição tem estado sob primários ataques de uma esquerda radical obcecada com ‘as culpas do Ocidente’. Mas a tradição da ordeira liberdade ocidental não será restaurada com respostas igualmente primárias de uma direita simetricamente tribal e proteccionista.

Um dos temas que melhor ilustra esta infeliz dicotomia tribal é a oposição entre um feroz anti-patriotismo pós-nacional (tendencialmente à esquerda) e um feroz proteccionismo nacionalista (tendencialmente à direita). Um dos grandes méritos dos livros de Galston e Goldberg é a comum recusa da dicotomia entre patriotismo e cosmopolitismo. Neste ponto (bem como noutros) eles vigorosamente convergem com o espírito de conversação tranquila entre “Patriotismo, Cosmopolitismo e Democracia” que presidiu à 26ª edição do Estoril Political Forum, na semana passada, no Hotel Palácio do Estoril — e onde William Galston proferiu a Palestra Dahendorf precisamente intitulada “Em defesa de um patriotismo razoável”.

Também Goldberg defende um ‘patriotismo razoável’, fundado na soberania dos Parlamentos nacionais. Goldberg e Galston defendem que a democracia tem sede em Parlamentos nacionais que exercem a sua soberania sobre territórios nacionais, com fronteiras definidas e políticas de imigração definidas pelos Parlamentos nacionais. Simultaneamente, ambos defendem uma política de diálogo multilateral e uma ordem internacional fundada em regras — como sempre foi timbre das democracias ocidentais.

Em suma, os livros de Galston e Goldberg poderão fornecer uma compensação civilizada contra a primitiva tribalização do debate político que nos ameaça.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

Um simpático “reaccionário minhoto” /premium

João Carlos Espada

O nosso “reaccionário minhoto” desafia todos os dogmas politicamente correctos. Mas nunca é agressivo; nunca está zangado; e transmite uma atitude critica, mas tolerante, de “live and let live”.

Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
289

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
590

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)