Conheci o João Flores quando decidi ir viver para Madrid.

Como não conhecia lá ninguém, perguntei a um amigo quem me poderia ajudar a começar a minha vida nesse estrangeiro e a resposta foi imediata. O João Flores!

Achei curioso que uma pessoa já com 74 anos pudesse ser a minha grande ajuda a entrar numa sociedade que eu não conhecia, mas que todos me diziam ser muito pouco aberta a estrangeiros.

Mas lá fui.

E tive a enorme sorte de conhecer uma das melhores pessoas com quem me encontrei na minha vida. Uma pessoa sempre disponível para os outros, que se interessava pelos nossos problemas e que nos tentava ajudar a resolvê-los, sem que se fizesse sentir a sua intervenção.

O João estava disposto a ajudar, sem esperar nada em troca. Ajudava fosse quem fosse sem discriminar, o que importava era que eram pessoas que precisavam de ajuda.

E, na maioria das vezes a sua ajuda advinha da enorme e fantástica rede de amigos que tinha criado durante toda a sua vida. Punha-os em contacto e desaparecia do assunto.

E quando parecia que já não estava lá, aparecia sempre a saber como estávamos.

O João teve que ir para Madrid muito cedo e conseguiu ser parte integrante da elite daquela sociedade graças à sua fantástica maneira de ser amigo, mas nunca se esqueceu de que quem chega a uma nova terra tem sempre enormes dificuldades e ele pôs sempre a sua posição ao serviço dos que dele precisavam.

Qualquer português que lhe pedisse ajuda, estava seguro de que a iria receber e se fosse preciso resolver um problema de saúde, não só organizava toda a assistência como ía ele próprio visitar o doente para ver como estava.

João Flores foi uma raridade. Era absolutamente português e vivia em Madrid como um espanhol. Foi recebido na elite madrilena como um deles, mas fazia sempre questão de falar espanhol com todo o sotaque português.

Quando o ouvíamos falar parecia estranho que ao fim de tantos anos ainda não conseguisse falar como um espanhol, mas ele sabia e falava um espanhol gramaticalmente correcto, ainda que sempre como se falasse em português.

O João foi um grande empresário, soube arriscar, inovar e criar, deixou obra feita e foi um exemplo de coragem empresarial. Foi o introdutor dos grandes supermercados em Portugal e Espanha e foi presidente da Rede portuguesa das Câmaras de Comércio no Estrangeiro e da Câmara de Comércio Hispano-Portuguesa.

Ele era português! E era um grande português que estava sempre disponível para ajudar qualquer um que necessitasse.

Eu perdi um amigo, mas Portugal ficou mais pobre e Espanha também.

Morreu o amigo de Portugal.