Democracia

Não é cool ser contra o 25

Autor
450

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida.

Uma das consequências, da estratégia da esquerda de colar a Direita ao Estado Novo, foi a de reclamar para si a exclusividade da satisfação pelo 25 de Abril. Nada há, de mais errado.

Obviamente que, como conservador, teria preferido uma mudança suave e evolutiva do regime, em vez de algo radical. No entanto sempre atribuí ao Governo de Marcello Caetano a responsabilidade primeira de não ter conseguido efectuar essa mudança.

Durante o meu serviço militar – 1986-87 – em Cavalaria, tive a honra de estar às ordens do Governador Militar de Lisboa, à época um General de Cavalaria. Esse General foi um herói na nossa Guerra Colonial, tendo feito parte da elite militar que Spínola chamou para junto de si, na Guiné.

Este General foi preso na sequência do 11 de Março de 1975. Não obstante este facto, quando eu lhe disse qualquer coisa relacionada com o 25 de Abril, ele trovejou na sua voz de cabo de guerra: Ferreira! Eu também sou um Homem de Abril! O que não sou é do 26 do 27 e por aí a fora, até ao 25 de Novembro. Lembro que este General era, à época do 25 de Abril, Tenente-Coronel e, portanto, não foi daqueles que se juntaram ao movimento por questões de rancho.

Percebi aí a armadilha que a esquerda nos tinha colocado. Ser de Direita era ser a favor do Estado Novo, da censura, da resolução da guerra por meios militares, dos presos políticos, da tortura. Ora, não somos. Sei que é errado olhar para o passado com os preconceitos de hoje, mas a verdade é que existiam situações antes de Abril que são erradas em qualquer época ou lugar.

Mas já é tempo para que a esquerda comece a usar os termos correctos do ponto de vista científico. Portugal não era um Estado fascista. A formulação de “Deus, Pátria e Família” é o contrário de qualquer estado fascista. Salazar, aliás, correu com fascistas, monárquicos, republicanos, socialistas e comunistas (os últimos com mais violência, é certo) e com todos aqueles que atrapalhassem a sua visão de homem providencial (que se esquecem sempre do pequeno pormenor da lei da vida…).

Também convém corrigir que a 25 de Abril não existiu nem uma Revolução, nem um Golpe de Estado. Existiu a deposição de um Governo, por forças militares.

Mas esta armadilha estendeu-se a outros níveis. Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. Parece ser proibido ser conservador e gostar do Gato Fedorento ou de Ricardo Araújo Pereira. Pois farto-me de rir e acho o seu humor inteligente.

Está, pois, na altura, da Direita dizer a uns quantos – que nem eram nascidos em 1974 – que já não é cool dizer-se que se é contra o 25 de Abril. Que os males que aconteceram ao nosso País, decorrentes principalmente do 11 de Março — perpetrado por traidores do 25 de Abril –, já tiveram mais do que tempo para serem corrigidos. Que atacar o passado é apenas uma forma de desculpabilizar o presente e de desistir de lutar por um futuro melhor.

Deixemo-nos, pois, de partes, e vamos todos ao que interessa. E o que interessa passa por tirar do Governo da Nação partidos que não gostaram de Abril no seu estado puro, que o quiseram controlar e alterar, e que, com a maior falta de vergonha, reclamam-no como sendo seu.

Conselheiro Nacional do CDS-PP

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Metternich e o familygate

Pedro Barros Ferreira

Mais leis? Valha-me Deus! Já estou a ver a discussão em comissão e em plenário, as audições às Ordens e aos Provedores (não esquecendo sindicatos), as alterações que o Constitucional vai mandar fazer.

Estados Unidos da América

Lá como cá /premium

Pedro Barros Ferreira

Podiam aprender que a “verdade” absoluta que é fornecida pela CNN tem outros ângulos. Mas nada disso interessa quando já se elegeu o inimigo. E se o inimigo se presta a figuras ridículas, melhor ainda

Bloco de Esquerda

Les uns et les autres

Pedro Barros Ferreira

Os partidos da direita democrática devem ater-se no que importa e não em discursos patetas que levam ao afastamento das mulheres que tenham um pingo de inteligência, ou dos ateus, ou dos homossexuais.

Governo

Há novidade, sim, Dr. António Costa /premium

Rui Ramos
1.159

A endogamia do governo não é uma tradição portuguesa, mas um fenómeno novo, que sugere o isolamento de um regime e o esgotamento político do grupo que domina o país há vinte anos. 

Democracia

A democracia em causa /premium

Rui Ramos
745

Perante o actual socratismo sem Sócrates, agora apoiado pelo PCP, pelo BE e pelo PSD de Rio, cada vez precisamos menos do populismo para a democracia estar em causa.

Democracia

Quem tem medo dos cidadãos? /premium

Paulo Trigo Pereira
299

Portugal é, no contexto europeu, dos países mais fechados à participação política dos cidadãos. Desde logo no sistema eleitoral é dos raros países onde não existe voto personalizado em candidatos.

Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto
133

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)