A possibilidade de o novo Presidente do Brasil desviar as suas atenções e prioridades das relações bilaterais com a China e a Rússia, bem como no âmbito dos BRICS, para os Estados Unidos está a deixar a Rússia e a China apreensivos.

Os dirigentes chinês e russo, Xi Jiping e Vladimir Putin respectivamente, deram os parabéns a Jair Bolsonaro após a sua eleição para o Palácio do Planalto, mas, através de órgãos de informação oficiais ou oficiosos, deixam escapar receios quanto às possíveis futuras mudanças na política externa brasileira.

Putin, na sua mensagem enviada ao vencedor, expressou a sua confiança no desenvolvimento de todo o leque de relações entre os dois países, assim como na cooperação construtiva, no âmbito das Nações Unidas, do G20, dos BRICS. O governo da China também se manifestou pelo aprofundamento das suas relações bilaterais e multilaterais, especialmente no que se refere ao BRICS.

Todavia, durante a sua campanha eleitoral, Balsonaro não escondeu que serão prioritárias as relações bilaterais com outros países, a intenção de reduzir os contactos no âmbito dos BRICS e do MERCOSUL, bem como a simpatia para com Donald Trump e a sua política.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.