CDS-PP

Mudar a bem

Autor

Temos de pensar nas pessoas e nos seus problemas mais sérios, da liberdade de escolhas até à vitalização do sistema político e ao futuro económico e institucional da União Europeia.

Os anos que leva a geringonça parlamentar e governativa da esquerda, apesar da aparente estabilidade que tem parecido assegurar, não conseguem esconder a percepção de muitos (e que se acentua de dia para dia) de que se vivem tempos incertos, difusos e oscilantes.

A governação dos interesses particulares com descuido do interesse geral tem dessas coisas.

Porque estão em causa questões determinantes para o nosso futuro colectivo, do Brexit à pressão migratória, do autismo nacionalista americano à imparável preponderância chinesa, da anemia política-social-económica europeia à regressão demográfica e à crise do Estado social, é indispensável que se fale verdade, também na política ou essencialmente na política– um exercício que devia ser natural mas que os cantineiros (líderes é outra coisa) da geringonça abominam por natureza.

E é urgente em ano de eleições que se promova um debate político sereno e responsável que ponha um travão à tentação do populismo fácil, à ameaça das visões mais extremistas ou à pura e simples gestão das quotas de mercearia dos apaniguados do regime autoritário das esquerdas no poder.

Tem sido esse o sentido de Estado e o caminho trilhado pelo CDS, que deitou mãos à obra para Portugal poder mudar a bem.

Ao ruído revoltado de um tempo político transformista e ilusionista que parece preferir a excepção à regra e a vida dos animais à vida humana, a aposta do CDS é sempre nas pessoas. As pessoas que querem viver muito para lá do chicote sindical-ideológico autista e aperrado do PCP e do Bloco de Esquerda. Que são mais importantes do que a contabilidade dos números com que o PS sempre se enganou historicamente e sempre nos enganou. Que valem mais do que todos os cãezinhos e gatinhos anafados, calçadinhos e vestidinhos do pandémico PAN, que sonha com o regresso ao tempo em que os animais falavam.

Temos de pensar nas pessoas e nos seus problemas mais sérios, da liberdade de escolhas até à vitalização do sistema político e ao futuro económico e institucional da União Europeia.

E já agora, trago à liça, a propósito, alguns conselhos de base democrata-cristã da CDU alemã para que me alertava um avisado amigo de família que, como ponto de partida, nos podem dar o necessário enfoque para o a fazer (muito longe do “politicamente correcto”):

  1. É demagógico e errado pensar nas políticas e nas soluções sociais a partir das despesas: saúde, educação, cultura, combate à pobreza e à desigualdade.
  2. As soluções devem procurar-se partindo do lado da receita.
  3. A migração tem de ser disciplinada, i.e., tem de ter regras, para criar segurança e potenciar o número de trabalhadores qualificados no nosso país.
  4. A ponderação nacional das políticas europeias e da reforma do sistema político/institucional europeu deve ter obrigatoriamente em conta a consideração de que é absolutamente do nosso interesse continuar a beneficiar directamente de todas as economias de escala da União Europeia.
  5. É indispensável apoiar positivamente com legislação fiscal e laboral actualizada e eficiente o empreendedorismo, que cria trabalho, riqueza e promove as exportações.
  6. E depois, mas só depois, haverá dinheiro para gastar na saúde, educação, cultura e justiça social.

Porque a riqueza não são remessas europeias, nem impostos. E muito menos é o Estado clientelar que a sabe fazer. A riqueza dos povos e das nações é outra coisa. Não é de certeza um slogan estafado, nem uma cartilha ideológica surrada. E os animais não comem à mesa.

Advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Miguel Alvim

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

CDS-PP

O partido da liberdade

Miguel Alvim

Falta agora ao CDS apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Eleições Europeias

Da recuperação da esperança

Filipa Osório

O único factor que efectivamente pode combater a abstenção é a qualidade política. Assim, é importante mostrar ao eleitorado não o prolongamento do sistema, mas sim as existentes alternativas.

Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
145

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)