A capacidade de alguém nascido no seio de uma família pobre conseguir através do trabalho um rendimento superior ao dos seus pais deve estar no topo das prioridades de qualquer governo, o papel do Estado é proporcionar aos cidadãos oportunidades iguais, cabendo a cada um através do esforço, mérito e escolhas pessoais decidir que caminhos quer trilhar. Provavelmente é através da educação que esse objectivo mais facilmente será alcançado, não havendo hoje em dia muitos temas que tanto diferenciem a esquerda e a direita como a educação. O anterior governo reintroduziu os exames no quarto ano de escolaridade, iniciou a avaliação de professores e apostou no ensino profissional, o actual revogou praticamente todas essas decisões. A pergunta que importa fazer é se estas decisões têm implicações no sucesso dos alunos, sendo que as primeiras respostas não são animadoras, de acordo com o Progress in International Reading Literacy Study (PIRLS), uma avaliação internacional que incide sobre a compreensão da leitura, Portugal não só piorou o desempenho como foi o país da Europa que mais caiu e o segundo que mais piorou o resultado, se se tiver em conta os 50 países em análise; resta esperar por outros estudos (exemplo, PISA) para verificar se a pioria de resultados se confirma.

A educação será sempre o refúgio dos mais pobres para poderem melhorarem a sua condição de vida e é obrigação de qualquer governo e dos professores promoverem uma educação de qualidade e exigente para melhor servirem os alunos.

Uma notícia do DN que passou praticamente despercebida nos restantes meios de comunicação social refere que a Escola Básica Delfim Santos resolveu, mesmo sem pedido oficial da PSP, encerrar às 15h45 de quarta-feira, dia 4 de Janeiro, por “questões de segurança dos alunos” devido ao jogo de futebol Benfica-Sporting, às 21:30. A mesma notícia refere que a PSP “não requereu”, nem “considera necessário”, o encerramento de qualquer estabelecimento de ensino por causa do jogo de futebol entre o Benfica e o Sporting. Então porque decidiu a direcção da escola encerrar mais cedo? O transtorno que causado pelo trânsito não pode servir de desculpa para esta decisão. Porventura, não será por encerrar um par de horas mais cedo que os alunos serão seriamente prejudicados nem é esse o principal problema, a escola deve ser um exemplo de seriedade e exigência e encerrar mais cedo devido a um jogo de futebol que decorre cinco horas mais tarde transmite um sinal de facilitismo que não deve ser tolerado; alguém imagina o Colégio S. João de Brito ou o Colégio Planalto encerrarem mais cedo por causa de um jogo de futebol? Impensável.

Durante a anterior legislatura, os partidos da oposição (hoje no governo ou seus apoiantes) criticaram muitas vezes o governo da altura por estar a pôr em causa a escola pública, percebemos agora que não era a qualidade do ensino que os movia, mas antes a defesa dos interesses dos professores.

A mobilidade social e a forma de a alcançar deveria ser um dos temas da campanha para a liderança do PSD, pois além de ser importante para os portugueses, pode indicar uma alternativa ao actual governo.

Licenciado em Medicina