Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Cerca de duas semanas depois de Carlos Moedas ter apresentado a sua candidatura a Lisboa, surgiu o argumento de que ‘Moedas não tem ideias’. Parece que se exige a Moedas o que não se exige a qualquer outro candidato: um programa eleitoral duas semanas depois de ter apresentado a sua candidatura. Não deixa de ser um bom sinal. Significa o reconhecimento de tudo o que se espera de Moedas.

As propostas políticas consistentes devem demorar algum tempo a ser preparadas. Exigem um trabalho bem feito, profissional e competente. Nenhuma candidatura credível apresenta ideias ou propostas sem estarem bem trabalhadas. Há equipas de grande qualidade e competência a trabalhar nas ideias centrais da candidatura de Moedas. A seu tempo, serão apresentadas propostas específicas sobre temas como a habitação, os transportes públicos, a preparação para enfrentar pandemias no futuro, apoios à reconstrução económica do comércio e da restauração, o apoio à solidão de muitos cidadãos mais idosos, e o combate à pobreza nos bairros mais carentes. A esquerda deve estar preocupada com as ideias de Moedas, mas as direitas não devem andar nervosas. Vale muito mais um programa bem pensado e bem trabalhado, capaz de construir uma maioria entre o eleitorado, do que apresentar ideias avulso para alcançar a popularidade fácil e passageira. Não importa ter apenas ideias. Interessa sobretudo apresentar boas ideias. As boas ideias exigem tempo e trabalho.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.