Presidenciais em França

Metade dos franceses votaram contra o euro e a UE

Autor
312

As eleições presidenciais francesas revelaram outro país dividido pela questão europeia, e em que é improvável que a elite política consiga assegurar um governo efectivo.

Esta primeira volta das eleições presidenciais não trouxe boas notícias para a Europa da integração. Com Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon , mais de 40% dos eleitores franceses manifestaram-se contra o euro e a União Europeia: quase tantos como os que, através de Emmanuel Macron, François Fillon e Benoit Hamon, se manifestaram a favor. A França revelou-se tão dividida acerca da questão europeia como o Reino Unido estava o ano passado, aquando do Brexit. Mas no Reino Unido, os partidos tradicionais mantiveram a iniciativa política (o Brexit é conduzido pelo Partido Conservador, não pelo UKIP), enquanto em França, os grandes partidos do regime, representados por Fillon e Hamon, ficaram pela primeira vez ambos de fora de uma segunda volta das presidenciais.

O problema, porém, não é apenas a marginalização dos gaullistas e dos socialistas. O maior problema é que nem Emmanuel Macron, o europeísta, nem Marine Le Pen, a anti-europeísta, são uma verdadeira alternativa. Macron é apenas o cartaz de ocasião, calculado para agradar ao eleitorado, da elite de diplomados das grandes escolas que domina o regime. Não é de direita nem de esquerda. Acha que tudo tem um lado positivo e negativo: o dirigismo estatal e o mercado livre, o proteccionismo e a globalização… Macron é como se a França tivesse chegado finalmente, com vinte anos de atraso, à década de 1990 de Bill Clinton, Tony Blair e Gerhard Schroeder. A esse respeito, foi interessante constatar que a velha Terceira Via consubstancia, hoje, o europeísmo, como se viu pelo entusiasmo com que o porta-voz de Angela Merkel logo desejou boa sorte a Macron.

Enquanto Macron é o candidato favorito dos quadros superiores, Marine Le Pen é a candidata favorita da classe trabalhadora. Le Pen vai apelar aos “patriotas” contra um “sistema” rendido à “globalização selvagem”. Mélenchon, pela extrema-esquerda, quis explorar a mesma vaga anti-euro e anti-globalização. Mas a direita nacionalista é mais coerente e completa do que a esquerda internacionalista nessa guerra, porque rejeita toda a livre circulação, não só a de bens e de capitais, mas também a de pessoas. Em 2002, a “disciplina republicana” mandou toda a gente votar em Chirac contra o pai Le Pen. A filha Le Pen, com alguma razão, espera que essa disciplina não funcione agora. Como podem os conservadores que apoiaram Fillon (20%) votar num crente do progressismo urbano? Como podem os esquerdistas revolucionários que seguiram Mélenchon (19%) entusiasmar-se com um fanático do euro e da globalização? Na noite eleitoral, Mélenchon recusou-se, aliás, a apelar ao voto em Macron, para gáudio dos comentadores da Frente Nacional.

Um deles, Macron ou Le Pen, vai ser presidente. É mais duvidoso que qualquer deles consiga ser um presidente efectivo. As eleições de 11-18 de Junho podem impor logo ao vencedor das presidenciais a coabitação com uma maioria parlamentar hostil ou desconfiada. É muito difícil que o novo partido de Macron, En Marche, ou a Frente Nacional, sempre bloqueada pelo cruzamento de votos da esquerda e da direita “republicanas”, consigam impedir isso. Pelo seu lado, Le Pen tornou ainda mais complicada uma sua hipotética vida presidencial, ao prometer que se demitiria se perdesse um referendo sobre a saída do euro.

As elites do regime não estão rendidas. Ninguém à direita sonha submeter-se ao clã Le Pen. Muitos, à direita e à esquerda, podem prestar-se a colaborar com Macron, mas nesse caso o novo presidente terá uma maioria de gente em que não pode confiar e em que muitos estarão a trabalhar para o substituir. Alguma vez Manuel Valls ou Nicolas Sarkozy se conformarão com a chefia de um banqueiro de 39 anos que desembarcou na política há três anos?

A vantagem dos europeístas é apenas esta: os anti-europeístas, divididos entre Le Pen e Mélenchon, não se conseguirão unir, enquanto apesar de tudo os europeístas de direita e de esquerda talvez possam colaborar. Mas isso não quer dizer que consigam dar à França, com Macron, o governo de que precisa um país economicamente estagnado e em estado de sítio.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
235

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

PSD

O nome do vazio /premium

Rui Ramos
414

Se houver mesmo um desafio a Rio, não é para o poupar a derrotas, mas para mudar uma estratégia que pode comprometer o PSD como grande partido. Rio é hoje apenas o nome do vazio que ele próprio criou.

Política

Viver sem ideias /premium

Rui Ramos
258

Nenhum regime é apenas o que existe e como tal pode ser descrito. É também o que os seus líderes propõem, as expectativas e a confiança que as suas ideias são capazes de gerar.

Política

De Trump a Macron, do populismo ao elitismo

Rui Ramos

Quando vão aparecer as imitações de Macron? Muita gente já se deve andar a ver ao espelho, a confirmar que tem o cabelo e o sorriso certos. No Porto, o divórcio municipal já foi atribuído a Macron  

Presidenciais em França

O anjo

Maria João Avillez

Emmanuel Macron sabe ao pormenor o que está a fazer: encarnar num mito. Um misto de pai, chefe, condutor do povo, inspirador das massas. Emmanuel quer dizer Deus connosco. Pode ser perigoso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)