Existe​ uma​ curiosidade​ incessante​ sobre​ os​ inovadores como​ ​Steve​ ​Jobs​ ou Elon​ ​ Musk.​ E​ se​ ​ alguns consideram​​ que​ é​ sorte,​ outros​ ​dizem que​ a​ sorte dá​ muito​ trabalho.​ Mas​ será​ ​que​ ​existe algum​ ​superpoder​ que​ tenham em​ comum?​

Existem inúmeros​ livros​ e​ documentários​ sobre como​ ​nos podemos tornar mais​ eficientes​ e​ mais​ produtivos,​ como​ se​ o mais​ ​importante fosse seguir​ um conjunto​ de​ ​regras a​​ que​ todos​ temos​ acesso.​ Os​ ​grandes inovadores constroem​ as​ suas​ próprias​ regras​ e​ os​ seus​ próprios​ mundos, mas​ qual​ é​ a​ característica​ ​que ​lhes permite​ chegar mais​ longe​ do que​ todos​ os​ outros?​

A​ ​resiliência​ ​e​ ​força​ ​mental

Em grande​ parte​ dos​ casos​ existe​ ​um ​elo comum:​ ​a capacidade​ de​ estarem disponíveis​ para​ perseguir​ objetivos​ de​ muito​ longo​ prazo,​ com​ sucesso improvável,​ que​ impliquem​ desbravar​ novos limites​ de​ ​força mental. Contrariamente​ ao​ expectável,​ encontram​ ​em cada​ momento de​ adversidade​ uma​ nova​ fonte​ de​ força​ e​ motivação.​

Eles estão​ disponíveis​ para​ o​ ​indefinido, para não​ saberem​ o​ que​ vem​ ​a seguir. E​ isso​ não​ é​ um obstáculo,​ é​ parte ​de criar​ o futuro.​ Abraçam​ o desconhecido​ e,​ apesar​ de​ tentarem​​ antecipar ​​o que​​ acontece​ a ​seguir,​​ percebem​​ que​​ o​​ seu​​ ​grande ​​valor ​é​​ ​conseguirem​ adaptar-se​​ a​ qualquer novo​​ ambiente​​ fora​​ da​​ zona​​ ​de​ conforto,​​ mesmo​​ depois​​ de​​ ​falharem.

Quinze​ ​anos​ ​e​ ​quatro​ ​tentativas​ ​depois

À​ quarta​ tentativa​​ foi​​ de​​ vez.​ ​​A​ ​SpaceX,​ a​​ ​empresa ​de​​ exploração​ espacial ​de​ Elon Musk​​ conseguiu​​ recuperar​ ​um​​ foguetão​ ​que​​ lançou​​ ​em órbita,​ aterrando-o​​ suavemente​ ​numa​​ plataforma.​ ​Foram​​ mais​​ de​​ ​15 anos ​para​​ se​​ chegar​ ​a​ ​este​​ resultado.​

Em 2014​, ​no​​ programa​ ​’60​ ​Minutos’​ ​​da ​CBS,​ ​Elon​​ Musk​​ ​quando confrontado ​se​ ​depois​ ​dos​ ​três​​ lançamentos​ ​de​​ foguetões​ falhados​ ​e uma situação de quase falência das suas duas empresas alguma​ vez​​ considerou​ ​desistir​, ​respondeu:​ “Eu nunca​ ​desisto.​ ​Eu​​ teria​​ de​​ estar​​ morto​​ ou​​ completamente​ incapacitado​ para​​ desistir.”

