Rádio Observador

Inovação

Machine Teacher. Uma profissão de futuro (também) na advocacia

Autor
293

Inteligência Artificial e o Direito. Quanto mais eficiente e robusta a IA for, mais eficiente será o advogado. O tempo que a IA irá devolver ao advogado terá este, em parte, que lhe devolver em ensino

2025

M. advogada acede ao relatório que o seu colega R. lhe enviou durante a noite sobre as probabilidades de sucesso do caso que ela recebera na tarde anterior. O relatório avalia a documentação enviada pelo cliente face à legislação, doutrina, jurisprudência, confere-lhe uma probabilidade de sucesso e aponta uma estratégica de ataque possível, fazendo-se acompanhar das minutas disponíveis (que R. já pré-preencheu).

R. é uma solução de Inteligência Artificial (IA) de que M. não prescinde na sua equipa de contencioso.

Desde a invenção da roda que a tecnologia vem açambarcando tarefas monótonas e repetitivas desenvolvidas pelo Homem. O que agora surpreende é apenas o facto de a mais recente tecnologia – sobretudo no domínio da IA – parecer conseguir executar tarefas até aqui exclusivas de uma mão-de- obra qualificada, pondo em crise a ideia de que os computadores não são tão bons como os humanos em áreas não binárias.

Das conquistas IBM Watson em cima de dados não estruturados e linguagem natural, às conquistas da equipa Deepmind (Google) toda uma nova ameaça (ou oportunidade?) se parece começar a desenhar. Soluções para construção, revisão automática de contratos e gestão de risco contratual, processamento, gestão e análise de grandes volumes de dados em suporte a grandes transações e até sistemas conversacionais cognitivos (bots) que prometem estabelecer uma primeira linha de conversa com os clientes e resolver pequenas questões… há soluções para tudo. Pois, mas a disponibilidade das soluções só por si não chega. As soluções têm que atingir níveis de performance aceitáveis, para tal precisam de treino e aprendizagem.

O algoritmo de um bot, por exemplo, só por si saberá pouco para a interação normal com um humano; tem de aprender a conversar com um humano sobre determinado tema, todas as variáveis possíveis desse tema e ir aperfeiçoando a sua capacidade. A IA cognitiva (presente em muitas destas soluções) tem de ter alguém que a ensine. Esta afirmação é tão válida quanto entramos em áreas de conhecimento com uma dimensão humana complexa como o Direito. Os algoritmos são fracos para áreas que requerem inteligência emocional, capacidade opinativa e/ou livre arbítrio e daí parece-nos surgir um espaço de entrosamento da IA com a advocacia, inevitável e incontornável.

Se a IA poderá aliviar muito do trabalho intenso e profundo de investigação do advogado, fá-lo-á tanto melhor quanto mais o advogado lhe ensinar. Se eu tiver no meu escritório uma ferramenta de suporte à construção de minutas ou à revisão de contratos, tenho de verificar e validar os inputs da IA para garantir qualidade de trabalho por
um lado, e assegurar que a performance da IA vai melhorando, por outro. Quanto mais eficiente e robusta a IA for, mais eficiente também eu serei. O tempo que a IA irá devolver ao advogado, terá este que em parte lhe devolver em ensino.

O ensino da IA (machine teaching) traduzir-se-á em mais e melhor IA e, com melhor IA, é o profissional que engrandece a sua base de conhecimento, que aumenta a sua produtividade e ganha tempo para outras realizações pessoais. Os advogados do futuro não creio que venham a ser máquinas. Acho que serão os que não temeram o conhecimento que as máquinas lhe potenciaram e souberam construir em cima desse conhecimento, num círculo virtuoso de contrapartidas em que todos ganham.

Em 2013 um estudo sobre o futuro do emprego examinou o risco dos algoritmos substituírem profissões até 2033, tendo concluído que os advogados estavam expostos apenas em cerca de 3,5%, ao passo que as profissões de suporte paralegal estariam expostas em mais de 94%. Mais recentemente, em Janeiro de 2017, um relatório do McKinsey Global Institute estimava que mais de metade das profissões atuais estariam automatizadas em 2055 (advogados incluídos!).

Carina Branco é sócia fundadora da Techlawyers e é especialista na área da tecnologia, inovação e criatividade. Advogada desde 1997, teve desde cedo contacto com as primeiras tecnológicas multinacionais que chegaram a Portugal no final dos anos 90 (v.g. Cisco Systems e AMS). Foi responsável da Direção Jurídica da tecnológica Novabase (2002-2017) e em parceria com a sociedade de advogados pbbr fundou a Techlawyers by pbbr, um novo conceito na área da advocacia que atua transversalmente no setor da Tecnologia, IT e indústrias da criatividade e inovação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)