Crónica

Na Caverna da Urgência

Autor

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

«Cette vie est un hôpital où chaque malade est possédé du désir de changer de lit.»
Charles Baudelaire

A urgência é uma figura da representação do tempo. Ela impõe uma absolutização do presente vivido sob o modo da contingência e do imediatismo. Nas nossas sociedades contemporâneas, fundadas simultaneamente na força da tecnologia e no poder dos mercados, a urgência tornou-se na categoria indiscutível – porque indisputável – do tempo. Instado a entrar num tempo hegemónico mundial, o nosso presente globalizado normaliza assim uma tirania da urgência que conhece nos dispositivos económico-financeiros e tecnológico-comunicativos os seus dois grandes pilares. Com efeito, uma lógica económica e financeira da imediatez conjuga-se aqui com uma dinâmica administrativa e social da urgência em que tudo é exigido imediatamente. Basta que pensemos na fúria desencadeada nos nossos interlocutores por um ligeiro «atraso» na resposta aos seus e-mails. Este tempo curto e rápido que exige que tudo façamos imediatamente impõe-se-nos com uma violência e uma brutalidade nunca antes experimentadas. A urgência mobiliza uma concentração e uma densificação da acção que conduzem a uma absolutização do tempo imediato. Por isso mesmo, todo aquele que «perde tempo» ou que «espera» coloca-se a si mesmo numa situação de potencial fracasso. Como se «esperar» pudesse apenas significar «perder». Como se para o homem contemporâneo todo o acto que não se encontra determinado pela urgência fosse uma perda irreparável de energia temporal e uma desvantagem na competição que trava com os seus pares. A resposta imediata é aqui uma regra absoluta de sobrevivência. A «espera» é intolerável porque ela significa apenas o «atraso» – imperdoável porque irrecuperável – com que se responde à satisfação de uma exigência. O sentido desta compressão do tempo ou encurtamento do presente pode ser observado em várias palavras: «zapping», «fast food», «fast think», «flash interviews», «spots», «clips», «surfing», «uma cópula rapidinha», etc. Todas estas expressões, por sua vez, podem ser reconduzidas a uma prescrição matricial: «power of deadline». A tirania do curto-prazo instala o urgente expulsando de vez o estratégico. Com isso, é o próprio tempo da deliberação que se vê consumido na fogueira da decisão pronta e veloz. Tudo, em suma, é a favor do tempo curto e compactado e em desfavor do tempo longo e indefinido.

A urgência é hoje sentida como a figura por excelência de uma violenta contracção do tempo que colonizou e tragou todos os recantos do pensamento e da experiência hodiernas. Para tal contribui antes de mais a lógica inexorável dos mercados financeiros, cujo imperativo é o lucro imediato, mas também a vertigem aceleratória dos actuais meios electrónicos de informação e comunicação, cada vez mais determinados por uma implacável exigência de velocidade e instantaneidade. O resultado de uma tal aceleração é a permanente caducidade, obsolescência e instabilidade da experiência.

Que a principal queixa do homem contemporâneo seja a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo» não carece de demonstração, embora um tal truísmo reclame uma análise consequente, que aqui não fazemos. Seja como for, a generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência contemporâneas significa que nela se expressa e configura uma inquietação face a um futuro imediato marcado por incertezas e riscos que não somos capazes de avaliar com serenidade.

O termo «urgência», porém, tendo sido inventado no século XVIII, remeteu durante muito tempo praticamente apenas para o domínio médico e para o mundo hospitalar, do qual provém. Damos entrada num «serviço de urgências» precisamente numa situação em que «já não podemos esperar… mais». É a «situação crítica» do doente que o obriga a deslocar-se às urgências. Se o doente espera que os técnicos de saúde redobrem a atenção de modo a atender e a decifrar as suas queixas e despendam por isso mais tempo e cuidados com ele, a urgência médica, paradoxalmente, actua precisamente no sentido inverso: ela despacha aquela urgência com o imperativo de uma urgência sempre maior, de uma urgência por vir. A nomenclatura usada no nosso Serviço Nacional de Saúde é a este respeito elucidativa. Os blocos operatórios não conseguem dar conta em tempo útil das necessidades do serviço e por isso reprogramam as chamadas «urgências diferidas». Fatalmente, a urgência está sempre atrasada em relação ao tempo. Daí a frustração que ela gera, tanto nos médicos que a dispensam, como nos doentes que a recebem.

Eis, porém, que acordamos e nos vemos submersos numa situação de absolutização e de generalização da urgência que se alarga a todos os períodos do dia e se estende a todos os sectores – público, privado, íntimo – da vida. A urgência invade e coloniza as actividades humanas no seu conjunto e passa de uma temporalidade de excepção a uma temporalidade normal. Nesta situação, a urgência sustenta-se a si mesma e auto-normaliza-se. Como se fosse uma realidade em si mesma e não apenas uma dada representação projectiva do tempo. Com efeito, o incremento do poder da urgência exige o constante recurso a dispositivos de acção excepcionais para fazer frente a uma «necessidade». A chamada «requisição civil» dos enfermeiros entra por isso nesta lógica da necessidade. Por isso, à luz da cultura de urgência que marca e determina a matriz das nossas sociedades, o antigo adágio jurídico necessitas non habet legem («a necessidade não conhece lei») vê-se agora sobredeterminado: «a necessidade não reconhece qualquer lei» e «a necessidade cria a sua própria lei». A urgência dita o status necessitatis permanente.