No ​caso​​ de​​ Elon​​ Musk​, ​​se ​não​​ tivesse​​ tentado​​ uma​​ quarta​​ ​vez, ​evitar​​ o​ fracasso ​teria​ ​sido​​ evitar​​ o​​ sucesso.​

Evitar​ ​fracassos​ ​é​ ​evitar​ ​sucessos

O sucesso​​ não​​ é​​ linear.​ E infelizmente,​ é​​ rara​​ ​a​ história​ ​de quem​​​ passa​​ de​ sucesso ​em​​ sucesso. Por​​ detrás​ ​de​​ cada​ ​sucesso,​ existem ​vários​ insucessos. No ​entanto,​ ​e​​ apesar​ ​do​​ ​próprio ​Elon​​ Musk​ reconhecer​ ​que​ se​​ dedica​ ​​a projetos ​altamente​​ arriscados​​ e​ com​​ pouca​​ probabilidade​​ de​​ ​sucesso, ele ​defende ​que viver​​ na​​ ​incerteza ​entre​​ ter​​ um​​ sucesso​​ ou​​ ​um fracasso ​é​ o​​ único​​ caminho​ ​para​ ​​a​ inovação.​

Este percurso​ ​de​​ incerteza​​ vale​​ ​a​ pena​​, porque​ ​o​​ resultado​​ da​​ inovação​ será suficientemente relevante​ para​​ os​​ riscos​ ​​em ​causa.​ “Se​ algo​​ é​​ suficientemente​ ​importante​​ devemos​​ tentar,​​ mesmo​​ que​​ o​ resultado​ mais​​ provável​​ seja​​ o​​ fracasso”​ – ​Elon Musk​.

Mas ​será​ ​que​ ​isto​​ quer​​ ​dizer ​que​​ o​​ falhanço​​ afeta​​ de​​ ​forma ​diferente​ ​os​ inovadores ​como​​ Elon​​ Musk?​ O ​falhanço​ ​afecta-nos​​ sempre,​ ​não​ ​dá​ ​prazer, ​nem​ ​gratificação​ ​imediata,​ mas ​é​​ a​ força​​ interior​​​que​ construímos​​ para​​ saber​​ continuar​​ que​ determina ​chegarmos​ ​ao​​ sucesso.​

“O ​sucesso​ ​é​​ passar​​ de​​ insucesso​​ ​em ​​insucesso ​sem​​ ​perder ​o​​ entusiasmo” – Winston​​ Churchill​

A​ ​chave​ ​para​ ​a​ ​força​ ​mental​: a ​regra​ ​dos​ ​40%

A regra dos 40% é simples: quando a nossa cabeça diz que não conseguimos, que estamos exaustos e não podemos ir mais longe e que vamos fracassar, ainda só fizemos apenas 40% do que precisamos de fazer ​para​ ter​ ​sucesso.​

A regra dos 40% relembra que não importa o quão exaustos nos sentimos, que é sempre possível explorar uma fonte de energia inexplorada, e​​ encontrar​ a motivação.​

Esta é uma das regras dos seals americanos que Jesse Itzler, um empreendedor americano, passou a integrar na sua forma de pensar, depois de contratar um elemento das Forças de Operações Especiais da Marinha dos Estados Unidos para passar um mês consigo e com​​ a​​ sua​​ ​família​ a​​ ensinar-lhes​ como​​ treinar​​ a​​ força​ ​ mental.​

De facto, esta teoria não implica que a nossa mente e o nosso corpo não têm ​ limites; no entanto, permite-nos conhecer os nossos verdadeiros limites. Todos temos um tanque de reservas e todos conseguimos fazer muito mais do que pensamos tanto na nossa vida profissional como na nossa vida pessoal. Quando vamos às nossas reservas, quando puxamos por nós, encontramos novos limites.

Não seremos todos Elon Musk ou Steve Jobs, mas depende de nós aceitarmos o desafio de nos aproximarmos dos nossos ​ verdadeiros​ ​ limites.​

Filipa Neto é empreendedora e co-fundadora da startup Chic by Choice. Estudou Economia na Católica Lisbon School of Business & Economics. Juntou-se aos Global Shapers Lisbon Hub em 2013.

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes da sociedade portuguesa. Ao longo dos próximos meses, partilharão com os leitores a visão para o futuro do país, com base nas respetivas áreas de especialidade. O artigo representa, portanto, a opinião pessoal do autor enquadrada nos valores da Comunidade dos Global Shapers, ainda que de forma não vinculativa.