União Europeia

Na Europa, com dignidade /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

No limbo em que a UE se encontra, entre a confederação e o federalismo, os europeístas precisam de uma injeção de respeito. Caso contrário qualquer solução para o futuro europeu não terá credibilidade

A palavra «crise» tornou-se um prefixo da palavra «Europa». Cada vez que se debate o projeto europeu, enumeram-se as crises vencidas e as crises por vencer – da zona-euro à Ucrânia, dos refugiados ao Brexit –, havendo sempre uma com soluções por encontrar ou, como sabemos, com lições por reter. É raro, todavia, falar-se de uma crise tão marcante quanto as previamente referidas: a crise institucional que a União Europeia atravessa.

Hoje, é notório que os Estados Unidos da América se encontram menos empenhados em evitar que a Europa sofra com a realidade das suas fraquezas ou com as ambições crescentes de países como a Rússia e a China. Esse diagnóstico está feito e não é novidade para ninguém. O que é preocupante – e pouco mencionado – é o facto de a União Europeia raramente reagir à altura das suas circunstâncias. Ora veja-se: perante o rescaldo da crise financeira, o então presidente do Eurogrupo acusou os países mediterrânicos de gastarem «o dinheiro em aguardente e mulheres»; perante o impasse nas negociações para a saída do Reino Unido, o presidente do Conselho Europeu faz piadas sobre «cerejas» e Theresa May no Instagram; perante o já descrito isolamento da UE na arena internacional, o presidente da Comissão Europeia cambaleia ebriamente em cimeiras da NATO.

Como pode a União Europeia acusar Nigel Farage ou Jean-Luc Mélenchon de populismo quando Dijsselbloem, Donald Tusk e Jean-Claude Juncker cometem tamanhas infantilidades? Como vai a União Europeia assumir uma política externa face ao amadorismo do sr. Trump quando há quadros europeus igualmente amadores? Como pode a União Europeia queixar-se da desconfiança dos seus cidadãos quando se mostra incapaz do mínimo de credibilidade?

Não tem autoridade política para fazê-lo e não a tem por responsabilidade própria.

Apesar de sinais positivos na última proposta de quadro plurianual, como o investimento em segurança fronteiriça e em inovação tecnológica, é importante que o próximo ciclo eleitoral seja focado na reconquista desta credibilidade. No limbo estrutural em que a UE se encontra, entre a confederação e o federalismo, os europeístas necessitam de uma injeção de respeito. Caso contrário, qualquer solução para o futuro europeu terá a credibilidade daqueles que falharam em tê-la: nenhuma.

Em Portugal, onde lugares para o Parlamento Europeu são prémio de carreira para autarcas que mal falam inglês, a credibilidade tem-se esforçado por sobreviver. Maria João Rodrigues, Nuno Melo, Paulo Rangel e Marisa Matias são eurodeputados considerados entre os seus pares. Por cá, porém, os políticos domésticos falham em apresentar o projeto europeu como mais do que um limite à despesa («cumprimos as metas de Bruxelas!») ou do que uma fonte de dinheiro («conseguimos mais fundos do que eles!») – o que é tão irresponsável quanto o cambalear pós-almoço do sr. Juncker e tão básico quanto as piadas do sr. Tusk sobre a escolha soberana do povo britânico. Ambos, antes de mudarem seja o que for na União, precisam de mudar o modo como agem em nome dela. Sucintamente, para defender Portugal na Europa e a Europa no mundo, é necessário defender a Europa de si mesma. E não haverá muito mais oportunidades.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
284

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

União Europeia

A tragicomédia do Brexit /premium

Manuel Villaverde Cabral

É devido às razões de fundo da construção europeia, iniciada e discutida em profundidade há mais de 60 anos, que a União Europeia não podia em caso algum facilitar a saída do Reino Unido.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)