Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há palavras que nascem tortas e nunca mais se endireitam. É pena, mas é a realidade. Madrasta e padrasto são do pior que há. Têm uma carga tão negativa, tão corrosiva, que muitos enteados evitam a todo o custo a terminologia e usam exclusivamente o ‘marido da minha mãe’ ou a ‘mulher do meu pai’ para se referirem aos padrastos e madrastas.

A coisa vem de longe e não faço ideia onde começou, mas penso que, no universo feminino, a madrasta da Cinderela não estará inocente pois a sua maldade povoou para sempre o imaginário comum de crianças em todo o mundo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.