Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Autor

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

Teve por fim oficialmente início a campanha eleitoral para o Parlamento Europeu, no rescaldo da falsa crise ensaiada pelo autor e encenador político António Costa.

A poucos dias das eleições, é realmente uma lástima que o povo e as televisões queiram sempre mais do mesmo.

Os candidatos – numa lufa-lufa – a disputar o campeonato do maior número possível de quilómetros papados ao dia e a descer em comitiva as inevitáveis “arruadas” barulhentas, na distribuição de panfletos de campanha, agendinhas e canetas da sigla partidária ou a atravessar mercados para meter conversa da treta com peixeiras e vendedoras de fruta.

A seguir é a tortura dos almoços e jantares de autênticas saunas, para despachar o inevitável combinado do lombo de porco + Sumol e vinho da casa para entreter apoiantes e o “discurso” possível do dia, mais gritado que falado para animar as hostes.

De ideias e projectos, não é possível falar.

De metas concretas e compromissos específicos contabilizados nem pensar.

Ninguém quer realmente saber o que é que os partidos propõem.

Porque é que os candidatos realmente se candidatam.

Para que servem?

O que é que fizeram no anterior mandato?

Tudo em Portugal se vai modernizando ou reformando inevitavelmente.

Da estrutura do mercado de trabalho, à generalização dos ATMs, da sofisticação das grandes superfícies à Via Verde, da universalização da net aos smart phones, a explosão das redes sociais.

Parece que só a política e os partidos se mantêm iguais a si próprios, orgulhosamente estáticos.

Impávidos, a ver passar tudo o resto.

Num discurso e numa prática que de tão velha e tão má não se acredita.

O século XIX em camisa.

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra.

Não se cobra bilhete, pode ser que algum atleta se estatele no asfalto, há barulho e luzes que bastem.

Mas é um espectáculo de luz e som deprimente e absolutamente irreal, de tão comezinho, falso e medíocre.

Muitas pessoas parece que gostam.

Portanto a realidade deve estar errada.

Há que fazer muito mais, muito melhor e muito diferente.

E só nessa altura é que se pode pensar em ganhar Portugal a sério.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O partido da liberdade

Miguel Alvim

Falta agora ao CDS apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Animais

Sinais dos tempos

Miguel Alvim

A protecção da totalidade da realidade natural e nela da pessoa, de todas as pessoas sem excepção, é a obrigação mais solene, mais grave e mais urgente do sistema político-partidário português.

Eleições Europeias

Another brick in the wall?

Maria Castello Branco

Como todos os que desfrutaram da liberdade de circulação e do Erasmus bem sabem, a Europa é o pluralismo de nações, mas ela está demasiado centralizada e burocrática para que a diversidade seja ouvida

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)