Rádio Observador

Livros

Livros para o Natal (II)

Autor

A confiança na civilização europeia e ocidental supõe o reconhecimento do sentimento nacional.

After Europe, de Ivan Krastev (Penn, 2017), é a minha primeira sugestão de leituras natalícias, nesta segunda crónica sobre o tema. O autor — que falou recentemente em Lisboa sobre o livro — recusa a dicotomia infeliz entre “nacionalismo versus globalismo” e sugere que tentemos compreender os eleitores. Alerta para a importância do sentimento nacional e recorda que ele esteve associado à emergência da democracia moderna. O título After Europe não se refere, por isso, ao fim da União Europeia. Refere-se apenas ao fim da ilusão de que é possível construir o nobre projecto europeu ignorando os sentimentos dos eleitores.

Um argumento semelhante tinha sido pouco antes apresentado por David Goodhart em The Road to Somewhere: The Populist Revolt and the Future of Politics (Hurst, 2017). O autor, que se situa ao centro-esquerda, argumenta que a tradicional divisão entre esquerda e direita está a ser gradualmente substituída, ou sobreposta, por uma nova oposição: entre, por um lado, a “identidade adquirida” de grupos dotados de grande mobilidade profissional e residencial que pertencem “anywhere” (a qualquer lugar, digamos assim); e, por outro lado, a “identidade herdada” de grupos com reduzida mobilidade profissional e residencial que pertencem “somewhere” (a algum lugar, digamos assim). Recusa a dicotomia infeliz entre “anywheres” versus “somewheres” e procura sugerir caminhos para os reconciliar. À semelhança do argumento de Krastev, Goodhart considera que esses caminhos supõem o respeito pelo sentimento nacional.

Outro argumento semelhante, desta vez vindo do centro-direita, é apresentado por Douglas Murray em The Strange Death of Europe: Immigration, Identitiy and Islam (Bloomsbury, 2017). O autor argumenta que a Europa enfrenta um desafio existencial que resulta de dois fenómenos simultâneos. Por um lado, assistimos a um inédito movimento migratório de populações. “A Europa está a tornar-se o lar do mundo inteiro”, diz Murray. Isto seria em si mesmo um problema, mas torna-se mais grave porque coincide com outro fenómeno, embora de origem distinta, sobretudo endógena: “a Europa perdeu a fé nas suas convicções, tradições e legitimidade”. Sem confiança em si mesma, a Europa e o Ocidente não têm condições para assimilar ordeiramente as vagas migratórias. Esse “choque de culturas” é sobretudo sentido pelas populações nativas europeias com reduzida mobilidade profissional e geográfica — os “somewheres” de David Goodhart — e que por isso têm de conviver diariamente com diferentes, muitas vezes hostis, culturas e religiões dos imigrantes.

As três obras acima referidas já tinham sido por mim recomendadas a propósito das leituras para o Verão. Volto a recomendá-las agora, devido à importância do tema europeu e à qualidade invulgar das obras em apreço. Felizmente, também entre nós, quatro livros muito recentes abordam uma problemática semelhante — embora com perspectivas diferentes. Carlos Gaspar acaba de publicar A Balança da Europa (Aletheia, 2017). [ ] André Azevedo Alves coordenou a edição de Teoria Política e Geoestratégia: Desafios Contemporâneos (Aletheia, 2017). De Portugal para a Europa é o título do livro de António Barreto (Relógio d’Água, 2017). E hoje mesmo será apresentado ao público Bárbaros e Iluminados: Populismo e Utopia no Século XXI, de Jaime Nogueira Pinto (D. Quixote, 2017).

A problemática europeia está incontornavelmente enraizada nas realidades nacionais. Esta é por isso uma boa ocasião para revisitar a história de uma das mais antigas nações da Europa. Este é o tema de Portugal: A História de uma Nação, de Henry Morse Stephens (Alma dos Livros, 2017), bem como de Diogo Freitas do Amaral em Da Lusitânia a Portugal: Dois mil anos de história (Bertrand, 2017). Num registo mais pessoal, encontramos Abril e Outras Transições, de José Cutileiro (D. Quixote, 2017) e Caminhos e Destinos: A memória dos outros II , de Marcello Duarte Mathias (D. Quixote, 2017).

Para esta reflexão estimulante sobre a identidade nacional, recomendo ainda um ensaio do Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, sobre O que é Portugal? O que somos e porque somos (Universidade Católica Editora, 2015). O tema foi revisitado pelo mesmo autor numa eloquente palestra na Academia de Marinha, na passada terça-feira, por ocasião dos 700 anos da Marinha de Guerra Portuguesa: “Como o Mar fez Portugal”.

Finalmente — e dado que, com efeito, o Mar fez Portugal — recomendo enfaticamente a leitura do número Mil da Revista de Marinha — uma publicação não estatal que este ano celebra os 80 anos. Talvez uma assinatura desta revista pudesse constituir uma boa ideia de presente de Natal.

Feliz Natal e boas leituras.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ocidente

A família transatlântica /premium

João Carlos Espada

Apesar da vincada variedade de preferências políticas dos inúmeros participantes do Estoril Political Forum, todos subscreveram os apelos de Churchill e Thatcher à unidade do Ocidente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)