Ainda eu andava a folhear os livros com as singelas vogais do a, e, i, o, u e já se falava que em breve a Humanidade teria carros voadores e que iríamos viver para o espaço. Confesso que na loucura dos tempos em que me perguntavam, todos os dias, o que queria ser quando fosse grande eu alvitrava a hipótese de ser uma geóloga de Marte. Tal seria o salto da Humanidade durante os meus 12 anos escolares.

Também se falava que, no futuro, haveria uma data de tarefas rotineiras que já não nos iriam incomodar mais. Tudo o que fosse “chato” de se fazer seria feito por robôs e nós iríamos viver na loucura de apenas viver! Sem se saber muito bem o que seria isto de “apenas viver”.

A ciência apresentou-se como o motor de um novo mundo maravilhoso que estava a escassos passos de chegar até nós. Um mundo sem problemas.

Hoje, corre 2020.

O ano da pandemia que nos fechou a todos em casa, tal qual quarentena de idade média. A ciência não conseguiu controlar um vírus.  Continua a haver fome no mundo, doenças de outrora e novas doenças que continuam sem cura. Continuamos a adoecer todos os dias. Continuamos sem conseguir controlar a fúria da natureza levando com incêndios ou tempestades que destroem tudo à sua volta em segundos.

Em bom rigor, a Humanidade continua a morrer de fome, de frio, de doença, de investidas da natureza e da sua própria estupidez…

Tudo isto trouxe para este século o complexo de Cassandra. Este complexo acontece quando várias predições, profecias, avisos e outras coisas deste tipo são tomadas como falsas ou desacreditadas veementemente.

O termo surgiu na mitologia grega: Cassandra, filha de Príamo, rei de Troia, conquista a paixão de Apolo, que lhe dá o dom da profecia. Porém, quando o deus percebe que a jovem não corresponde aos seus sentimentos amorosos, amaldiçoa-a, fazendo com que todas as suas profecias, avisos e predições sejam tidas pelos demais como mentiras, impossibilitando-a também de comprovar a validade das suas visões.

Por isso, hoje, a ciência é a Cassandra. Apesar de estar constantemente a trabalhar pela verdade, esse trabalho é tido como uma tentativa de iludir, distrair e não é valorizado. Ao longo dos tempos venderam-nos a ideia de que a ciência seria o mestre da orquestra deste novo mundo. Porém, muitos hoje vêem-na como uma trapaceira instrumentalizada pela política.

A ciência, muitas vezes, prometeu e até profetizou acontecimentos grandiosos que ainda não se cumpriram, ou cumpriram-se de forma diferenciada no imaginário coletivo. Tudo isso tem vindo a refletir-se num descrédito generalizado. Aumenta a polarização das notícias falsas, que proliferam nas redes sociais e instigam discursos inflamados que vão ganhando terreno, colocando de lado um caminho científico crucial para o desenvolvimento das sociedades. Temos de estar atentos, a Humanidade só evolui, focando-se em evidências, não em boatos ou superstições.

O facto de a ciência não se ter efetivado na medida das expectativas geradas no seio da sociedade tornou a ciência na Cassandra do século XXI. e isso é perigoso para a evolução da Humanidade.