Incêndios

Ninguém vai salvar o “país rural”

Autor
1.006

A pretexto da floresta, o governo vai tornar a vida ainda mais difícil às populações rurais. A Idade Média foi o tempo dos povoadores. Vivemos agora no tempo dos despovoadores.

Parece que os incêndios tiveram o efeito das antigas campanhas publicitárias que prometiam “um Portugal desconhecido que espera por si”. Esse Portugal é o “país rural”, que a oligarquia se propõe agora salvar. Desculpem se não consigo ver aqui as políticas de um Estado funcional, mas apenas o palavreado leviano de um regime demagógico.

A partir dos anos 50, a tecnocracia nacional, ainda instalada na ditadura salazarista, mas já a pensar na integração europeia, convenceu-se de que a “província”, tal como o “ultramar”, só tinha desvantagens. As colónias de África eram uma fonte de guerra e isolamento diplomático, e o interior do país, um viveiro de famílias pobres, a deprimir as estatísticas. Pior: África e a província eram as âncoras do salazarismo. Desenvolver e democratizar Portugal pressupunha, portanto, trocar a África pela Europa, e a província pelas cidades do litoral. Foi o que aconteceu, no caso do interior do país por meio da emigração e do desmantelamento europeu do proteccionismo agrícola e industrial. Nos vales e montanhas da província, a população rareou e envelheceu. O território, embora atravessado por vias rápidas, foi abandonado a um matagal pomposamente designado por “floresta”. O desnível de riqueza acentuou-se: o PIB da Área Metropolitana de Lisboa representa 110% da média da UE, mas o do Norte só equivale a 64%, o do Centro, a 68% e o do Alentejo, a 73%.

Durante décadas, as rotundas do “poder autárquico” maquilharam o declínio do “Portugal profundo”. Miguel Torga foi o porta-voz literário desse país “telúrico”, oposto a “Lisboa”. Acontece que a capital, apesar da localização dos ministérios, nem por isso foi poupada. Antes dos turistas e da nova lei das rendas, largas manchas da cidade chegaram a ser uma massa suja de prédios a ruir, lojas esvaziadas pelos centros comerciais da periferia, e bairros tão desertificados e envelhecidos como as aldeias serranas. Nem faltavam os incêndios, como o do Chiado em 1988.

Porquê? Porque também os bairros de Lisboa estavam associados à pobreza e aos constrangimentos que despejavam as aldeias. O Portugal de hoje resultou de uma enorme deslocação de população à procura de melhor vida – melhor vida que não estava nas montanhas, nem, até há pouco tempo, no centro histórico da capital.

Vai agora ser diferente? Não basta mais uma “reforma da floresta”, tal como nunca bastou mais uma citação “telúrica” de Torga. O mato português é um vasto cemitério de reformas florestais. O “país rural” precisa de gente: mais gente, e gente com meios e liberdade para investir. Ora, a pretexto da prevenção dos fogos, o governo prepara-se para dificultar ainda mais a vida no sertão do país. Não é de espantar. À oligarquia repugna tudo o que signifique menos controle e menos impostos, isto é, menos lugares para a clientela. Em Lisboa, a liberalização e o turismo começaram a recuperar a cidade, mas a maioria social-comunista já só fala em congelar, taxar e dissuadir — talvez ainda chegue à proibição neo-zelandeza de vender casas a estrangeiros. Para a província, António Costa lembrou-se de restaurar o antigo regime colonial das culturas obrigatórias, privando os nativos do rendimento dos eucaliptos, e ameaçando-as de expropriação. O pretexto é a “floresta”, a alcatifa verde que o citadino vê deslizar à volta quando passa na autoestrada. Mas sabemos o que a estatização valeu ao Pinhal de Leiria. O resultado, como já tanta gente previu, será um campo com ainda menos gente e, portanto, com mais fogos. A Idade Média foi o tempo dos povoadores. Vivemos agora no tempo dos despovoadores.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
195

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
346

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)