Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Todos os dias 16 de Maio têm, para nós, Banco Alimentar do Porto, um significado e um sentido muito especial. Há 27 anos, um punhado de pessoas BOAS deram início a um sonho muito generoso. E há 27 anos que continuamos diariamente esse sonho, num trabalho em alegria, em favor dos mais carenciados do nosso distrito do Porto.

Mas esse sonho tem resultado fruto da congregação de esforços de muitos: das instituições que, no terreno, estão directamente em contacto com os mais carenciados, trabalhando, por vezes, em condições muito difíceis. Dos voluntários que, com o seu trabalho de gratuitidade e alegria, diariamente, servem uma causa comum em favor dos mais desfavorecidos e excluídos da nossa sociedade. Dos colaboradores que se dedicam com zelo e dedicação, aplicando toda a sua inteligência e energia, em função dos nossos objectivos. Dos benfeitores e doadores que, acreditando na nossa causa e valores, tão generosamente contribuem para que o Banco Alimentar do Porto cumpra a sua missão, na atribuição de um cabaz humanamente digno a cada carenciado.

Neste momento de crise pandémica, que já dura há um ano, temos verificado que os Portugueses continuam – e mais do que nunca – a alimentar a nossa causa.

Assistimos a uma ajuda crescente a entrar pela nossa porta, porta essa que continua sempre aberta, não fosse este, infelizmente, um dos momentos em que os Portugueses mais precisam de nós. Desde as dezenas de novos voluntários, até às novas e reinventadas Campanhas de Recolha de Alimentos, pela porta do Banco Alimentar do Porto entrou apenas esperança, vontade acrescida de trabalhar e ajudar o próximo durante esta crise. Os desafios que a pandemia nos apresenta são enormes, sem dúvida, mas foram também desafios com uma dimensão ínfima, quando comparados com a enorme onda de solidariedade de soluções e de força, que nos foi chegando de todos os lados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sem cultivar ilusões – pois temos consciência de que há, ainda, um longo e desafiante caminho pela frente –, sabemos, ainda assim, que quando se virar a página da pandemia, o Banco Alimentar do Porto não será o mesmo. Bebemos da sabedoria e do contributo de cada um dos novos elementos que, à sua maneira, nos transformaram. Que com o seu amor e dedicação nos ensinaram, todos os dias, algo novo. Não temos dúvidas de que, nesta caminhada, ensinamos muito, mas aprendemos muito mais. E é exactamente aqui que reside a beleza da ajuda ao próximo: sabermos que trilhamos, em conjunto, um caminho que nos faz evoluir como seres humanos e que nos irá colocar, invariavelmente, num novo patamar.

É hora de assimilarmos que os momentos de pausa são excelentes oportunidades para cuidarmos de nós e do próximo. Só apenas fora da correria do dia-a-dia é possível começarmos a percorrer a maratona que nos irá permitir ver e viver a vida de uma outra forma. De olharmos para o adquirido como uma conquista que deve ser cuidada e celebrada diariamente.

Assimilemos, com todo este período de incerteza que atravessamos, que nada é certo, nada é para sempre e que se nos envolvermos activamente com a nossa comunidade – seja ela família, a nossa rua, a nossa cidade ou qualquer Instituição de Solidariedade do nosso país ou do mundo – teremos muitos dias de festa e muitas datas para celebrar. Somos agentes da mudança por um mundo mais altruísta. Hoje é apenas mais um dia que celebramos, quando passam 27 anos do início deste caminho.