A construção normativa de um estado de urgência permanente é sumamente perigosa porque a absolutização da urgência arruína a própria ideia e a possibilidade mesma da urgência, já que o urgente só pode ter sentido quando existe o que não é urgente. Suprimindo a actualização do passado e a figuração antecipada do futuro, o recurso normativo à urgência é um fantástico e extraordinário instrumento de poder no qual transparece uma recusa cega de pensar o mundo politicamente, isto é, com um projecto e uma perspectiva. A «revolução permanente» de Leon Trotsky transfigura-se hoje em «urgência financeiro-comunicacional permanente». Neste cenário é praticamente inevitável que se multipliquem as falsas urgências e que aumente a pressão para que se actue imediatamente, pois agir depressa, antes que o problema se agrave e se torne crítico, é a principal justificação da urgência. Contudo, a irritação permanente dos sinais de alarme é, como sabemos pela história de Pedro e o Lobo, contraproducente. Com efeito, a permanente exigência de aumento da aceleração, da mobilidade, da velocidade, da flexibilidade e da ductilidade desemboca numa agitação e num frenesi muitas vezes superficiais e inconsequentes, embora com efeitos danosos para aquele tipo de coesão das sociedades que depende do âmbito do simbólico. Cativas de um activismo e de um bougisme imparáveis e conduzidas segundo a lei férrea de uma utopia técnico-informática, as sociedades contemporâneas são vítimas do que Paul Virilio chamava o paradoxo da «paralisação veloz», um estado de coisas que se traduz numa acentuada imobilidade e inércia, a qual se verifica precisamente nos momentos de maior aceleração. O resultado é uma generalizada «falsa mobilidade», contra a qual se torna extremamente difícil lutar, embora um tal imperativo se imponha com veemência ao funcionamento das instituições e a cada um de nós diariamente.

Esta imposição normativa de urgência é bem visível em conceitos como «crescimento e desenvolvimento económicos», «aumento da produtividade», «expansão dos mercados», «inovação tecnológica», «empreendedorismo», «responsividade», etc.. Para «acalmar os mercados», as empresas devem privilegiar a «realização de performances de curto prazo» em detrimento de «estratégias de longo prazo». Nas suas operações dá-se por isso uma compressão do intervalo temporal que separa a concepção da realização. O tempo curto da finança impõe-se ao tempo longo do investimento. Finalmente, a urgência profissionaliza-se cada vez mais e cria a sua própria oferta. Dir-se-ia que enquanto tiver procura ninguém a conseguirá travar. Dir-se-ia ainda que a «sociedade» em que ela respira se assemelha cada vez mais a um «mercado». É simples: «Vende-se urgência.»

Claro que ninguém hoje quer computadores mais lentos, ou deseja transportes públicos atrasados, ou filas de espera no supermercado, ou, hélas, um serviço de urgência hospitalar lento e ineficiente. Contudo, os efeitos deletérios desta imediatez sem perspectivas nem deliberação que caracteriza a nossa cultura da urgência exigem cada vez mais uma defesa racional do ganho de tempo que não se esgote nem no princípio cego da aceleração pela aceleração, nem na luta quixotesca contra a realidade. Festina lente («devagar que tenho pressa») talvez seja um mote adequado para o imperativo de combate à falsa mobilidade e ao impulso reactivo que enclausuram o homem contemporâneo na caverna da urgência. De acordo com esta fórmula de Suetónio, as instituições e as pessoas que as integram devem poder buscar metódica e serenamente o princípio de «desaceleração aceleratória» que mais lhes convenha. Não é tarefa fácil.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Política

Português, eleitor, conservador

António Bento
167

O eleitor de conservador é apreensivo face ao futuro e prefere a segurança ao perigo. É um inovador relutante e, quando aceita a mudança, é apenas porque a sente como inevitável e inescapável.

Política

Eleições à vista

José Couceiro da Costa

Hoje, com a velocidade da informação, o que releva são as causas, tão voláteis como as opiniões da sociedade civil. O modus operandi da política do séc. XX está morto. A ordem natural está invertida.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
836

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Crónica

Esta noite pode ser tarde demais /premium

Laurinda Alves
9.517

Morreu-nos e todos fomos obrigados a despedir-nos de quem não nos foi dado tempo absolutamente nenhum para despedidas. Parece que ficou tudo por fazer e quase tudo por dizer. Custa muito.

Pais e Filhos

Querido pai /premium

Eduardo Sá
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

Crónica

Os amigos /premium

Helena Matos
780

Os amigos uns dos outros. Os amigos de Peniche. Os amigos dos animais. Os amigos do alheio. O amigo de todos... Com amigos assim não precisamos de inimigos. 

Viagens

Maio em Nova York

João van Zeller

Em Nova York sentiu-se o vigor da economia, da abundância e de um progresso imparável. E, na quinta Avenida, a Trump Tower deixada agora ao desinteresse de quem por ali anda, o mau gosto a destacar-se

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)