União Europeia

Na Europa, com dignidade /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

No limbo em que a UE se encontra, entre a confederação e o federalismo, os europeístas precisam de uma injeção de respeito. Caso contrário qualquer solução para o futuro europeu não terá credibilidade

A palavra «crise» tornou-se um prefixo da palavra «Europa». Cada vez que se debate o projeto europeu, enumeram-se as crises vencidas e as crises por vencer – da zona-euro à Ucrânia, dos refugiados ao Brexit –, havendo sempre uma com soluções por encontrar ou, como sabemos, com lições por reter. É raro, todavia, falar-se de uma crise tão marcante quanto as previamente referidas: a crise institucional que a União Europeia atravessa.

Hoje, é notório que os Estados Unidos da América se encontram menos empenhados em evitar que a Europa sofra com a realidade das suas fraquezas ou com as ambições crescentes de países como a Rússia e a China. Esse diagnóstico está feito e não é novidade para ninguém. O que é preocupante – e pouco mencionado – é o facto de a União Europeia raramente reagir à altura das suas circunstâncias. Ora veja-se: perante o rescaldo da crise financeira, o então presidente do Eurogrupo acusou os países mediterrânicos de gastarem «o dinheiro em aguardente e mulheres»; perante o impasse nas negociações para a saída do Reino Unido, o presidente do Conselho Europeu faz piadas sobre «cerejas» e Theresa May no Instagram; perante o já descrito isolamento da UE na arena internacional, o presidente da Comissão Europeia cambaleia ebriamente em cimeiras da NATO.

Como pode a União Europeia acusar Nigel Farage ou Jean-Luc Mélenchon de populismo quando Dijsselbloem, Donald Tusk e Jean-Claude Juncker cometem tamanhas infantilidades? Como vai a União Europeia assumir uma política externa face ao amadorismo do sr. Trump quando há quadros europeus igualmente amadores? Como pode a União Europeia queixar-se da desconfiança dos seus cidadãos quando se mostra incapaz do mínimo de credibilidade?

Não tem autoridade política para fazê-lo e não a tem por responsabilidade própria.

Apesar de sinais positivos na última proposta de quadro plurianual, como o investimento em segurança fronteiriça e em inovação tecnológica, é importante que o próximo ciclo eleitoral seja focado na reconquista desta credibilidade. No limbo estrutural em que a UE se encontra, entre a confederação e o federalismo, os europeístas necessitam de uma injeção de respeito. Caso contrário, qualquer solução para o futuro europeu terá a credibilidade daqueles que falharam em tê-la: nenhuma.

Em Portugal, onde lugares para o Parlamento Europeu são prémio de carreira para autarcas que mal falam inglês, a credibilidade tem-se esforçado por sobreviver. Maria João Rodrigues, Nuno Melo, Paulo Rangel e Marisa Matias são eurodeputados considerados entre os seus pares. Por cá, porém, os políticos domésticos falham em apresentar o projeto europeu como mais do que um limite à despesa («cumprimos as metas de Bruxelas!») ou do que uma fonte de dinheiro («conseguimos mais fundos do que eles!») – o que é tão irresponsável quanto o cambalear pós-almoço do sr. Juncker e tão básico quanto as piadas do sr. Tusk sobre a escolha soberana do povo britânico. Ambos, antes de mudarem seja o que for na União, precisam de mudar o modo como agem em nome dela. Sucintamente, para defender Portugal na Europa e a Europa no mundo, é necessário defender a Europa de si mesma. E não haverá muito mais oportunidades.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

2019 e a natureza das revoluções /premium

Sebastião Bugalho

Em 2015 Portugal saiu das legislativas num clima “polarizado” e “crispado”. Quatro anos depois todos os partidos com assento parlamentar, da esquerda à direita, acabaram a aprovar as metas de Bruxelas

PSD

A tentativa de riogicídio  /premium

Sebastião Bugalho

Montenegro oferece a Rio o que ele não tinha: uma causa mobilizadora. Os autocratas necessitam e beneficiam de um inimigo externo e Rio, que nunca quis ser anti-Costa, cultivará o anti-montenegrismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)