Rádio Observador

Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Autor

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

Teve por fim oficialmente início a campanha eleitoral para o Parlamento Europeu, no rescaldo da falsa crise ensaiada pelo autor e encenador político António Costa.

A poucos dias das eleições, é realmente uma lástima que o povo e as televisões queiram sempre mais do mesmo.

Os candidatos – numa lufa-lufa – a disputar o campeonato do maior número possível de quilómetros papados ao dia e a descer em comitiva as inevitáveis “arruadas” barulhentas, na distribuição de panfletos de campanha, agendinhas e canetas da sigla partidária ou a atravessar mercados para meter conversa da treta com peixeiras e vendedoras de fruta.

A seguir é a tortura dos almoços e jantares de autênticas saunas, para despachar o inevitável combinado do lombo de porco + Sumol e vinho da casa para entreter apoiantes e o “discurso” possível do dia, mais gritado que falado para animar as hostes.

De ideias e projectos, não é possível falar.

De metas concretas e compromissos específicos contabilizados nem pensar.

Ninguém quer realmente saber o que é que os partidos propõem.

Porque é que os candidatos realmente se candidatam.

Para que servem?

O que é que fizeram no anterior mandato?

Tudo em Portugal se vai modernizando ou reformando inevitavelmente.

Da estrutura do mercado de trabalho, à generalização dos ATMs, da sofisticação das grandes superfícies à Via Verde, da universalização da net aos smart phones, a explosão das redes sociais.

Parece que só a política e os partidos se mantêm iguais a si próprios, orgulhosamente estáticos.

Impávidos, a ver passar tudo o resto.

Num discurso e numa prática que de tão velha e tão má não se acredita.

O século XIX em camisa.

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra.

Não se cobra bilhete, pode ser que algum atleta se estatele no asfalto, há barulho e luzes que bastem.

Mas é um espectáculo de luz e som deprimente e absolutamente irreal, de tão comezinho, falso e medíocre.

Muitas pessoas parece que gostam.

Portanto a realidade deve estar errada.

Há que fazer muito mais, muito melhor e muito diferente.

E só nessa altura é que se pode pensar em ganhar Portugal a sério.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O rei vai nu ou tempo para outras escolhas

Miguel Alvim

O bom trabalho de toda uma legislatura do CDS não pode ser confundido com dois falsos temas, a saber, o da reposição do tempo de serviço dos professores e o da malfadada passadeira lgbt de Arroios.  

CDS-PP

O partido da liberdade

Miguel Alvim

Falta agora ao CDS apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)