Rádio Observador

Democracia

Não é cool ser contra o 25

Autor
450

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida.

Uma das consequências, da estratégia da esquerda de colar a Direita ao Estado Novo, foi a de reclamar para si a exclusividade da satisfação pelo 25 de Abril. Nada há, de mais errado.

Obviamente que, como conservador, teria preferido uma mudança suave e evolutiva do regime, em vez de algo radical. No entanto sempre atribuí ao Governo de Marcello Caetano a responsabilidade primeira de não ter conseguido efectuar essa mudança.

Durante o meu serviço militar – 1986-87 – em Cavalaria, tive a honra de estar às ordens do Governador Militar de Lisboa, à época um General de Cavalaria. Esse General foi um herói na nossa Guerra Colonial, tendo feito parte da elite militar que Spínola chamou para junto de si, na Guiné.

Este General foi preso na sequência do 11 de Março de 1975. Não obstante este facto, quando eu lhe disse qualquer coisa relacionada com o 25 de Abril, ele trovejou na sua voz de cabo de guerra: Ferreira! Eu também sou um Homem de Abril! O que não sou é do 26 do 27 e por aí a fora, até ao 25 de Novembro. Lembro que este General era, à época do 25 de Abril, Tenente-Coronel e, portanto, não foi daqueles que se juntaram ao movimento por questões de rancho.

Percebi aí a armadilha que a esquerda nos tinha colocado. Ser de Direita era ser a favor do Estado Novo, da censura, da resolução da guerra por meios militares, dos presos políticos, da tortura. Ora, não somos. Sei que é errado olhar para o passado com os preconceitos de hoje, mas a verdade é que existiam situações antes de Abril que são erradas em qualquer época ou lugar.

Mas já é tempo para que a esquerda comece a usar os termos correctos do ponto de vista científico. Portugal não era um Estado fascista. A formulação de “Deus, Pátria e Família” é o contrário de qualquer estado fascista. Salazar, aliás, correu com fascistas, monárquicos, republicanos, socialistas e comunistas (os últimos com mais violência, é certo) e com todos aqueles que atrapalhassem a sua visão de homem providencial (que se esquecem sempre do pequeno pormenor da lei da vida…).

Também convém corrigir que a 25 de Abril não existiu nem uma Revolução, nem um Golpe de Estado. Existiu a deposição de um Governo, por forças militares.

Mas esta armadilha estendeu-se a outros níveis. Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. Parece ser proibido ser conservador e gostar do Gato Fedorento ou de Ricardo Araújo Pereira. Pois farto-me de rir e acho o seu humor inteligente.

Está, pois, na altura, da Direita dizer a uns quantos – que nem eram nascidos em 1974 – que já não é cool dizer-se que se é contra o 25 de Abril. Que os males que aconteceram ao nosso País, decorrentes principalmente do 11 de Março — perpetrado por traidores do 25 de Abril –, já tiveram mais do que tempo para serem corrigidos. Que atacar o passado é apenas uma forma de desculpabilizar o presente e de desistir de lutar por um futuro melhor.

Deixemo-nos, pois, de partes, e vamos todos ao que interessa. E o que interessa passa por tirar do Governo da Nação partidos que não gostaram de Abril no seu estado puro, que o quiseram controlar e alterar, e que, com a maior falta de vergonha, reclamam-no como sendo seu.

Conselheiro Nacional do CDS-PP

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

A cor do cavalo branco de Napoleão

Pedro Barros Ferreira
112

A direita fica muito contente, quando as suas propostas são aprovadas por largas maiorias, ou mesmo por unanimidade. A esquerda não procura consensos. É, aliás, o lado para onde dorme melhor.

Governo

Metternich e o familygate

Pedro Barros Ferreira

Mais leis? Valha-me Deus! Já estou a ver a discussão em comissão e em plenário, as audições às Ordens e aos Provedores (não esquecendo sindicatos), as alterações que o Constitucional vai mandar fazer.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Democracia

Ainda Hong Kong, Macau e a Democracia

Ricardo Pinheiro Alves

Hong Kong e Macau reflectem a diferença entre 330 anos de construção lenta e gradual, mas consistente, de Liberdade e Democracia no Reino Unido, e apenas 44 anos nem sempre consensuais em Portugal.

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)