Rádio Observador

Verão

(Não) ir à praia /premium

Autor
1.114

Já nem sei o que fazer na praia. Não é confortável para ler, não posso ver filmes nem ouvir música, a comida dos bares não presta, e prefiro conversar com pessoas quando estão vestidas e não semi-nuas

Vamos imaginar que uma pessoa civilizada e educada, que viveu no século XIX, regressaria ao mundo no início do século XXI, e iria um dia de Verão a uma praia na Costa portuguesa. Imaginem, por exemplo, Eça de Queiroz na Costa da Caparica ou em Carcavelos num dia de Agosto. Estou absolutamente convencido que ele ficaria espantado e muito confuso. Milhares de pessoas semi-nuas, deitadas ao sol, numa indulgência preguiçosa durante horas e horas sem fim. Mais, estou seguro que o nosso querido Eça julgaria que a humanidade teria enlouquecido.

Pensei nisto, no fim de semana passado, quando fui passar uns dias de férias a uma casa de família em Castro Daire (distrito de Viseu), onde o sossego é precioso, onde posso nadar no rio Paiva só com os meus três filhos e sem mais alguém por perto. Um privilégio incomparável nesta era das massas em que vivemos. A fila de carros para atravessar a ponte chegava à entrada da A5 no Restelo. Fugi imediatamente por Monsanto para apanhar o eixo Norte-Sul. Mas enquanto olhava para os ocupantes de todos aqueles carros, não consegui deixar de pensar: esta gente é louca.

Vejamos. A maioria daquelas pessoas passa horas nos carros, ou em transportes públicos, durante a semana para ir trabalhar. Chega o fim de semana, e o que fazem? Passam horas nos carros em filas intermináveis para ir à praia. Chegam à praia, já cheios de calor, mal-dispostos, com crianças rabugentas, e perdem mais uns largos minutos a encontrar um lugar para o carro. Chegam, finalmente à areia (umas três horas depois de terem saído de casa) e encontram um pequeno espaço entre a multidão onde mal conseguem esticar as toalhas. Despem-se, ficando, na verdade, em roupa interior num espaço público. A maioria daquelas pessoas até num quarto deveria ter cuidado em exibir-se demasiado em roupas interiores. E tudo isto para quê? Para se queimarem e “trabalharem para o bronze” (uma expressão que está no top três das expressões mais estúpidas da língua portuguesa, e não é fácil chegar a este top). Mas o martírio ainda não acabou. Depois é o regresso a casa. Mais uma horas no carro em novas filas intermináveis, com as crianças ainda mais rabugentas. E sabem qual é o cúmulo da loucura? No dia seguinte, domingo, preparam-se para fazer o mesmo.

Convém dizer que não sou um bicho do mato. Quando era novo, nos tempos de escola e universidade, passava muito tempo na praia. Quando os meus filhos eram pequenos passava dias na praia. Pelos nossos filhos, fazemos sacrifícios. Mas ia para a costa vicentina, onde havia praias deliciosas com pouca gente, onde se chegava à praia rapidamente e onde podia fazer muito surf. Na verdade, não fazia sacrifícios. Continuo a ir à praia durante todo o ano, e durante o inverno há dias maravilhosos, com praias desertas, sem vento e ondas perfeitas. Com os meus filhos crescidos – já não precisam de mim para ir à praia – deixei de fazer praia. Só vou para o mar fazer surf. Visto o fato no carro, faço surf, volto para o carro e vou para casa. Já nem sequer sei o que fazer na praia. Não é confortável para ler, não posso ver filmes nem ouvir música, a comida dos bares nas praias não presta, e prefiro conversar com pessoas quando elas estão vestidas e não semi-nuas.

O meu problema é com o hábito de ir à praia todos os fins de semana durante o Verão, apesar dos custos e das dificuldades. Já imaginaram tudo o que se pode fazer durante as horas que se está no trânsito e depois deitado na praia sem fazer nada. Nessas horas, haveria muitos livros para ler, muitos filmes para ver, muita música para ouvir, ou muitas coisas novas para aprender. O hábito de passar muitas horas na praia, deitado ao sol, cria uma preguiça estrutural nas pessoas. O sol não se limita a bronzear, também queima alguns neurónios. Os fins de semana e as férias devem servir para aprendermos, para nos educarmos, para fazer novas descobertas, e não para passar horas intermináveis numa exposição preguiçosa ao sol.

Esta cultura de sol e de praia a todo o custo leva também a uma obsessão com o corpo que muitas vezes deixa de ser saudável. Sou a favor de cuidados com a forma física. Mas não entendo a relação entre o “bronze” e a beleza. Apesar de tudo, na maior parte do ano não estamos queimados, mas sim com a nossa cor natural. Também acho que é um castigo, e nada saudável, estar ao sol. Entre o sol e uma sombra, escolho sempre a última.

Quando se aproxima o Verão, ouvimos anúncios sem fim sobre dietas e programas para “ficar em forma.” Um dia destes, num desses anúncios, ouvi uma mulher dizer “antes da dieta, eu odiava o meu corpo…” Esta expressão é de uma brutalidade enorme. E mostra como a nossa sociedade desenvolve formas de crueldade absolutamente desnecessárias. Tudo por causa da praia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
308

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Igualdade

Mulheres no poder /premium

João Marques de Almeida
304

O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é falsa e visa alcançar outros objectivos políticos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)